País

“Verão no Campus” faz dez anos e atrai 340 alunos do secundário

A Universidade do Minho acolhe na próxima semana cerca de 340 alunos do ensino secundário em 25 atividades lúdico-pedagógicas ligadas às ciências, engenharia, saúde, ciências sociais e artes. O programa “Verão no Campus” (VnC), que assinala o décimo aniversário e já chegou a cerca de 3500 jovens de quatro continentes, inclui ações como simular cirurgias, fazer escavações e fabricar embalagens comestíveis.

A iniciativa começa na segunda-feira, dia 23, às 11h00, no auditório A1 do campus de Gualtar, em Braga, com a presença da vice-reitora da UMinho para a Educação, Margarida Casal, e da diretora do Departamento Pedagógico da Associação Académica, Catarina Ferreira. A sessão de encerramento realiza-se na sexta-feira, a partir das 16h30, no Parque das Oliveiras, também em Gualtar, prevendo-se o discurso do reitor Rui Vieira de Castro, a entrega dos diplomas aos participantes e vários momentos de animação.

O VnC pretende auxiliar os alunos do 9º ao 12º anos na escolha de um curso superior, através de um conhecimento mais profundo da sua área de vocação. Em termos práticos, será possível, por exemplo, produzir hambúrgueres elétricos, aprender primeiros socorros, auscultar a atividade do cérebro, fazer cultura in vitro de células vegetais, simular um julgamento penal, idealizar uma empresa de sucesso e desenvolver maquetes com máquinas de desbaste. Os futuros universitários serão acompanhados por docentes, investigadores e estudantes da UMinho (“monitores”), tendo a oportunidade de descobrir as particularidades das diferentes áreas do conhecimento, conhecer as cidades de Braga e Guimarães, conviver com colegas de diversas regiões do país e do estrangeiro e aprender enquanto se divertem. O programa integral está disponível em www.uminho.pt/veraonocampus.

3500 participantes e 275 atividades numa década

Os dez anos de VnC já trouxeram à UMinho mais de 3500 jovens de quatro continentes, incluindo países como França, Itália, China, Brasil, Angola, Moçambique, Cabo Verde, Espanha e Portugal. Foram promovidas 275 atividades e envolvidos cerca de 900 cientistas e 400 monitores. “O projeto está claramente consolidado, tendo vindo a cativar cada vez mais estudantes de diversas regiões do país e do estrangeiro. É uma experiência de imersão no ambiente universitário e científico proporcionada pelas onze escolas e institutos da UMinho”, realça a Reitoria.

De participantes a monitores do VnC

Jorge Guimarães e Ana Castro participaram como alunos do secundário nas primeiras edições do VnC, “um programa que ajuda a definir o futuro e a tomar uma decisão mais consciente”, destacam. Ambos acabaram por escolher a UMinho para prosseguirem a formação. Enquanto Jorge optou pelo mestrado integrado em Engenharia Mecânica, Ana seguiu o curso de Enfermagem. A meio do percurso repetiram a experiência do VnC, mas desta vez assumindo o papel de monitores, com o objetivo de apoiar os mais novos nas suas escolhas para o ensino superior. Hoje, apesar de estarem já no mercado de trabalho, sentem “saudades daquelas semanas estivais” e do ambiente criado entre participantes, monitores e professores da academia.

Previous post

Saiba por onde passa o Rali de Famalicão

Next post

Preços dos combustíveis com maior descida dos últimos cinco meses

Cidade Hoje