Novo ano, novas vidas. Mais de 392 mil bebés vão nascer no dia de Ano Novo em todo o mundo

Em comunicado, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) estima que mais de metade destes nascimentos aconteçam em oito países, com a Índia (67.385), a China (46.299) e a Nigéria (26.039) a figurarem nos três primeiros lugares da lista.

No extremo oposto da tabela estão países como Aruba, ilha no Mar das Caraíbas, onde deverão nascer apenas dois bebés, ou as Ilhas Virgens, também nas Caraíbas, e as ilhas Seychelles, no Oceano Índico, ambas com três bebés, calcula a Unicef.

As ilhas Fiji, no Oceano Pacífico, vão, provavelmente, receber o primeiro bebé de 2020 e os Estados Unidos da América (EUA) deverão receber os últimos bebés do primeiro dia do ano.

Em Portugal, a Unicef estima que nasçam no dia 1 de janeiro de 2020 um total de 213 bebés.

Segundo a Unicef, em 2018 um total de 2,5 milhões de bebés recém-nascidos morreram no seu primeiro mês de vida e um terço desses no primeiro dia.

A maioria morre de causas evitáveis como a prematuridade, complicações durante o parto e infecções como a sépsis. Para além disso, mais de 2,5 milhões de bebés são nados-mortos todos os anos, refere a organização.

Contudo, apesar de nas últimas três décadas ter havido um “progresso notável na sobrevivência de crianças”, que fez com que o número de crianças que morrem antes de completarem 05 anos, em todo o mundo, tenha caído para mais de metade, o progresso para os recém-nascidos “tem sido mais lento”.

Em 2018, os bebés que morreram no primeiro mês de vida representam 47% de todas as mortes entre crianças com menos de 05 anos, ilustra a Unicef.

A campanha da Unicef “Every Child Alive” (em português, “Toda a Criança Viva”) apela ao investimento em profissionais de saúde com formação adequada para assegurar que todas as mães e recém-nascidos são tratados de forma segura para prevenir e tratar complicações durante a gravidez, parto e nascimento.

Famalicão: Supremo reduz pena a homem condenado por abusar de seis menores

O Supremo Tribunal de Justiça (STJ) reduziu de 19 para 14 anos de prisão a pena aplicada a um homem de 29 anos que abusou sexualmente de seis crianças em Vila Nova de Famalicão, distrito de Braga.

No acórdão datado de 27 de novembro, a que a Lusa teve esta quinta-feira acesso, o STJ concedeu parcial provimento ao recurso interposto pelo arguido, considerando que uma pena conjunta de 14 anos de prisão “será mais adequada e ajustada à gravidade da conduta global do arguido e satisfaz os interesses da prevenção”.

O arguido foi condenado no passado mês de junho, no Tribunal de Guimarães, a 19 anos de prisão por 32 crimes de abuso sexual de crianças, dois de coação agravada, dois de violação agravada, um de pornografia de menores, um de violação de domicílio e outro de dano.

Além da pena de prisão, o homem terá de pagar cerca de 140 mil euros de indemnização às vítimas. Está ainda proibido de exercer funções que envolvam o contacto regular com menores e de assumir a confiança de menor pelo período de 15 anos.

Segundo o acórdão, os abusos ocorreram entre 2013 e 2018 na casa do arguido em Vila Nova de Famalicão e, numa das vezes, num terreno situado nas imediações. As vítimas eram rapazes entre os 10 e 14 anos, vizinhos do arguido e de famílias com dificuldades económicas.

De acordo com a investigação, o arguido atraía os menores até sua casa para praticar com eles diversos atos de natureza sexual, inventando pretextos como o de irem jogar videojogos ou fazer musculação.

O homem, que chegou a integrar a Legião Estrangeira, foi detido em março de 2018 pela Polícia Judiciária (PJ), após uma investigação que teve origem na denúncia de uma das vítimas.

Na altura, em comunicado, a PJ referia que os abusos já decorreriam há mais de quatro anos. “O agressor atraía as vítimas, com idades compreendidas entre os 9 e os 14 anos, para a sua residência, em Vila Nova de Famalicão, local onde praticava aqueles abusos, oferecendo-lhes em troca pequenos presentes”, acrescentava o comunicado.

