Pedro Almeida e o futuro do nacional de ralis: «O que importa é estar bem»

O famalicense Pedro Almeida está preocupado com o que pode ser o final do Campeonato de Portugal de Ralis. O jovem piloto, um dos mais novos da caravana nacional, em declarações à SportMotores.com, assume que é a favor do regresso dos ralis, «desde estejam reunidas as condições para todos». O evoluir da pandemia será determinante para o futuro do campeonato, sendo que a FPAK já deu indicações de que o calendário pode estender-se até janeiro do próximo ano, «abrindo uma janela maior para o reagendamento das provas, mas não sei se os próprios clubes terão as condições para a organização das provas». O piloto diz que tudo deve ser devidamente ponderado e assume que «não podemos nem devemos hipotecar 2021, remendando esta época».

Acima de tudo, Pedro Almeida pede que não se façam competições para cumprir calendário «e só quando estiverem reunidas as condições sanitárias se deve equacionar o regresso. Para mim era já ontem, mas não pode ser. Ficamos em casa».

O piloto famalicense vê muitas dúvidas no futuro, «mas o programa desportivo é uma questão menor no atual contexto. A pandemia fez-nos parar, de forma impotente, e condicionou tudo o que tínhamos como modo de vida até aqui. Não há ralis, não há programa desportivo!… Neste momento, o que importa é estar bem para pensar nos ralis mais à frente».

Rally Serras de Fafe e Felgueiras: Pedro Almeida obrigado a abandonar prova devido a acidente

Pedro Almeida e Hugo Magalhães estavam a fazer uma excelente estreia ao volante do Peugeot 208 R2 mas na penúltima classificativa do Serras de Fafe e Felgueiras, uma saída de estrada obrigou a dupla a abandonar a corrida.

“Numa zona de terra escorregadia acabamos por ter uma ligeira saída de estrada e o embate com uma pedra danificou o carro, impedindo-nos de prosseguir e terminar o rali, com posição de pódio nos R2, na categoria júnior e a somar pontos para o CPR, mas os ralis são muito isto” começou por explicar o piloto.

Apesar de tudo Pedro Almeida tirou notas positivas da primeira prova do campeonato. “Até à desistência fizemos um excelente rali, com evolução ao longo da corrida e estávamos na segunda posição do CPR entre os duas rodas motrizes, sinal de que imprimimos um bom ritmo e que nos deixa bons indicadores para o futuro” acrescentou o jovem famalicense.

O Rally Serras de Fafe e Felgueiras foi a primeira prova do Campeonato de Portugal de Ralis e apesar da desistência Pedro Almeida saiu de Fafe com a convicção de que a competição lhe vai dar muitas alegrias. “Para nós foi tudo novo e apesar de tudo saimos com a satisfação do que conseguimos até ali, pois com o correr do rali, sentimo-nos mais confortáveis, mais rápidos e entre os primeiros da nossa categoria, sinal de que o trabalho que estamos a fazer vai trazer os resultados que desejamos” disse ainda Pedro Almeida.

Pedro Almeida e Hugo Magalhães estão já a pensar na próxima prova, o Azores Rally a realizar no final do mês de março. “Naturalmente queremos ir à conquista de resultados mas projetamos o calendário de 2020 focados em somar experiências, adquirir novos conhecimentos e ficar melhor preparados para o futuro. Esse é o nosso principal foco e nessa perspectiva, de Fafe levamos um ‘bom resultado’.

Pedro Almeida e Hugo Magalhães estreiam Peugeot 208 R2

Pedro Almeida e Hugo Magalhães arrancam, esta sexta-feira, o calendário de 2020 no Rally Serras de Fafe e Felgueiras. Um percurso em pisos de terra, muitos deles vão também ser cenário do Rally de Portugal, prova do mundial de ralis a realizar em maio.

O piloto famalicense está com grande expetativa relativamente à prova de Serras de Fafe e Felgueiras até porque é a primeira do piloto famalicense ao volante do Peugeot 208 R2. «Será um bom primeiro teste ao carro e estamos expectantes», apesar de reconhecer que «temos consciência de que há muito trabalho pela frente e que estamos apenas no início de um percurso que queremos fazer em crescendo, ao longo do ano e, por isso, não estamos à espera de um resultado imediato, embora os testes que realizamos com o carro já nos tenham dado alguns indicadores do ritmo que queremos imprimir», acrescentou o piloto.

Pedro Almeida e Hugo Magalhães têm realizado testes de adaptação ao novo carro. «A experiência dos últimos dois anos no CPR mostrou-nos que há muita margem de progressão e é nisso que apostamos este ano, numa categoria diferente mas que nos vai acrescentar bases para o futuro», disse Pedro Almeida.

Além de carro novo, Pedro Almeida tem também novo navegador. «O entendimento com o Hugo tem sido muito bom e acreditamos que este trabalho nos vai ajudar num processo de crescimento, primeiro neste Peugeot R2, evoluindo depois para o novo carro da marca – o Rally4».

A dupla vai também experimentar novas provas. Ao todo, vai disputar 16 provas em Portugal, Espanha, França e Itália. Nomeadamente, Copa Ibérica Peugeot, ERC e Campeonato francês Peugeot. Em Fafe antevê que «vai ser um bom teste às nossas capacidades e competências, e esperamos disso tirar dividendos no futuro».

