D. Jorge quer cruzes floridas nas janelas e jardins

O Arcebispo de Braga, D. Jorge Ortiga, referindo-se a uma ideia que circula há dias nas redes sociais, sugeriu que cada família construa uma bela e florida cruz pascal para colocar na janela no Sábado Santo, assim como uma cruz no jardim ou varanda.

A sugestão foi deixada esta sexta-feira, no final da eucaristia, durante a qual pediu «treino na arte de viver o Evangelho», para melhor carregar «a cruz do dia a dia».

D.Jorge Ortiga reage com apreensão ao encerramento da Rádio SIM do Grupo Renascença

O Arcebispo acolheu com apreensão e surpresa a decisão, por parte da gerência da Rádio Renascença, de “descontinuar” a Rádio SIM, emitida a partir da capital, com várias frequências pelo país.

“Não podemos deixar de pensar nos trabalhadores. Esperamos que para todos se encontrem soluções de harmonia com as determinações laborais, sabendo, à partida, que isso já foi devidamente equacionado. Aos colaboradores, que em espírito de gratuidade se entregaram de corpo e alma a este projecto, testemunhamos a nossa sincera gratidão e esperamos que continuem a trabalhar connosco em projectos que venham a ser concretizados.
A Rádio SIM era uma presença da Igreja na comunicação social com grande acolhimento por parte dos cristãos.
Num tempo em que cresce o número de idosos em Portugal, a Igreja deveria ser-lhes próxima, produzindo conteúdos que lhes proporcionassem companhia e os ajudassem, muito concretamente, a viver, aprofundar e a celebrar a fé. Bem como a serem informados sobre a actualidade da Igreja.
A Arquidiocese sempre favoreceu a unidade eclesial, consciente de que a vida acontece nas grandes cidades e nas periferias. Para fomentar esta experiência, foi renunciando a diversas iniciativas de índole local. Sabe que não é possível ser Igreja sem uma abertura à universalidade, começando por vivê-la a nível nacional. Disponibilizou gratuitamente, para o efeito, espaços e motivou as pessoas para uma generosidade em prol de um projecto de abrangência nacional.
Acreditamos na força e na importância dos meios de comunicação social. A Arquidiocese repensará a sua presença na rádio — sem perder muito tempo — e garantirá aos cristãos mais simples e humildes a escuta da voz da Igreja.”
D.Jorge Ortiga

A notícia foi debatida com o Cabido Metropolita que na Arquidiocese de Braga funciona como Colégio de Consultores, e o Cabido gostaria, de igual modo, de marcar a sua incompreensão e tristeza pelo sucedido.

Fontes envolvidas no processo garantem que parte das frequências utilizadas até então pela Rádio SIM, deverão, em breve, passar a retransmitir a Mega Hits, a rádio do Grupo Renascença direcionada para o público jovem.

D.Jorge Ortiga celebra esta sexta 32º aniversário de Ordenação Episcopal

O famalicense D.Jorge Ortiga, atual Arcebispo Primaz de Braga, celebra nesta terça-feira, 3 de janeiro, o 32º aniversário de ordenação episcopal.

Foi na Cripta do Sameiro, no dia 3 de janeiro de 1988, que foi ordenado bispo pelo Arcebispo Primaz de Braga, D. Eurico Dias Nogueira, escolhendo como lema episcopal a passagem do capítulo 17 do Evangelho de S. João “Ut unum sint” que significa “Que todos sejam um”.

Fonte: Braga TV

Francisco Carreira é o novo Arcipreste de Famalicão

O padre Francisco Carreira é o novo Arcipreste de Vila Nova de Famalicão, substituindo no cargo o padre Armindo Paulo. Francisco Carreira, que é pároco de Santo Adrião e de S. Martinho de Brufe, já desempenhava o cargo de vice-Arcipreste.
A nomeação foi tornada pública esta quinta-feira, pela Diocese de Braga, através de nota oficial de D. Jorge Ortiga.
Francisco Carreira terá como vice-Arcipreste o padre Nuno Vilas Boas, atualmente pároco de Palmeira, Cabeçudos e Esmeriz.

D. Jorge Ortiga apela às IPSS que sejam exigentes com o Estado

O Arcebispo Primaz de Braga quer que o Estado reconheça o trabalho das instituições particulares de solidariedade social, que acarinhe a missão que têm na sociedade e que aceite o desafio de cooperar com essas instituições. D. Jorge Ortiga diz que, desta forma, o Estado, através das suas instituições formais, está também a cumprir a sua missão para com a sociedade, nomeadamente as populações mais fragilizadas.

Por isso, quando o Estado não cumpre com as IPSS devem ser elas a «exigir». «Não podemos calar quando o Estado não colabora ou colabora de um modo deficiente», frisou o prelado, que falava na abertura da Semana Social do distrito de Braga, que decorre em Famalicão.

A abertura desta semana de reflexão ocorreu esta terça-feira, no auditório do CITEVE, com a presença de representantes de instituições sociais e do presidente da Câmara Municipal de Famalicão que também falou na abertura dos trabalhos.

Paulo Cunha concorda com D. Jorge Ortiga. O presidente da Câmara Municipal de Famalicão reconhece que existem muitas e bem qualificadas IPSS no concelho, mas espera que o trabalho que desenvolvem sirva para servir a sociedade e não para libertar de responsabilidades o Estado. «Não podemos depositar nos nossos ombros um conjunto de tarefas e responsabilidades como se o poder público estivesse ausente deste processo», apelou o autarca famalicense.

Most Popular Topics

Editor Picks