Câmara de Famalicão antecipa apoios à cultura

Face às restrições de trabalho provocadas pela pandemia do covid-19, a Câmara Municipal de Famalicão resolveu ajudar os artistas e as instituições culturais antecipando os subsídios à cultura.

Até ao momento, a autarquia famalicense já transferiu cerca de 420 mil euros para os parceiros culturais locais. A somar a este valor, estão os 14 mil euros pelo trabalho online de artistas, grupos de música e companhias de teatro, com diversos espetáculos de dança, teatro, poesia, literatura e oficinas temáticas.

«Com a pandemia da Covid 19, as associações culturais e os artistas foram os primeiros a parar e a fechar portas. Foram obrigados a interromper todo o seu trabalho. Apesar de tudo, não baixaram os braços e deram o exemplo à comunidade, continuaram em casa a criar e a oferecer-nos a sua arte», explica o presidente da Câmara Municipal. Para Paulo Cunha, «a arte e a cultura foram fundamentais durante o período de confinamento, pois ajudaram as pessoas a não se sentirem sozinhas, a terem companhia, a divertirem-se e a continuarem ligadas à cultura».

O autarca famalicense destaca, ainda, a importância dos apoios para garantir a sobrevivência das próprias instituições artísticas. «Precisamos da cultura e das artes na nossa vida e temos que os apoiar neste momento difícil».

Recorde-se que durante o período de confinamento, foram promovidos, através da página de facebook “Famalicão Comunitário”, cerca de 60 eventos culturais, que atingiram mais de 70 mil visualizações. Apesar da área predominante ser a música, também decorreram espetáculos de dança, teatro, poesia/literatura e oficinas temáticas, e foi apresentada uma web série.

Famalicão: “Cultura em tempos de pandemia”

Leonel Rocha, vereador da Cultura do Município de Famalicão, e Álvaro Santos, diretor/programador da Casa das Artes, são os convidados da próxima sessão “Segundas na Sede”, uma iniciativa da concelhia do PSD, que decorre esta segunda-feira, 1 de junho, às 21h30.

A “Cultura em tempos de pandemia” é o tema da conversa online, na plataforma Zoom, com transmissão em direto a partir da página de Facebook do PSD, www.facebook.com/PSDVNFamalicao/

A organização deste novo debate está a cargo da Juventude Social-Democrata.

A participação carece de inscrição prévia; os interessados devem efetuar o pedido através do envio de uma mensagem privada para a página de Facebook do PSD de Famalicão.

Famalicão celebra 25 de Abril com cultura para todos online

O Município de Vila Nova de Famalicão assinala o 46.º aniversário do 25 de Abril com um programa cultural que será totalmente transmitido online, a partir da página de Facebook da Câmara Municipal..

Este ano, e devido ao atual contexto de emergência nacional, não se realizará a tradicional sessão solene extraordinária da Assembleia Municipal, mas a autarquia, em articulação com a Assembleia, tem preparado apontamentos, promovidos no âmbito do projeto de descentralização “Há Cultura”, que por estes dias tem ido ao encontro dos famalicenses através de uma programação online.

A Banda de Famalicão, que todos os anos abre as comemorações durante o hastear da bandeira, vai protagonizar o primeiro momento do dia, às 10 horas, com a interpretação da marcha de rua “A Filarmonia”.

Uma hora depois, os famalicenses vão poder assistir a um momento de poesia relacionados com a Revolução dos Cravos pelo famalicense João Teixeira.

De tarde, às 17 horas, está agendado um concerto de música de intervenção com Tiago Rocha, com a interpretação de sete canções associadas à revolução de Abril da autoria de músicos como Zeca Afonso e José Mário Branco.

Ao longo do dia, os famalicenses serão desafiados a responder no Facebook do projeto Famalicão Comunitário à questão “O que é, para si, a liberdade?”, partilhando imagens, vídeos, poemas, desenhos e outras formas de expressão que remetam para o significado e importância da liberdade.

Todos os momentos culturais são promovidos no âmbito do projeto “Há Cultura” e serão transmitidos no facebook do Município de Famalicão, em www.facebook.com/municipiodevnfamalicao.

A municipalização da cultura em debate

É este o tema escolhido pela associação Acesso Cultura para mais uma sessão do ciclo de debates, que decorre em simultâneo em mais nove cidades portuguesas: Lisboa, Porto, Funchal, Faro, Évora, Castelo Branco, Angra do Heroísmo, Ponta Delgada e Torres Novas.