Maria e Francisco foram os nomes mais escolhidos para os que nasceram em 2019

2019 chega ao fim com novidades no que diz respeito aos nomes mais escolhidos durante os últimos 12 meses.

Contrariando o que tem vindo a ser habitual, o nome João deixou de ser o preferido pelos portugueses, acabou por ser trocado por Francisco. Na lista dos nomes femininos mantém-se um clássico, Maria.

O ranking foi divulgada nas últimas horas pelo Ministério da Justiça

Nomes Masculinos

  1. Francisco
  2. João
  3. Santiago
  4. Afonso
  5. Gabriel
  6. Duarte
  7. Lourenço
  8. Miguel
  9. Rodrigo
  10. Tomás

Nomes Femininos

  1. Maria
  2. Leonor
  3. Matilde
  4. Carolina
  5. Beatriz
  6. Alice
  7. Benedita
  8. Mariana
  9. Ana
  10. Francisca

 

Férias de Natal cheias de energia

Cerca de quinhentas crianças inscritas no programa de ocupação das férias de Natal promovido pela Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão que, este ano, foi alargado a várias freguesias do concelho, estão a ter dias cheios de energia e alegria.

A iniciativa, desenvolvida no âmbito do programa Famalicão Comunitário, começou quarta-feira e, até esta sexta-feira, dia 20 de dezembro, apresenta muitas atividades lúdico-desportivas que fazem as delícias dos mais pequenos e preenchem, de forma criativa, as férias escolares das crianças famalicenses, tais como visitas ao circo, cinema, desporto, visitas culturais aos museus, insufláveis e muito mais. São cerca de uma dezena de centros de ocupação dinamizados de forma descentralizada permitindo que as crianças de uma boa parte das freguesias de Famalicão desfrutem de umas férias diferentes, sempre acompanhadas por cerca de 80 monitores.

Recorde-se que este ano a Câmara Municipal decidiu alargar o âmbito e o alcance das tradicionais Férias Desportivas e Recreativas organizadas durante as interrupções letivas do Natal e Páscoa, com o projeto “Dias em Cheio – Férias Criativas de Famalicão”.

Infarmed retira do mercado cremes para crianças da Wells, Barral e Dermosense

Segundo o relatório a que a Lusa teve hoje acesso, o creme Barral BabyProtect Creme de Rosto usava conservantes não autorizados e em laboratório foi identificado um ingrediente (Phenoxyethanol) não identificados no rótulo, pelo que foi ordenada a suspensão imediata da comercialização e a retirada de todas as unidades existentes no mercado.

O produto Wells Creme Rosto Bebé continha os conservantes Phenoxyethanol e Benzoic acid, que não estavam declarados na lista de ingredientes da rotulagem, além de se ter constatado que “os ingredientes listados não correspondem à verdadeira composição do produto”. O produto continha ainda uma alegação falsa: «0% Fenoxietanol».

“Atendendo a que a pessoa responsável não demonstrou que este cosmético é seguro para a saúde humana, o Infarmed ordena a suspensão imediata da comercialização e a retirada de todas as unidades existentes no mercado”, escreve o Infarmed (Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde) na circular que determinou a retirada do mercado.

O Infarmed informa ainda que em dois outros produtos – Dermosense creme gordo 100 ml e Dermosense creme de mãos 50 ml – a distribuidora estava a proceder à retirada voluntária do lote em que foram detetadas irregularidades na rotulagem e a Autoridade do Medicamento ordenou “a suspensão imediata da comercialização e a retirada do mercado nacional de todas as embalagens do referido lote”.

A ação de supervisão do Infarmed incidiu sobre 87 produtos de diversas marcas, desde cremes para fralda a loções hidratantes, passando por leites emolientes, cremes protetores e águas de limpeza. No total, foram analisados mais de 1.300 parâmetros (químicos e microbiológicos).

