Trabalhadores dos CTT começam greve no final do mês

Nos dias 30 de novembro e 2 e 3 dezembro, os trabalhadores dos CTT vão estar em greve «pela defesa de aumentos salariais e do reforço do número de trabalhadores que asseguram o serviço postal», anuncia o secretário-geral do Sindicato Nacional dos Trabalhadores dos Correios e Telecomunicações (SNTCT).

Vitor Narciso confia que a greve deverá ter um grande impacto no atendimento e no tratamento e distribuição de correspondência, «e é essa a intenção, para que a empresa perceba a indignação dos trabalhadores e a opinião pública perceba o que se passa nos CTT».

Em declarações à agência Lusa o dirigente sindical lembrou que o processo negocial com a empresa arrastou-se desde o início do ano e acabou sem qualquer acordo.

 

Greve dos Oficiais de Justiça até sexta-feira

Os oficiais de justiça iniciaram esta quarta-feira uma greve que se prolonga até sexta-feira. Segundo o Sindicato dos Oficiais de Justiça (SOJ), a razão é que o Governo não cumpriu a lei que previa um novo estatuto profissional até fim de julho.

O SOJ refere que o Governo «encontrou sempre razões instrumentais para não cumprir com as suas obrigações legais», ao contrário do que aconteceu com juízes e magistrados do Ministério Público que já tiveram revisões estatutárias das carreiras.

O Sindicato diz que a greve foi o recurso necessário para demonstrar a indignação dos oficiais de justiça, que atualmente são 7.200 profissionais.

Esta greve tem o “apoio inequívoco” do Sindicato dos Funcionários Judiciais.

 

 

Sindicato anuncia pré-aviso de greve para funcionários e professores

O Sindicato de Todos os Professores (STOP) apresentou um pré-aviso de greve para os dias 14 a 17 de setembro, caso não estejam garantidas as condições de segurança contra o contágio pelo covid-19.

Em declarações à Agência Lusa, o coordenador nacional do STOP, André Pestana, diz que ainda há outras razões para o protesto, como a falta de assistentes operacionais e o desconhecimento dos direitos dos trabalhadores que fazem parte do grupo de risco.

«Turmas com o mesmo número de alunos, falta de assistentes operacionais e a não clarificação da situação dos trabalhadores que pertencem a grupo de risco são as situações que nos preocupam», alertou André Pestana.

Recorde-se que as aulas começam na semana de 14 a 17 de setembro, precisamente aquela em que está prevista a greve. André Pestana diz que não existem condições para um regresso em segurança, mas espera que a situação se altere nos próximos dez dias e que as greves não avancem.

Por isso, entre os dias 5 e 10 de setembro, o STOP vai fazer uma sondagem junto das escolas para perceber se há condições para haver aulas e depois anuncia uma tomada de posição.

Greve dos CTT a 29 de maio

O Sindicato Nacional dos Trabalhadores dos Correios e Telecomunicações (SNTCT) entregou, esta quinta-feira, um pré-aviso de greve para 29 de maio, que abrange os trabalhadores dos CTT Expresso e dos CTT – Correios de Portugal.

O SNTCT informa que os trabalhadores entrarão em greve geral das 00h00 até às 24h00 do dia 29 de maio.

Durante o dia de greve, os serviços necessários à segurança e manutenção de equipamento e instalações serão assegurados por delegados e dirigentes sindicais, bem como por trabalhadores que não aderirem à paralisação.

O sindicato assegura, também, que serão garantidas a recolha, expedição e distribuição de medicamentos e produtos perecíveis.

De acordo com o sindicato, os trabalhadores não aceitam a proposta de atribuição de um cartão de refeição como forma de pagamento do subsídio de alimentação, substituindo o pagamento no vencimento mensal por transferência bancária, como tem sido feito.

O sindicato garante que com esta decisão da empresa há centenas de trabalhadores que vão passar a ter uma retribuição líquida inferior ao salário mínimo nacional.

Caso a administração não recue na decisão de pagar o subsídio através de cartão de alimentação, o SNTCT promete nova greve no dia 12 de junho, bem como novas formas de luta.

 

Greve fecha várias escolas de Famalicão

A greve da função pública está a afetar o funcionamento de várias escolas do concelho. Saiba quais são os estabelecimentos de ensino que estão encerrados ou a funcionar parcialmente.

Estabelecimentos de ensino encerrados: EB n.º 1 de Ribeirão; EB Esmeriz; EB Louredo, Calendário; EB S. Miguel-O-Anjo, Calendário, jardim de infância Gondifelos; EB Outiz; ES Camilo Castelo Branco; EB Júlio Brandão; EB Antas; EB Landim; EB Carreira; EB Oliveira S. Mateus; EB Delães; EB Oliveira Santa Maria.

A funcionar parcialmente, estão a Nuno Simões, EB Cabeçudos e EB Bairro

As sedes de agrupamento, D. Sancho, Ribeirão, Pedome, Padre Benjamim Salgado e D. Maria II estão abertas, embora haja registos de professores e auxiliares que aderiram à greve.

 

Greve da Função Pública: Funcionários famalicenses mobilizam-se para manifestação em Lisboa

Está marcada para esta sexta-feira mais uma greve da função pública. Este protesto poderá levar ao encerramento de escolas e de outros serviços públicos (hospitais, repartições de finanças, conservatória, recolha de lixo).

A Cidade Hoje sabe que há funcionários públicos de Vila Nova de Famalicão que se estão a mobilizar para participarem na manifestação que vai decorrer em Lisboa, na tarde desta sexta-feira. Alguns deles vão viajar em grupo, deslocando-se em autocarros.

As estruturas sindicais estimam que milhares de trabalhadores estejam na capital para se manifestarem contra o aumento salarial proposto pelo governo para a função pública.

Além dos aumentos salariais “para todos os trabalhadores”, a Federação de Sindicatos da Administração Pública (Fesap) reivindica, ainda, “a correcção das distorções da Tabela Remuneratória Única”, alterações ao Sistema de Avaliação de Desempenho (SIADAP), o alargamento da ADSE a novos beneficiários, entre outras matérias.

 

Most Popular Topics

Editor Picks