O debate sobre a municipalização da cultura decorre no dia 18 de fevereiro, a partir das 18h30, na Galeria Municipal Ala da Frente, com as intervenções do artista plástico Alexandre Costa, do vereador da Cultura do município de Famalicão, Leonel Rocha, e de Rui Alves Leitão, da Associação Cultural Fértil. A moderação é de Marlene Oliveira, da Fundação Cupertino Miranda.

É a uma Câmara Municipal que cabe a função de promover, por exemplo, um Festival Transcultural? Ou, pelo contrário, a sua função deve ser a de gerar políticas, ferramentas e condições de produção para que os atores sociais construam um projeto participado e sustentado?” são questões a analisar durante este encontro que é de entrada livre, sujeita à lotação da sala.

Câmara cria espaço verde no castro de S. Miguel-o-Anjo

O Castro de S. Miguel-o-Anjo, em Calendário, será, em breve, um espaço verde, cuidado e qualificado, ao serviço da população.

«Estamos a criar condições para que a população possa desfrutar deste espaço, convivendo com a natureza, através de atividades desportivas como caminhadas ou simplesmente em ações de lazer e descanso», explica o presidente da Câmara Municipal, Paulo Cunha.

A Câmara Municipal, quer preservar o património histórico do local, por ser um espaço que acolhe as ruínas de um povoado fortificado.

A autarquia quer fazer uma prospeção arqueológica do local e respetivo levantamento topográfico.

Neste momento, a Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão está a executar trabalhos de limpeza florestal, de retirada de eucaliptos e desmatação, protegendo e salvaguardando as espécies autóctones.

Localizado num pequeno outeiro que se destaca do vale, o Castro de S. Miguel -o -Anjo goza de uma ampla vista em todo o seu redor (360º). Da sua plataforma central (acrópole) usufrui-se de um domínio visual privilegiado sobre a cidade de Vila Nova de Famalicão, o Monte do Facho e de quase todo o concelho; quando as condições atmosféricas são favoráveis também são visíveis os concelhos vizinhos (Trofa, Santo Tirso, Guimarães e Vila do Conde) e o mar.

“Programar em Rede” com candidaturas abertas

Estão abertas as inscrições para a quinta edição do “Programar em Rede”, uma iniciativa promovida pela Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão destinada a apoiar, com um montante até 10 mil euros, um projeto cultural que seja promovido em conjunto por várias associações e instituições do concelho.

As candidaturas devem ser apresentadas por email para o endereço eletrónico [email protected] até 31 de julho de 2020, após preenchimento da ficha de inscrição disponível em https://www.famalicao.pt/programar-em-rede.

O objetivo é envolver os vários agentes culturais do concelho na concretização de um evento que se diferencie pela inovação e criatividade, pela capacidade de articulação com outros agentes culturais, pela capacidade de mobilização e atração de público e que contribua para a descentralização da atividade cultural no concelho. O projeto vencedor deve ser concretizado entre 1 de janeiro e 30 de julho de 2021.

Podem candidatar-se ao “Programar em Rede” as entidades com atividade no domínio cultural que tenham sede em Famalicão ou que, sendo de fora, promovam atividades de interesse municipal e sejam pessoas coletivas legalmente constituídas.

As entidades que apresentem candidatura podem optar pelas áreas artísticas e de criação que assim entenderem, sendo mais valorizados os projetos que apresentem cruzamentos disciplinares e apostem na formação de públicos.

Caberá à divisão de Cultura e Turismo do município a verificação da conformidade das candidaturas, a avaliação e decisão do projeto vencedor será da responsabilidade do Conselho Municipal da Cultura.

Recorde-se que a iniciativa “Programar em Rede” arrancou em 2016, com a Fundação Cupertino de Miranda a arrecadar o prémio com o projeto cultural “Museus Ilustrados em Rede”. Em 2017, a grande vencedora foi “A Casa ao Lado” com o projeto de arte urbana intitulado “Traço”. O vencedor da edição de 2018 foi a Associação Dar-as-Mãos com o projeto “Poesia Invade a Cidade” e em 2019 venceu a Associação de Moradores das Lameiras, com o projeto “[email protected], Intervenção pela Arte & Cultura – Pela Coesão Comunitária”.

Most Popular Topics

Editor Picks