Mensagem de Natal do Arcipreste de VN Famalicão: “Um escândalo!”

No Natal de 1914, em plena Primeira Guerra Mundial, a Europa era uma autêntica ferida aberta: nas trincheiras, aliados e alemães matavam-se aos milhares. No entanto, houve uma noite em que algo de extraordinário aconteceu: de um lado e do outro começaram por trocar palavras; depois, ofereceram-se cigarros e chocolate; e, em pouco tempo, o campo de batalha transformara-se – imagine-se – em campo de futebol. Mas o melhor desta história verídica foi a lição que nos deixou: ela demonstrou que há uma noite no ano que tem o poder de parar todas as guerras. Essa noite aconteceu no dia de Natal.

É inegável: nesta época, somos habitados por um desassossego que nenhuma outra quadra consegue dar-nos. Tudo corre para que nada falte ao dia de Natal. Desde muito cedo se fazem os preparativos para as festas. E, desde logo, tudo começa ganhar uma luz e um sabor que só se podem encontrar neste tempo. Nem o frio nem a chuva nos afastam ou demovem. Na verdade, há um singular acontecimento que nos move: o Natal, ou seja, o mistério do nascimento de Jesus. Esse acontecimento esperado – que se irá revelar tão inesperado – continua hoje a causar-nos o desassombro e desassossego. Afinal, o Natal não é um raio que nos cai sobre nós carregado de poder e estrondo, mas um Menino que nos vem parar ao colo.

O Natal é um autêntico escândalo: Deus nasce na humildade das faixas e não na grandeza, na manjedoura e não nas nuvens do céu, entre os braços de uma mãe e não sobre o trono da majestade. Ele vem a nosso favor e não contra nós, para salvar e não para julgar. É um Deus que se põe ao nível do último dos homens para poder acolher a todos.

Portanto, celebrar o Natal sem celebrar este mistério é estar à margem do que verdadeiramente nos faz viver de forma apaixonada. Para nós cristãos, a encarnação de Deus, em cada Natal, não é a repetição teatral de um relato bíblico. Pelo contrário, é a celebração da surpresa de um Amor que vem ao nosso encontro e nos dá a oportunidade para morar n’Ele. Não é só uma experiência bonita e bela de solidariedade. É o decisivo acontecimento de que Deus tem um projeto de vida para a humanidade.

O Natal não é uma caixa de ornamentos ou luzes para colocar a piscar em casa ou nas ruas. O Natal não é almoços ou jantares de colaboradores ou amigos. O Natal não é comércio de presentes para dar aos familiares e amigos. O Natal não é bacalhau, couves, batatas… nem é filhoses, rabanadas, aletria, mexidos…

Ora, se é real que o Natal não é nada disto, a verdade é que tudo isso existe porque há Natal. Ou seja, porque um Deus se fez menino, pequenino, nascido em Belém, entre os animais e os pastores… É o mistério da encarnação do Filho de Deus que potencia em nós a experiência recriadora da esperança sem enganos nem ilusões que Ele nos oferece.

Se o Natal deixar de ser o nascimento de Jesus, o que restará do Natal!? Ficará o vazio. Se o Natal se converter numa magia, então rir-se-á sem que saiba por quê; festejar-se-á sem que se saiba o quê, e seguir-se-á em frente sem que se saiba para onde.

Não havia lugar para eles na hospedaria – narra a leitura sobre a noite em que Maria estava para ser mãe. Que aflição: prestes a dar à luz e sem lugar onde pernoitar. De forma acutilante, depressa o relato do evangelho salta por cima das dificuldades e refere que o Menino nasceu, foi envolto em panos e deitado numa manjedoura. Portanto, alerta-nos que não está ao nosso alcance impedir que o Natal aconteça. Todavia, está nas minhas mãos que o Natal possa acontecer em minha casa, no meu coração.

Assim sendo, ainda que sejam retirados os sinais da fé das decorações públicas de Natal, ainda que não queiram figurar o nascimento de Jesus, mesmo assim, não vão conseguir retirar-nos a Sua presença.

Deixo a interpelação e o exercício de nos colocarmos diante do Presépio. O papa Francisco, na sua nova carta apostólica, sobre o significado e o valor do Presépio, chama-lhe o Admirável Sinal, que não cessa de suscitar maravilha e enlevo. Não nos lamentemos com falta de tempo, mas paremos um pouco. Detenhamo-nos diante deste sinal admirável: ao mesmo tempo que contemplamos a representação do Natal, somos convidados a colocar-nos espiritualmente a caminho, atraídos pela humildade d’Aquele que Se fez homem a fim de Se encontrar com todo o homem, e a descobrirmos que nos ama tanto, que Se uniu a nós para podermos, também nós, unir-nos a Ele.

Acompanhemos as crianças e os jovens nesta contemplação. Se Jesus está no centro da celebração do Natal, então nunca nos faltará a Esperança.

Santo e fecundo Natal e próspero ano novo de 2020.

P.e Francisco,
Arcipreste de Vila Nova de Famalicão

Padre de Caminha é chamado de “padre gatão” por muitas mulheres

Ricardo Esteves, de 35 anos, pároco em Caminha é dos padres mais falados da internet. O estilo de vida e os atributos físicos não passaram ao lado da reportagem do Jornal de Notícias.

O “padre gatão”, como muitas já lhe chamam, tenta ir ao ginásio uma vez por dia, gosta de andar de mota e não falha as suas obrigações para com a igreja.

 

Reportagem Fotográfica: Jornal de Notícias / Global Imagens

Padre de Lousado pede que euromilionário faça uma transferência bancária para a paróquia

A freguesia de Lousado foi, na semana passada, destaque em todo o país pelo facto de ter sido lá registado o boletim com a chave vencedora do sorteio do Euromilhões. Quanto ao vencedor pouco se sabe, apenas que trabalha na Continental Mabor e que estará de baixa.

O padre da freguesia, não sabendo também a identidade do felizardo, decidiu utilizar parte do boletim paroquial para lhe fazer um pedido.

“Na 4ª feira da semana passada falou-se de Lousado, pelos melhores motivos. É que alguém encontrou a sorte (a máquina é que lhe deu a sorte) de acertar na chave do 1º prémio do euromilhões. Muitos milhões… Será que o feliz «sortudo» vai ter um gesto de altruísmo em oferecer uma dádiva a esta paróquia de Lousado?”

Mensagem de Eusébio Baptista no Boletim Paroquial

Para proteger a pessoa, o padre da freguesia sugere mesmo que a doação seja feita através de transferência bancária, evitando que alguém possa ver o euromilionário a entregar o dinheiro.

O donativo, a chegar, será para investir nos diversos projetos da paróquia que estão pendentes por falta de verba, como são exemplo as obras inacabadas da igreja e a requalificação da residência paroquial.

Fonte: Semanário V

Most Popular Topics

Editor Picks