Seide: Colisão entre duas viaturas na Av. da Liberdade no nó de acesso às portagens

Uma pessoa terá ficado ferida, na sequência de um acidente de viação, registado poucos minutos depois das 10h00 deste sábado, na Avenida da Liberdade, em Seide S.Miguel.

O sinistro, uma colisão entre dois veículos ligeiros, aconteceu num local onde é frequente haver este tipo de acidentes, no nó que dá acesso à praça das portagens da A7.

A vítima, com ferimentos que não inspiram cuidados de maior, foi transportada para uma das unidades hospitalares mais próximas.

No socorro estiveram os B.V.Famalicão, apoiados pela GNR.

Condutores vão ter mais tempo para pagar portagens

O Governo está a avaliar o alargamento de cinco para 30 dias o prazo para pagamento de portagens nas antigas auto-estradas sem custos para o utilizador (Scut) junto dos CTT.

O objetivo é evitar que pequenas dívidas relacionadas com as passagens por pórticos nas autoestradas se transformem facilmente em processos de execução fiscal e escalem para valores astronómicos.

A notícia é avançada pelo Público, que noticia que o Executivo vai rever este ano a forma como se processa a liquidação das taxas de circulação nas autoestradas com pórticos automáticos. O dossiê está a ser acompanhado pelos ministérios das Infraestruturas, Finanças e Coesão Territorial.

Segundo o jornal, o alargamento para 30 dias ainda não está fechado. Mas é “ponto assente” que os condutores portugueses que não têm identificador da Via Verde terão mais tempo para liquidar estes valores, antes de o processo ser convertido numa execução fiscal, com custos mais elevados para os bolsos dos portugueses.

Atualmente, quando um condutor passa por um pórtico numa autoestrada Scut, tem cinco dias para pagar o montante, geralmente nos serviços dos CTT. No entanto, é entendimento do Governo que o sistema atual é algo confuso, até porque este prazo só começa a contar dois dias depois. Este “tempo morto” pode, também, vir a ser encurtado.

Governo anuncia: Vem aí uma redução no preço das portagens da A28

“A ideia é trabalharmos num modelo de desconto de portagens para o interior e, também, para a Via do Infante [A22] e para a A28”, precisou Ana Abrunhosa, na intervenção final da audição parlamentar sobre a proposta de Orçamento do Estado para 2020 (OE2020), que decorreu ao longo de cinco horas, na Assembleia da República.

De acordo com a responsável pela pasta da Coesão Territorial, o trabalho para a implementação de descontos nas portagens das autoestradas e vias rápidas “está avançado”, prevendo-se a apresentação de uma portaria “em breve”.

“Não está em causa abolir as portagens, está em causa reduzir as portagens”, reforçou a ministra, explicando que a proposta de redução das portagens se encontra em estudo, através de um grupo de trabalho constituído por membros dos ministérios da Coesão Territorial, das Infraestruturas e da Habitação e das Finanças, que está a trabalhar nas “prioridades” e em “vários cenários para a redução gradual das portagens”.

Lembrando que esta era uma promessa do Governo, Ana Abrunhosa assegurou que o grupo de trabalho responsável pela medida está a dar a “máxima das prioridades a este assunto” e a trabalhar num modelo de desconto de portagens “baseado em descontos de quantidade e descontos nos dias de descanso”, corrigindo a informação inicial de que abrangia apenas fins de semana.

“Gostaríamos muito que nos dias de descanso o desconto tivesse algum impacto, que beneficie os utilizadores frequentes, bem como aqueles que visitam o território”, declarou a governante, defendendo que “os impactos de uma pequena redução são sempre significativos”.

Assim, o Governo pretende “dar um sinal político para estes territórios e que se sinta no bolso das pessoas”.

“Não posso comprometer-me com datas, não posso comprometer-me com percentagens [de desconto], porque isso terá que ser anunciado em conjunto pelo grupo trabalho”, referiu a ministra da Coesão Territorial.

Bloco de Esquerda apresenta projeto para acabar com portagens na A28

Foi apresentado, na Assembleia da República, pelo grupo parlamentar do Bloco de Esquerda, um projeto resolução para acabar com as portagens na A28.

“O Bloco de Esquerda opôs-se, desde o primeiro momento, à aplicação do princípio do utilizador-pagador nas autoestradas, sempre que houvesse prejuízos para a mobilidade das populações, como é o caso da A28. Assim sendo, o Bloco de Esquerda já apresentou na Assembleia da República diversas propostas contra as portagens, durante os governos PSD/CDS e PS, as quais foram chumbadas por uma maioria negativa de deputadas e deputados destas três forças políticas”.

A alternativa defendida pelo Bloco de Esquerda “assenta nos princípios da solidariedade e da defesa da coesão social, da promoção da melhoria das acessibilidades territoriais, como instrumento essencial de uma estratégia de desenvolvimento sustentável e na consagração do direito à mobilidade como estruturante de uma democracia moderna”.

Fonte: Rádio Alto Minho

Most Popular Topics

Editor Picks