Testes de despistagem começam terça-feira nas escolas publicas e privadas

Mais de 50 mil trabalhadores das escolas públicas assim como os funcionários dos estabelecimentos privados começam na terça-feira a ser testados à covid-19, anunciou esta sexta-feira o ministro da Educação.

As creches, os estabelecimentos de ensino pré-escolar e do 1.º ciclo reabrem as portas na segunda-feira e no dia seguinte arranca a campanha de testes naquelas escolas públicas e privadas.

“Este novo exercício (de testagem) começa na terça-feira a mais de 50 mil trabalhadores do sistema público, mais os trabalhadores do universo do privado”, afirmou o ministro Tiago Brandão Rodrigues, durante uma conferência de imprensa de apresentação de medidas de apoio aos setores da Economia, Trabalho, Cultura e Educação.

Segundo Tiago Brandão Rodrigues, haverá um “varrimento a todos os trabalhadores”, mas “os trabalhadores não serão testados à entrada para saber se podem ou não entrar na escola”.

A campanha de testagem, disse, é mais “uma medida suplementar para diminuir a propagação da doença (covid-19)” em ambiente escolar.

“Houve entre 0,1% e 0,2% de positividade nos testes” já feitos na comunidade escolar

Aos testes de despistagem junta-se a vacinação dos professores contra a covid-19 e outras medidas mais antigas como o uso de máscara, o distanciamento entre alunos ou os circuitos de circulação dentro das escolas.

Tiago Brandão Rodrigues sublinhou o trabalho realizado nas escolas para garantir que são espaços seguros, lembrando os resultados da testagem à comunidade escolar que começou em 20 de janeiro e envolveu cerca de 65 mil alunos.

O resultado dos testes, que continuaram nas escolas de acolhimento quando o ensino presencial foi suspenso, mostrou que as escolas eram espaços seguros. “Houve entre 0,1% e 0,2% de positividade nos testes”, salientou o ministro.

“O modelo de testagem aplica-se às creches e pré-escolar da mesma forma que ao primeiro ciclo: quer creches do setor social quer creches do setor dito lucrativo”, acrescentou a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho.

O plano de testagem nas escolas prevê que, além dos trabalhadores, também os alunos do ensino secundário façam testes de despiste à covid-19 no regresso às aulas.

O Governo decidiu na quinta-feira que em 15 de março reabriam as creches, pré-escolar e 1.º ciclo e que, depois das Páscoa, em 5 de abril, era a vez do regresso dos alunos dos 2.º e 3.º ciclos.

Os estudantes do secundário e ensino superior retomam o ensino presencial em 19 de abril.

Sobre o anúncio de vacinação contra a covid-19 dos profissionais escolares, o ministro remeteu para a ‘task force’ que coordena essa atividade.