Famalicão: “Talvez Um Dia” estreia na Casa das Artes

“Talvez um dia” estreia esta sexta-feira, dia 25, às 21h30, na Casa das Artes. Trata-se de uma coprodução da companhia Fértil Cultural com o Teatro Diogo Bernardes, que esteve prevista para assinalar o Dia Mundial do Teatro 2020, mas que foi adiada devido à covid.

Esta peça teatral, uma criação de Rui Alves Leitão, pretende ser um espetáculo sensorial, emocional e de uma reflexão da existência humana, baseado no conceito de esperança infinita.

 

Famalicão: “Talvez um dia” na Casa das Artes

“Talvez um dia” estreia esta sexta-feira, dia 25, às 21h30, na Casa das Artes. Trata-se de uma coprodução da companhia Fértil Cultural com o Teatro Diogo Bernardes, que esteve prevista para assinalar o Dia Mundial do Teatro 2020, mas que foi adiada devido à covid.

Esta peça teatral, uma criação de Rui Alves Leitão, pretende ser um espetáculo sensorial, emocional e de uma reflexão da existência humana, baseado no conceito de esperança infinita. “Talvez Um Dia” proporciona um momento de questionamento mútuo entre o ator e o espetador, sem alusão moral.

O espetáculo, cujo ingresso custa 8 euros ou 4 euros para estudantes, portadores do Cartão Quadrilátero Cultural e seniores, repete no sábado, dia 26, à mesma hora.

Coprodução Fértil Cultural, Casa das Artes de Famalicão e Teatro Diogo Bernardes, com parceria institucional do Ministério da Cultura e apoio dos municípios de Famalicão e de Ponte de Lima, além da ENIF.

Revista “Sigilo Público”

Para além desta estreia, é também dia 25 de setembro que a Fértil Cultural lança no campo editorial a revista “Sigilo Público”. Depois do espetáculo, esta nova publicação é apresentada no pequeno auditório da Casa das Artes. Trata-se de um espaço de partilha de ideias e práticas artísticas, culturais e educacionais aliadas à arte, e almeja ocupar um lugar entre as escassas edições deste género.

 

Famalicão: Colóquio sobre a memória do Holocausto e a ajuda humanitária

Nos dias 25 e 26 de setembro pode assistir, presencialmente ou online, ao colóquio “Em torno da memória do Holocausto e a ajuda humanitária”. Estão previstas dez intervenções sobre diferentes temas.

A iniciativa, marcada para o pequeno auditório, insere-se no âmbito do projeto “Nunca Esquecer – Programa Nacional em torno da Memória do Holocausto” que pretende promover iniciativas de homenagem, divulgação e desenvolvimento do estudo e conhecimento sobre o Holocausto, designadamente o papel assumido por portugueses que apoiaram vítimas do regime nazi (de entre os quais se destaca Aristides de Sousa Mendes), bem como as vítimas portuguesas.

A abertura do encontro está marcada para as 14h00, com as intervenções do presidente da Câmara Municipal, Paulo Cunha, e do vereador da Educação, Conhecimento e Cultura, Leonel Rocha.

“Portugal e os Nazis – Histórias e Segredos de uma Aliança”, “Memórias de Aristides”, “Portugueses nos Campos no Concentração Nazis” e “As ‘Crianças Cáritas’, entre a Áustria e Portugal (1947-1958)” são algumas das intervenções que integram o programa do colóquio.

Os interessados em participar na iniciativa poderão efetuar inscrição através do Portal da Educação, em www.famalicaoeducativo.pt. A participação no colóquio presencialmente está limitada à atual capacidade do auditório (50 lugares). Os participantes poderão optar por participar online através da plataforma Zoom.

Regira-se ainda que o colóquio é organizado pela Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, em parceria com o CITCEM – Centro de Investigação Transdisciplinar «Cultura, Espaço e Memória», a Associação de Professores de História, o Instituto de História Contemporânea e o Centro de Formação do Agrupamento de Escolas Vila Nova de Famalicão.

