Condutores vão ter mais tempo para pagar portagens

O Governo está a avaliar o alargamento de cinco para 30 dias o prazo para pagamento de portagens nas antigas auto-estradas sem custos para o utilizador (Scut) junto dos CTT.

O objetivo é evitar que pequenas dívidas relacionadas com as passagens por pórticos nas autoestradas se transformem facilmente em processos de execução fiscal e escalem para valores astronómicos.

A notícia é avançada pelo Público, que noticia que o Executivo vai rever este ano a forma como se processa a liquidação das taxas de circulação nas autoestradas com pórticos automáticos. O dossiê está a ser acompanhado pelos ministérios das Infraestruturas, Finanças e Coesão Territorial.

Segundo o jornal, o alargamento para 30 dias ainda não está fechado. Mas é “ponto assente” que os condutores portugueses que não têm identificador da Via Verde terão mais tempo para liquidar estes valores, antes de o processo ser convertido numa execução fiscal, com custos mais elevados para os bolsos dos portugueses.

Atualmente, quando um condutor passa por um pórtico numa autoestrada Scut, tem cinco dias para pagar o montante, geralmente nos serviços dos CTT. No entanto, é entendimento do Governo que o sistema atual é algo confuso, até porque este prazo só começa a contar dois dias depois. Este “tempo morto” pode, também, vir a ser encurtado.

Famalicão: Pilaretes vermelhos tornam passadeiras mais visíveis

Estão a ser instalados pilaretes nas passadeiras em Vila Nova de Famalicão.

Há pelo menos registo de duas passadeiras que já contam com este tipo de sinalização. Assim, as passadeiras passam a estar mais visíveis para aqueles que circulam na estrada e, pelo facto dos pilaretes terem sido colocados uns centímetros dentro da faixa de rodagem, permite com que o peão tenha uma margem de segurança maior em relação a todos os veículos que circulam na estrada.

Para já, e ao que a Cidade Hoje conseguiu apurar, esta nova sinalização está disponível nas passadeiras da Avenida José Manuel Marques, ao lado do recinto da feira semanal, e na Avenida dos Descobrimentos, junto ao hospital de dia de Famalicão.

Famalicão: Nem os pilaretes impedem a falta de civismo

O estacionamento em zonas não autorizadas continua a ser uma prática de muitos automobilistas, mesmo depois de algumas alterações levadas a cabo pela autarquia famalicense com o objetivo de ordenar a circulação automóvel e pedonal no centro da cidade, em especial junto à zona escola.

Depois da colocação de pilaretes no passeio que circunda uma parte da escola Camilo Castelo Branco, surgem imagens que dão conta que os automobilistas continuam, mesmo assim, a não respeitar os outros condutores mas, acima de tudo, os peões que ali passam.

Estes condutores continuam a estacionar os automóveis no curto espaço onde não foram deixados pilaretes, devido ao uso daquele local para a recolha dos resíduos armazenados nos contentores instalados junto ao passeio.

Famalicão: PSP detém condutores alcoolizados

Os agentes da Polícia de Segurança Pública detiveram, na madrugada de domingo, dois homens que conduziam no centro de Vila Nova de Famalicão sob a influência do álcool.

Os condutores, com 37 e 23 anos, apresentaram uma taxa de álcool no sangue de 1,42 e 2,13 g/l, respetivamente.

Os detidos foram notificados para comparecerem junto do Tribunal da Comarca de Braga.

GNR detém 66 pessoas, maioria por condução sob efeito do álcool, e regista 584 infrações rodoviárias

“A Guarda Nacional Republicana, para além da sua atividade operacional diária, levou a efeito um conjunto de operações, em todo o território nacional, entre as 20:00 de sábado e as 08:00 de hoje, que visam a prevenção e combate à criminalidade violenta, fiscalização rodoviária, entre outras”, indicou, em comunicado, a GNR.

Neste âmbito, a GNR deteve 66 pessoas em flagrante delito, destacando-se 56 por condução sob o efeito do álcool, cinco por condução sem carta e um por posse de arma proibida.

Por outro lado, apreendeu nove doses de cocaína e uma moca.

No âmbito da fiscalização do trânsito, registaram-se 584 infrações, destacando-se 175 por excesso de velocidade, 119 por condução com taxa de álcool no sangue superior ao permitido por lei, 58 por falta de inspeção periódica obrigatória, 21 por falta de seguro de responsabilidade civil, 19 por infrações relacionadas com tacógrafos, 18 por falta ou incorreta utilização do cinto de segurança, 14 por uso indevido do telemóvel e sete infrações relacionadas com iluminação e sinalização.

Adicionalmente, a GNR registou, no período em causa, 69 acidentes, que resultaram, pelo menos, em seis feridos graves e 16 feridos ligeiros.

Most Popular Topics

Editor Picks