Museus reabrem com novas regras de higiene e segurança

Apesar de condicionados a regras de higiene e segurança, os Museus Municipais abrem as portas ao público no dia 1 de junho, retomando a sua atividade, nos horários habituais. Porém, é obrigatório o uso de máscara, a higienização das mãos e o distanciamento social.

A nível interno, são também asseguradas e reforçadas algumas medidas como é o caso da instalação de equipamento de proteção coletiva, reforço da limpeza e desinfeção dos espaços, suspensão do uso de folhetos e desdobráveis em papel, desativação de equipamento multimédia e definição de lotação máxima dos espaços expositivos e de circulação.

Refira-se, ainda, que durante o período em que os museus estiveram encerrados desenvolveu-se uma ação de reorganização interna que permitiu avançar no trabalho de projetos pendentes e no investimento de funções museológicas como a investigação e o inventário.

Foi também implementada uma estratégia programática digital, através do facebook da Rede de Museus de Vila Nova de Famalicão, para assinalar o Dia Internacional dos Monumentos e Sítios e o Dia Internacional dos Museus. A programação online irá manter-se, sendo que a programação nos museus será revista para ser adaptada a atividades dirigidas para pequenos grupos.

Entre os vários museus municipais que integram a Rede de Museus de Famalicão está a Casa de Camilo, o Museu da Indústria Têxtil e o Museu Bernardino Machado.

Casa do Território também reabre

A Casa do Território, no Parque da Devesa, também reabre na segunda-feira, dia 1 de junho.

O acesso aos espaços expositivos obedece a várias regras de higiene e segurança que também se aplicam à Livraria Municipal, que nesta fase não poderá contar com mais de duas pessoas no seu interior. A normas também se aplicam aos Serviços Educativos da Devesa, cujo número máximo de presenças dentro da sala de exposição é de duas, podendo aumentar para quatro no caso de se tratar de uma família coabitante.

Dia Internacional dos Museus com programa online

O Dia Internacional dos Museus, que se celebra a 18 de maio, será assinalado em Famalicão com um programa online, a partir do facebook da Rede de Museus, em @rededemuseusdevilanovadefamalicao.

Sobre o tema: “Museus para a igualdade: diversidade e inclusão”, estão previstas duas dezenas de atividades, desde música, cinema, oficinas, visitas guiadas e debates. Um programa que se estende de 15 a 18 de maio.

Quanto ao debate, é da responsabilidade da Rede de Museus de Famalicão, em parceria com a Fundação de Serralves, logo na sexta-feira, dia 15, pelas 17h00, difundido através da plataforma online Zoom.

Para o debate, intitulado “Agenda 2030 e instituições culturais: diversidade e inclusão”, foram convidados Alexandra Serra, investigadora da FPCE–UP; António Gouveia, diretor do parque de Serralves; e Ricardo Nicolau, adjunto do diretor do Museu de Arte Contemporânea de Serralves. Para moderar o debate estará Francisco Jorge, Chefe da Divisão de Planeamento Estratégico, Economia e Internacionalização do Município de Vila Nova de Famalicão.

O objetivo é levar as instituições a contribuir para a promoção da adoção de valores, comportamentos e atitudes que, a nível local, procurem responder a problemas globais.

A participação e acesso ao debate são gratuitos, no entanto, é obrigatório fazer a inscrição enviando um email para [email protected].

Para além do debate, destaque ainda para um conjunto de atividades como o concerto da fadista “Madur” “Vem de expresso”, no Museu Ferroviário; as oficinas da Casa de Camilo “Casa de Papel”; o Museu da Indústria Têxtil apresenta “Estampar Emoções”; e na Fundação Cupertino de Miranda “Faz a tua exposição”. Este ano há também “Noite no Museu” Bernardino Machado, com uma visita guiada pelo Palacete Barão da Trovisqueira, em direto.

Em concordância com o tema proposto para o Dia Internacional dos Museus 2020, “Museus para a Igualdade: Diversidade e Inclusão”, as atividades do Museu Ferroviário contarão com interpretação em Língua Gestual Portuguesa. Também a atividade “Musear por Vila Nova de Famalicão” que decorre no dia 18, pelas 10h30 e pelas 15h30, e apresenta os doze museus da Rede, seguindo dois percursos, estará disponível em inglês.

Refira-se que Vila Nova de Famalicão celebra o Dia Internacional dos Museus desde 2009. Desde a sua criação em 2012, a Rede de Museus é responsável pela organização do Dia Internacional dos Museus e da Noite Europeia dos Museus promovendo anualmente programas diversificados nas 12 unidades museológicas que a compõem. Em 2019, as comemorações em Vila Nova de Famalicão realizaram-se entre 16 e 19 de maio, promovendo 72 atividades com um alcance de cerca de 5 061 participantes. Em 2020, no atual contexto de Pandemia, e de portas fechadas, a Rede de Museus de Vila Nova de Famalicão desenvolveu o programa online comemorativo, a partir do facebook da Rede de Museus de Vila Nova de Famalicão.

Museus fechados na terça-feira

A realização do IV Encontro da Rede de Museus de Famalicão obriga a que o Museu Bernardino Machado, a Casa Museu Soledade Malvar, o Museu da Indústria Têxtil e o Museu de Arte Sacra da Capela da Lapa encerrem ao público no dia 26 de novembro (terça-feira), a partir das 12 horas.

O que é um Museu no Século XXI? Quais são os seus desafios? O que procura o seu público? Como responde às demandas da contemporaneidade, da tecnologia, da globalização? – são algumas das questões a que a Rede de Museus de Vila Nova de Famalicão pretende dar resposta no decorrer do IV Encontro da Rede, que decorre no Museu Ferroviário de Lousado.

O papel dos museus no século XXI em debate

A Rede de Museus de Famalicão vai debater, no dia 26 de novembro, os desafios dos museus no século XXI. O encontro, que reúne uma série de especialistas, decorre no Museu Nacional Ferroviário de Lousado, no âmbito dos IV Encontros da Rede de Museus.

O debate “Ser Museu no século XXI” arranca às 14h30 e culmina com a apresentação do livro “Definir a missão… da necessidade ao desafio”, do autor Joaquim Jorge, técnico do Gabinete da Secretária de Estado do Património Cultural. Esta publicação, bilingue, estará disponível em versão impressa e acessível gratuitamente online.

Os especialistas vão procurar respostas para perguntas como: O que é um museu no século XXI? Quais são os seus desafios? O que procura o seu público? Como responde às demandas da contemporaneidade, da tecnologia, da globalização?

No debate, moderado por Maria Vlachou, da Associação Acesso Cultura, participam a investigadora da Universidade de Évora, Ana Carvalho; a responsável da Direção-Geral do Património Cultural, Clara Camacho; a representante do Mapa das Ideias, Inês Câmara; e a museóloga Rita Pires dos Santos.

A entrada é livre, mas sujeita a inscrição prévia através do mail [email protected].

Most Popular Topics

Editor Picks