Famalicão: Jovem Orquestra dá concertos na Casa das Artes e no Parque da Devesa

A Jovem Orquestra de Famalicão apresenta concertos este fim-de-semana, sob orientação do maestro José Eduardo Gomes.

A segunda edição da JOF tem concertos agendados para a noite desta sexta-feira (às 21h30) e domingo (às 17h00), na Casa das Artes. No sábado, às 18 horas, há concerto no Parque da Devesa, no palco do Anima-te.

A entrada nos concertos é gratuita mas limitada à lotação do Grande Auditório, com levantamento prévio do bilhete. O mesmo acontece no concerto do Parque da devesa. Os ingressos podem ser levantados na bilheteira instalada no local do evento, no período das 3 horas que antecedem o espetáculo. Uma pessoa pode levantar até 6 ingressos.

Já há bandos de pássaros de papel em Famalicão

O desafio lançado pela Casa das Artes para a construção de Orizuros já tem dezenas de participantes, muitos dos quais crianças dos jardins-de-infância e de outras instituições escolares.

Um Orizuro é um pássaro de papel criado a partir da técnica de dobragem origami e que na cultura tradicional do Japão é símbolo de felicidade e paz.

O objetivo deste projeto famalicense é, em tempos de pandemia, falar de valores humanos, como a harmonia e a solidariedade.

Ainda pode participar neste desafio. E construir um orizuro não é nada difícil. De qualquer forma, há instruções disponibilizadas nos vídeos publicados na página do facebook, instagram e youtube da Casa das Artes. https://www.facebook.com/watch/?v=1941310439336308 aqui: https://www.instagram.com/tv/CA5dbSwFYwf ou aqui: https://youtu.be/7FrVA7E2PCI.

O desafio é que façam muitos Orizuros, numa atividade que junte as famílias neste período de férias escolares. São também convidadas a juntar-se a este movimento todas as instituições sociais e os seus utentes.

Depois, os bandos de pássaros de papel devem ser colocados junto do arco-íris que muitas famílias e instituições têm já afixados desde o início da pandemia.

Podem tirar fotos às criações e enviar para o email: [email protected] para poderem ser mostradas a todos. Depois serão recolhidos e colocados nos espaços verdes da cidade para fazer desta uma Cidade Orizuro.

Famalicão Cidade Orizuro é uma ação envolvente do projeto “Orizuro” que há vários anos a Casa das Artes de Famalicão, em coprodução com a Companhia de Música Teatral (CMT). Assim é também cumprida a missão da Casa das Artes de fomento à criação artística, do apoio aos artistas e do envolvimento da comunidade, concretamente, através do programa Casa das Artes Envolvente.

Famalicão: Casa das Artes reabre com teatro pelo Baú dos Segredos

A Casa das Artes reabre esta quinta-feira com a programação cultural normal após alguns meses fechada por causa da covid-19.

O primeiro espetáculo é de teatro, com a adaptação da história de Oliver Twist, pela companhia Baú dos Segredos.

O espetáculo, com produção de João Regueiras e da Casa das Artes, pode ser visto às 21h30, no grande auditório, esta quinta, sexta e sábado.

A entrada custa 3 euros; estudantes, portadores do Cartão Quadrilátero Cultural e seniores (a partir de 65 anos) pagam 1.5 euros.

Salienta-se que o acesso à sala de espetáculos, devido a razões de segurança sanitária, será especificamente acompanhado pela equipa de acolhimento da Casa das Artes.

A história de Oliver Twist é uma adaptação da obra de Charles Dickens, com a qual Baú dos Segredos comemora o seu décimo terceiro aniversário ao serviço da cultura famalicense.

Adaptação, encenação e cenografia de João Regueiras. O elenco é formado pelos alunos das classes A e B do Baú dos Segredos. Direção Musical: Rui Mesquita.

O espetáculo tem o apoio do Agrupamento de Escolas Camilo Castelo Branco.

Most Popular Topics

Editor Picks