IP limpa bermas da Avenida 9 de Julho

A Infraestruturas de Portugal está a proceder à limpeza das bermas e passeios na Avenida 9 de julho, em VN Famalicão. Este troço da nacional 206 tem sido alvo de muitas queixas, dos moradores, do município e de quem circula na via, devido ao seu mau estado de conservação.

Recentemente, foram tapados alguns buracos na via, mas quem circula, quem reside nas proximidade e a Câmara Municipal exigem uma intervenção de fundo que resolva, de uma vez por todas, o mau estado de uma via de entrada na cidade de Famalicão e onde têm acontecido vários acidentes.

Covid-19: PSP e GNR juntas em patrulhamento

A Guarda Nacional Republicana e a Polícia de Segurança Pública iniciam, a partir desta sexta-feira, e até ao próximo dia 8 de abril, quarta-feira, operações conjuntas de intensificação do patrulhamento, ações de sensibilização e fiscalização, em todo o Território Nacional.

O objetivo é apoiar a população e garantir o cumprimento das normas do Estado de Emergência.

Famalicão: Jorge Paulo Oliveira exige intervenção na Avenida 9 de Julho

Jorge Paulo Oliveira, deputado famalicense, dirigiu-se hoje, dia 3 de fevereiro, ao Ministro das Infraestruturas e Habitação denunciando a falta de manutenção na Avenida 9 de Julho. Este acusa ser uma circunstância que se arrasta há vários anos. “O piso está muito degradado, tem vários buracos ao longo da sua extensão, as marcações no piso estão a desaparecer, a iluminação pública está inativa em partes da via, as passadeiras não são percetíveis, sobretudo à noite e a sinalização rodoviária vertical está deteriorada”.

Jorge Paulo Oliveira, esclarece o ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, que a Avenida 9 de Julho, que integra a N204, e estando sob a responsabilidade da “Infraestruturas de Portugal, não foi alvo de intervenção ao contrário de toda a extensão da N204 que liga Barcelos a Famalicão. Esta mesma intervenção na via pública terminou na “Rotunda do Marco”. O mesmo aconteceu com a restauração levada a efeito na N206 que igualmente se iniciou na “Rotunda do Marco”, mas apenas em direção à Póvoa de Varzim

O deputado acrescenta que “no ano passado, a Avenida 9 de Julho ficou marcada pela sua elevada sinistralidade, com inúmeras colisões de viaturas, atropelamentos de peões e abalroamento de ciclistas, dos quais resultaram perda de vidas humanas e vários feridos graves”.

Apesar do clamor das populações e dos sucessivos alertas e solicitações de intervenção por parte dos autarcas, Jorge Paulo Oliveira pede ao Governo que justifique a exclusão da Avenida 9 de Julho, na intervenção que foi levada a efeito na N204 e que esclareça quando é que a mesma terá lugar.

Conheça os novos sinais de trânsito

As alterações ao regulamento de sinalização de trânsito, hoje publicadas em Diário da República, indicam que a partir de 01 de abril de 2020 não podem ser colocados sinais novos que não estejam de acordo com as normas agora aprovadas.

O novo regulamento cria sinais de trânsito a indicar zonas de residência ou de coexistência de viaturas e peões, assim como zonas de emissões reduzidas, onde só podem circular veículos menos poluentes.

Entre os sinais de perigo, surgem a aproximação de uma passagem para velocípede, o aviso de que a via pode ser atravessada por linces-ibéricos e por anfíbios.

Já nos novos sinais de obrigação destacam-se os que indicam uma via obrigatória para motociclos e uma via reservada a veículos com alta taxa de ocupação.

Passam a estar igualmente previstos sinais de alerta, no pavimento da estrada, dos limites de velocidade em locais onde “possam ocorrer situações de especial perigosidade”, em complemento com a sinalização vertical existente, designadamente a que indica a proibição de circulação acima de 30 quilómetros por hora.

Quanto às marcas de sinalização no pavimento, foram introduzidas as suas dimensões com vista “à sua uniformização”.

“Respondendo à evolução social introduzem-se novos sinais de informação, novos símbolos de indicação turística, geográfica, ecológica e cultural, bem como novos quadros com a representação gráfica dos sinais dos condutores, dos agentes reguladores do trânsito e a representação gráfica dos sinais luminosos”, frisa o decreto regulamentar.

Nas alterações feitas, as mais significativas desde 1998, são distinguidos os sinais de trânsito, os sinais dos agentes de trânsito e os sinais dos condutores, “clarificando-se que os sinais de trânsito incluem a sinalização temporária e compreendem os sinais verticais, as marcas rodoviárias e os sinais luminosos”.

A revisão do regulamento de sinalização de trânsito visa “o aperfeiçoamento e a atualização da sinalização rodoviária em conformidade com o Código da Estrada” e estão alinhadas com o Plano Estratégico Nacional de Segurança Rodoviária — PENSE 2020.

Segundo o decreto regulamento, os sinais de trânsito que não estejam conformes com as alterações mantêm-se válidos até à sua substituição por os novos sinais agora publicados, devendo essa substituição ter lugar até ao dia 01 de janeiro de 2030.

Most Popular Topics

Editor Picks