Tipos de seguro segundo o teu plano

Vivemos numa sociedade imprevisível em que tudo pode mudar de um momento para o outro. É por isso que os seguros desempenham um papel tão importante. Por mais estável que seja a nossa situação económica, certas tragédias inesperadas, doenças ou acidentes podem afetar de maneira decisiva a sobrevivência de empresas, indivíduos, ou mesmo agregados familiares.
Mas nem todos os seguros funcionam da mesma maneira. Se quer deixar de se preocupar com aqueles imprevistos que lhe tiram o sono na hora de ir dormir, a solução passa por contatar uma seguradora e escolher o plano que melhor se adequa às suas necessidades. Estes são alguns dos tipos de seguro que se encontram à sua disposição em Portugal:

Seguro obrigatório

Existem alguns seguros que são tão importantes que é mesmo impossível não contar com eles. Os seguros obrigatórios são extremamente comuns, até porque fazem parte da vida de todas as pessoas que conduzem um carro ou que são proprietárias de um imóvel. Exemplos de um seguro obrigatório incluem o seguro automóvel e o seguro contra incêndios, que constituiu uma cláusula obrigatória do seguro de habitação (que normalmente também envolve uma série mais exaustiva de parâmetros não-obrigatórios).

Seguro temporário

Todos os seguros se celebram através de contratos e são por isso temporários, pelo menos numa certa medida. Mas quando falámos de seguros temporários referimo-nos a um seguro por dias: um seguro que tem uma duração muito curta e que normalmente acarreta custos relativamente inferiores. Alguns exemplos clássicos de seguros temporários incluem os seguros de viagem ou os seguros associados ao aluguer de carros. Por outras palavras, aplicam-se a atividades ou empréstimos de duração curta mas que implicam uma certa dose de responsabilidade. A melhor parte? Hoje em dia é mais fácil do que nunca obter seguros por dias, principalmente através da Internet.

Seguro de responsabilidade civil

Os seguros de responsabilidade civil fazem parte de seguros temporários e obrigatórios, mas não deixam por isso de ser distintos de um seguro tradicional. A diferença crucial é que este tipo de seguro não se aplica ao dano feito por terceiros, mas antes ao potencial dano feito pelo indivíduo que assina o contrato com a seguradora. Porque a atividade de cada um de nós tem consequências na sociedade e os acidentes acontecem a toda a hora, estes seguros estão desenhados para proteger um cidadão do dano que ele próprio possa causar. Exemplos típicos de serviços de responsabilidade civil incluem o seguro automóvel ou o seguro profissional de alto risco (aplicável a médicos ou polícias, por exemplo).

Operações de capitalização

As operações de capitalização são um tipo muito diferente de seguro, já que se inserem numa perspetiva puramente económica. São normalmente associados a negócios e usados como ferramentas de mitigação de risco. A diferença crucial entre uma operação de capitalização e um seguro tradicional está assente na sua finalidade: enquanto que um prevê uma compensação caso algo aconteça (um acidente, por exemplo), o outro supõe uma compensação mesmo que nada aconteça. Por outras palavras, os seguros conhecidos como operações de capitalização são sempre finalizados com a atribuição de um montante previamente definido, a receber pelo indivíduo ou empresa que assinou o contrato com a seguradora.