Vermoim: GNR no terreno para investigar e identificar pessoas envolvidas no episódio de “beija-cruz”

A Guarda Nacional Republicana está no terreno a investigar o caso divulgado pela Cidade Hoje, na noite deste domingo, onde um grupo de populares organizou um encontro numa das ruas da freguesia para celebrar a Páscoa.

Nas imagens publicadas na internet é possível ver as pessoas a beijarem uma cruz.

https://www.facebook.com/radiocidadehoje/videos/713010742769223/?__xts__%5B0%5D=68.ARD1A9hExzOwjjBZbIBcynyjQHzIVCGH-a3kPW2pVpIgq_z2Qwic0F_tKFv-8gBq4-eEDfvQeg7IEU70b3LUJUoYWpGpJqFtgiTFrbQ2x_XyntIOrAFIlovyZkJLP5L9Wb-0DYWqSXBy_XD_G2_uA_tfRIz6RA8AenzitN_-QqX3byu-X22pauINp2HjumCabCjdyE_jmdRAIg3LBI4n4co-oghPhBtLWzb2K2Dp0DW7zGw4k1wkZePQkDHrBi2bqSiREIfVG1xV7dUL71sds-XYlDz_FUYZedPQzuAzbQkR3wQdqFfiTu5b0XWMwzGj-YsArkSEQHFQq6cDbvsFcB3aKB_4graY1Ck&__tn__=-R

 

O autores da situação, que a GNR procura identificar, podem incorrer em crimes como desobediência, propagação de doença contagiosa, sendo que a moldura penal pode chegar aos oito anos de prisão.

No caso do crime de propagação de doença, e consultando o artigo 283.º, se este for cometido negligência, a pena de prisão chega aos 5 anos. Já quem cria o contagio de uma doença e colocar em perigo a vida ou integridade física de outras pessoas pode ser punido com prisão de um a oito anos.

Já a desobediência prevê uma pena até dois anos de prisão e que pode ser agravada em um terço dada contingência de Estado de Emergência que o país atravessa.