Pedro Almeida aposta em novo navegador e no calendário internacional

O piloto famalicense já definiu o projeto desportivo para o corrente ano e há novidades. Hugo Magalhães é o navegador; o carro passa a ser o Peugeot 208R2; e o calendário competitivo vai além fronteiras. «É uma mudança radical», avisa Pedro Almeida que trocou de carro «após decisão muito ponderada», mas que acredita ser um passo em frente «e firme na consolidação de aprendizagem que queremos construir».

A escolha de Hugo Magalhães «tem muito a ver com o que queremos fazer, não só neste ano mas no que projetamos para o futuro. Esta época vamos apostar num conjunto de ralis fora de Portugal, quer na Copa Ibérica Peugeot 208 mas também no ERC, e o Hugo, pela experiência e por tudo o que nos pode trazer, acabou por ser a escolha natural para as nossas ambições».

Pedro Almeida e Hugo Magalhães vão estar em Fafe, no final de fevereiro, na primeira prova do calendário nacional com o novo carro. As provas em Portugal – CPR 2 e CPR Júnior – são parte integrante do calendário de 16 corridas que o piloto tem programadas, porque quer somar quilómetros, «testar limites e novas experiências que no futuro nos vão dar consistência, por isso esta nossa aposta num calendário alargado e internacional», esclarece o piloto famalicense.

Hugo Magalhães vê neste projeto um desafio muito interessante.. «Há um longo caminho pela frente, mas a forma estruturada como o Pedro me apresentou o projeto, a ambição que demonstrou, e o facto de poder fazer um conjunto de provas internacionais, levou a uma rápida identificação com o convite. O Pedro precisa de ter estas experiências sob pena de aqui em Portugal estagnar. Vamos estar junto de outros pilotos, de diferentes graus de competitividade, em novas corridas e em novos traçados, e todas estas coisas novas vão ser experiências positivas e vão contribuir para o crescimento do Pedro como piloto».

Marques & Almeida repetem 24horas TT de Fronteira

Paulo Marques e Pedro Almeida vão às 24horasTT de Fronteira, com Alexandre Ré e Jean Marc Berlines, piloto francês da MMP Competition, equipa que vai dar assistência ao carro, na prova de resistência que se realiza na vila alentejana, de 30 de novembro a 1 de dezembro.

Depois da primeira experiência em 2018, Pedro Almeida volta à mítica prova de todo-o-terreno, que é uma espécie de festa de encerramento do calendário desportivo. Em 2018, a experiência «foi muito boa e divertida, ficou aqui o ‘bichinho’ e vamos repetir».

Paulo Marques é já um veterano em Fronteira. «A aqui, o ambiente é especial, como que um ponto de encontro da gente dos desportos motorizados. Todos estamos para nos divertir, mas dentro do carro a adrenalina sobe e somos todos muito competitivos», diz Paulo Marques.

A dupla de Famalicão vai partilhar um protótipo da MMP Competition, com motor V6 Porche e quase 340cv. Um carro muito competitivo, que pode andar entre os melhores, «mas as 24 Horas são sempre imprevisíveis. Acima de tudo, vamos ter espírito de entreajuda, ser competitivos e chegar ao final», acrescenta Paulo Marques.

Pedro Almeida ainda não teve contacto com o carro, mas a adaptação não será problema. «É um carro de corridas diferente do carro de ralis, mas de rápida adaptação. É uma oportunidade para começar a mudar o ‘chip’ para os pisos de terra», que é o terreno onde o jovem piloto vai iniciar a temporada de 2020.

A equipa reúne-se em Fronteira a partir de sexta-feira (29 de novembro) para os primeiros treinos livres e a qualificação para a prova, que começa no sábado, às 14 horas.

Ralis: Solidariedade sobre rodas

O piloto Pedro Almeida e toda a sua equipa visitam, na tarde desta quinta-feira, a Casa de Nossa Senhora da Conceição, em Portimão, instituição de acolhimento de crianças e jovens em risco. Esta é mais uma visita no âmbito do projeto de responsabilidade social que Pedro Almeida lançou esta época, em cada localidade por onde passou o Campeonato de Portugal de Ralis. O piloto famalicense vai estar com os cerca de 30 jovens que estão na instituição.

No plano desportivo, na sexta-feira e sábado, disputa-se a derradeira prova do campeonato nacional, o Rallye Casinos do Algarve. Pedro Almeida volta a ter Miguel Ramalho como navegador e enfrenta a prova como mais uma etapa na sua evolução e «procurar entrar nos pontos que nos permitam fechar de forma positiva este campeonato» diz o piloto do Skoda Fabia R5. Mesmo assim, Pedro Almeida não esconde que a próxima época já faz parte dos seus pensamentos, pelo que «vamos explorar ao máximo a competição para melhorar setup no carro. Os testes dão-nos indicadores, mas na competição tiramos sempre novas referências para o futuro, que serão fundamentais para a evolução que desejamos».

A prova algarvia tem meia centena de pilotos inscritos e, além das decisões do titulo nacional de pilotos, pontua também para o FIA Iberian Rally Trophy .

O Casinos do Algarve começa esta sexta-feira, com o Shakedown e Qualifying Stage logo pela manhã, na zona de Porches, tendo depois 10 classificativas cronometradas, que se estendem até à tarde de sábado.

Most Popular Topics

Editor Picks