País

Trabalhadores dos supermercados em greve na véspera de Natal

Em comunicado, a estrutura sindical avança que os trabalhadores das empresas de distribuição (super e hipermercados, armazéns e logísticas das empresas de distribuição, grandes armazéns e lojas especializadas) “vão estar em greve dia 24 de dezembro de 2018”, apontando o falhanço das negociações com as empresas como razão para a paralisação.

Em declarações à Lusa, o diretor-geral da Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição (APED), Gonçalo Lobo Xavier, diz que as empresas que representa “compreendem as razões da convocação da greve”, mas salientou que a entidade “não considera que as negociações estejam a correr mal”.

“O processo é longo, são matérias difíceis e tem havido progressos. Não é fácil, sobretudo se tivermos em conta que há um enquadramento neste momento em Portugal que provoca algum distúrbio, como o anúncio do salário mínimo para 2019”, afirmou.

O CESP, por sua vez, garante que depois de “26 meses de negociação” as empresas representadas pela APED e que incluem a “Sonae, Pingo Doce/Jerónimo Martins, Auchan, Lidl, Dia/Minipreço, El Corte Inglés e muitas outras, continuam a não apresentar propostas de verdadeiro aumento dos salários e correção das injustiças e discriminações existentes”.

O sindicato diz depois que, “pelo contrário, continuam a querer reduzir o valor do trabalho extraordinário e desregular ainda mais os horários de trabalho com a introdução do banco de horas no CCT [Contrato Coletivo de Trabalho]”, lê-se na mesma nota.

Gonçalo Lobo Xavier conta que esta segunda-feira houve “um encontro no Ministério do Trabalho e os sindicatos manifestaram o seu descontentamento com a proposta avançada [pela APED]”.

Ficou marcada uma nova reunião para o dia 21 de janeiro, mas o mesmo dirigente associativo não excluiu que sejam encetadas negociações não oficiais para tentar evitar a paralisação.

O CESP mostra-se descontente com o andamento das negociações, salientando que “permanece em cima da mesa uma proposta de aumento de 3,21 euros (0,5%) para os operadores e escriturários especializados da tabela A”, além de colocar, segundo o sindicato, a generalidade dos trabalhadores “próximos do salário mínimo nacional”.

Os trabalhadores acusam ainda a APED de ter apresentado uma proposta “discriminatória”, já que fala em aumentos de chefias e quadros de 1,14%.

“Esta proposta permanece inalterada quando as empresas e a APED sabem já que é intenção do Governo fixar o SMN [salário mínimo nacional] nos 600 euros”, critica o CESP, apontando situações, nos escalões dos trabalhadores da distribuição, que ficam entre salários de 580 euros e 630 euros, de acordo com a respetiva tabela e escalão.

O sindicato acusa as empresas de quererem manter a distribuição como um setor de salário mínimo nacional, referindo que com a proposta em cima da mesa a evolução salarial desde a admissão até ao topo de carreira, para os trabalhadores dos escritórios e lojas, “será de 30 euros”, quando na penúltima revisão do CCT, em 2010, era de 139,5 euros.

A APED salienta ainda que tudo será feito para “minimizar o impacto de greve para os consumidores”, na véspera de Natal.

Previous post

Rusga na freguesia de Brufe termina com mulher detida, investigação decorria há dois meses

Next post

Clube de Xadrez da Didáxis é potência nacional

Cidade Hoje