“A maioria dos Produtos Cosméticos analisados (87%) estavam em conformidade com a legislação em vigor à data de análise, relativamente ao tipo e teor de conservantes presentes na sua composição. No entanto, constatou-se que sete dos produtos cosméticos analisados (13%) apresentaram algum tipo de irregularidade”, refere a conclusão do relatório, a que a Lusa teve acesso.

O Infarmed desaconselha o uso em crianças de produtos cosméticos destinados a adultos, de modo a evitar a ocorrência de reações adversas como alergias, dermatites de contacto, reações inflamatórias, entre outras.

Em caso de reações deste tipo, aconselha o consumidor a procurar um médico dermatologista ou um pediatra, suspendendo de imediato a utilização do produto.

“Um produto cosmético nunca deve ser utilizado para outro fim que não o indicado na rotulagem”, sublinha o regulador.

As Pessoas Responsáveis dos produtos cosméticos analisados são provenientes de sete países distintos, sendo a grande maioria oriunda da Europa (97,7%), com especial destaque para França (42,5%), Portugal (21,8%), Espanha (14,9%) e Alemanha (11,5%). Apenas 2,3% dos produtos são originários de países terceiros, nomeadamente do Brasil.

Quanto às formas de apresentação, os produtos cosméticos hidratantes para crianças analisados compreendem sete formas de apresentação distintas, sendo os cremes os mais representativos (56,3%). Os leites e loções, no seu conjunto, correspondem a 34,5% dos produtos.

As restantes formas de apresentação compreendem emulsões, bálsamos, pomadas e óleos.

Entre as marcas analisadas estavam a Mustela, Johnson´s, Corine de Farme, Barral, A-Derma, Uriage, Baby Smile, Avéne, Chicco, Halibut, Aveno, ISDIN, Klorane, La Roche-Posay, Oleoban, Garnier, Aloé Via, Bioderma, Garnier, O Boticário, Auchan, Pingo Doce, Wells, entre outras.

O Infarmed analisou ainda 98 produtos cosméticos de banho para criança (champô, gel de banho e sabonete líquido), representando 39 marcas disponíveis em diversos pontos da cadeia de distribuição, tais como farmácias, supermercados e hipermercados.

Do ponto de vista químico, concluiu que todos estavam de acordo com a legislação em vigor relativamente ao tipo e teor de conservantes presentes. No entanto, para três dos produtos cosméticos analisados, os resultados obtidos “não são consistentes com a rotulagem”, uma vez que figuram conservantes na listagem de ingredientes que não foram detetados em laboratório, pelo que os produtos foram considerados “não conforme”.

Dois outros produtos cosméticos analisados “apresentaram um resultado de teor nalguns conservantes em conformidade, porém, próximo do limite legal”.

Para estes cinco produtos “foi desencadeada a recolha de novos lotes e reanálise para averiguação da conformidade no parâmetro em questão”, refere o relatório.

O Infarmed garante que “continuará a desenvolver campanhas de monitorização e supervisão do mercado português, de forma a garantir a segurança e qualidade dos produtos cosméticos comercializados, dando o seu contributo para que os consumidores portugueses tenham ao seu dispor produtos cosméticos seguros para todas as faixas etárias”.

F.C.Famalicão visitou crianças e seniores do Centro Social e Paroquial de Calendário

Uma comitiva do Futebol Clube Famalicão visitou, esta terça-feira, o Centro Social de Calendário.

O médio Gustavo Assunção e o avançado Toni Martínez fizeram as delícias dos utentes da instituição famalicense, quer miúdos quer graúdos.

A animação reinou durante toda a visita, na qual os jogadores deram carinho a quem não se cansou de demonstrar toda a sua paixão pelo clube, incentivando-os para os desafios que se seguem. O próximo será frente ao Sport Lisboa e Benfica, que está agendado para o próximo sábado. Gustavo Assunção anteviu “um duelo de elevado grau de dificuldade”, no qual a equipa “tudo fará para conquistar um resultado positivo”.

Já Toni Martínez deixou a garantia que “a equipa vai manter a identidade que mereceu rasgados elogios de todos os espetadores” e vincou a pretensão da equipa “em continuar a dar muitas alegrias aos aficionados adeptos da equipa”.

Most Popular Topics

Editor Picks