Coronavírus: Sindicato dos Trabalhadores dos Registos diz que serviços não estão preparados

“O STRN lamenta que os trabalhadores não tenham sido informados de normas orientadoras no procedimento a ter contra o novo vírus”, afirma em comunicado a direção da estrutura sindical.

O sindicato denunciou assim a “inexistência de medidas profiláticas” para prevenção de infeção, a falta de orientações para a mitigação de eventuais consequências de contágio e o facto de não ser conhecido qualquer plano de contingência ou informação sobre como atuar nos diversos cenários que podem colocar-se.

O sindicato espera medidas da tutela, nomeadamente na Região Autónoma da Madeira. Pede que sejam distribuídas máscaras aos trabalhadores, desinfetante para mãos e objetos, bem como um manual de procedimentos.

O sindicato alega que os trabalhadores estão particularmente expostos quando fazem atendimento público.

“A falta de 1.500 trabalhadores, os equipamentos totalmente obsoletos e as aplicações sempre a falhar, têm como consequência elevados tempos de espera que fazem com que os cidadãos permaneçam durante muito tempo dentro dos serviços”, lê-se no comunicado.

No documento, o sindicato diz que a falta de condições de saúde, segurança e higiene “na esmagadora maioria dos serviços”, que se encontram “deficientemente instalados em espaços exíguos e sem a devida ventilação” não podia ser pior para este tipo de doenças.

Os trabalhadores, refere a estrutura, têm uma média etária de 57 anos: “Encontram-se nos grupos de risco mais suscetíveis a este tipo de doenças”.

O surto de Covid-19 – a doença provocada pelo novo coronavírus, que pode causar infeções respiratórias como pneumonia – já provocou cerca de 3.200 mortos e infetou mais de 93.000 pessoas em 78 países, incluindo cinco em Portugal.

Das pessoas infetadas, cerca de 50.000 recuperaram.

Além de 2.983 mortos na China, há registo de vítimas mortais no Irão, Itália, Coreia do Sul, Japão, França, Hong Kong, Taiwan, Austrália, Tailândia, Estados Unidos da América e Filipinas.

Trabalhadores dos registos entram hoje em greve até sábado

O Sindicato Nacional dos Registos alerta que está para breve a produção de efeitos de um diploma que “incorpora e cristaliza” as “assimetrias salariais”, verificando-se uma “falta de esclarecimento e clarificação” do que está em causa e “qual o verdadeiro salário a auferir por cada um dos trabalhadores”.

Exigindo ao Governo “diálogo e franca negociação”, o SNR reivindica, entre outros pontos, o “fim dos salários ilegais, superiores ao Presidente da República”, a “reconhecida promoção/compensação imediata de todos os escriturários a escriturários superiores” e a “contabilização/compensação dos pontos acumulados, para progressão, de todos aqueles que se encontram no último escalão indiciário”.

Na lista de reivindicações está ainda o cumprimento da negociação coletiva, os subsídios de insularidade e de interioridade, o fim da mobilidade discricionária, a melhoria das condições de trabalho (salubridade das instalações, equipamentos e condições de atendimento), a abertura e regulamentação de concursos internos e externos e a criação de um regime mais favorável às aposentações e pré-aposentações.

Juntamente com o anúncio dos dias de greve após o Natal, o sindicato apresenta uma proposta de serviços mínimos que assegura atos como casamentos civis urgentes, por perigo de morte ou na iminência de parto, testamento em perigo de morte e casamentos civis já agendados antes da data da convocação da greve.

Most Popular Topics

Editor Picks