País

Veterinários municipais alertam para listas de espera para recolha de animais

A Associação Nacional de Médicos Veterinários dos Municípios alertou hoje para a existência de “listas de espera” nos canis municipais, impossibilitando a recolha de animais abandonados, três meses após a entrada em vigor da lei que proíbe o abate.

“O canil intermunicipal com o que o meu concelho funciona, o canil intermunicipal do Alto Minho, tem neste momento uma lista de espera, de cães, de 63 animais. Estão à espera 63 animais para ser recolhidos. Desses, alguns estão na rua, outros estão a ser acolhidos por pessoas que os abrigaram e estão à espera que haja uma vaga no canil”, afirmou Ricardo Lobo, membro da direção da Associação Nacional de Médicos Veterinários dos Municípios (ANVETEM).

Para o responsável, este já é “um número considerável”, uma vez que os animais que estão na rua se podem “juntar a outros e formar matilhas”.

“Numa certa fase estes cães estão inofensivos e mais ou menos circunscritos, depois com a distribuição de alimentos começam a formar ninhadas, e as ninhadas a formar matilhas, e depois começa a haver ataques a pessoas e a animais e isto são sinais de coisas que vão acontecer”, afirmou.

Ricardo Lobo disse ainda, em declarações à agência Lusa, que “a maior parte dos centros de recolha” estão a recolher apenas os animais que são “mesmo urgentes”, que representam perigo para as pessoas ou estão doentes.

“Os cães que são agressivos, que estão na rua e representam um perigo, tudo o resto vão dizendo [os Centros de Recolha Oficiais (CRO)] às pessoas para aguentarem os animais no sítio em que estão algum tempo, que logo que houver um espaço se arranja um sítio para eles ficarem”, afirmou.

O veterinário acrescentou, ainda, que a maioria dos CRO que seguem, por opção, uma política de abate há mais de um ano, regista já listas de espera superiores a uma centena de cães.

“Vamos deixando aquele cão que até estava na rua e nunca fez mal a ninguém, mas, entretanto, mordeu uma criança, como aconteceu recentemente em Amarante. É o que vamos ter. Para já ainda passou pouco tempo, mas os efeitos vamos tê-los”, alertou o responsável.

O “abate de animais em centros de recolha oficial de animais por motivos de sobrepopulação, de sobrelotação, de incapacidade económica ou outra que impeça a normal detenção pelo seu detentor” foi proibido a partir de 23 de setembro de 2018.

De acordo com a lei, os animais acolhidos pelos Centros de Recolha Oficial que não sejam reclamados pelos seus donos no prazo de 15 dias, a contar da data da sua recolha, são “considerados abandonados e são obrigatoriamente esterilizados e encaminhados para adoção”.

A Região Autónoma da Madeira deixou de abater animais nos canis municipais em 2016, depois de aprovar a proibição do abate de animais de companhia e errantes e definiu um programa de esterilização, em sessão plenária no parlamento insular em 04 de fevereiro de 2016, que entrou em vigor 30 dias depois.

Já os municípios da Região Autónoma dos Açores têm até 2022 para se prepararem para o fim do abate de animais nos canis municipais, apesar de haver já alguns municípios a tentar antecipar o fim do abate.

Previous post

Estudantes absolvidos da morte de colegas em queda de muro em Braga

Next post

Faleceu aos 102 anos o eterno professor da Banda Marcial de Arnoso

Cidade Hoje