Francisco Duarte Mangas vence Grande Prémio de Conto Camilo Castelo Branco

O escritor Francisco Duarte Mangas venceu o Grande Prémio de Conto Camilo Castelo Branco, com a obra “Pavese no café Ceuta”, editado pela Teodolito.

A decisão foi tomada pelo júri, composto pelas professoras e investigadoras Isabel Cristina Mateus e Maria de Lurdes Sampaio e pelo escritor Liberto Cruz.

O prémio instituído em 1991 é atribuído em conjunto pela APE e pela Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, contando com um valor de 7.500 euros.

Francisco Duarte Mangas nasceu em 1960, em Rossas, no concelho de Vieira do Minho, sendo jornalista, poeta e ficcionista, com obra publicada desde a década de 1980.

(Foto: Augusto Baptista)

Famalicão: Agrupamento Camilo Castelo Branco apresenta plano para funcionamento das aulas em tempo de covid-19

Os alunos do Agrupamento de Escolas Camilo Castelo Branco regressam às aulas no dia 17 de setembro. Mas entre os dias 14 e 15, os encarregados de educação dos alunos do 1.º ciclo vão reunir com os professores. No dia 16 os alunos reúnem com os diretores de turma para conhecerem os horários e as regras de funcionamento da escola.

Além do uso de máscara e da higienização das mãos, estudantes e professores têm que seguir circuitos diferenciados; só há um intervalo no exterior da sala de manhã e outro intervalo à tarde, com horários desencontrados entre as turmas.

Na maioria dos anos, as turmas terão aulas só de manhã ou só de tarde e sempre na mesma sala, com exceção dos laboratórios e da educação física. Nesta disciplina, haverá aulas teóricas e outras práticas, sempre que possível no final no período letivo de cada dia. Tudo para evitar muitos meninos nos balneários.

Há horários desfasados para as refeições, para evitar a concentração. Ajuntamentos no bar, papelaria ou outros espaços de uso comum não serão permitidos.

O diretor do Agrupamento de Escolas Camilo Castelo Branco solicita a toda a comunidade escolar, incluindo às famílias, para que as regras sejam cumpridas. Carlos Teixeira acredita que a colaboração e o civismo vão ajudar a evitar os contágios.

Famalicão: Menção honrosa para alunos da Camilo em concurso nacional

A equipa “Os Argonautas”, da Escola Secundária Camilo Castelo Branco, foi distinguida com uma Menção Honrosa na 11.ª edição do MEDEA, uma iniciativa da Sociedade Portuguesa de Física (SPF) e da REN – Redes Energéticas nacionais, com o objetivo de promover o conhecimento da física e o estudo dos campos eletromagnéticos junto dos jovens portugueses e da sociedade em geral.

No projeto da Escola Camilo Castelo Branco, os alunos verificaram que quanto maior for a distância dos aparelhos que nos rodeiam no dia a dia, menor é a intensidade de campo magnético e campo elétrico registado. Todos os valores verificados estavam dentro dos valores recomendados pelas autoridades competentes.

Os Argonautas”, da Escola Secundária Camilo Castelo Branco, Vila Nova de Famalicão, são compostos por Francisco Miguel Alves da Costa, Gonçalo da Silva Pereira Teixeira, José Afonso Barbosa Salgado, Tiago Miguel Mesquita Figueiredo e Tomás Santos Pereira, coordenados pela professora Teresa Martins.

Todos os vencedores foram conhecidos numa cerimónia realizada por videoconferência e que contou com a presença de representantes da REN, SPF e das equipas vencedoras. A entrega de prémios presencial irá decorrer dia 5 de setembro de 2020, na cerimónia de encerramento da FÍSICA 2020 – 22ª Conferência Nacional de Física e 30º Encontro Ibérico para o Ensino da Física, que se realiza no Instituto de Educação da Universidade de Lisboa.

Recorde-se que o MEDEA, instituído em 2008, é dirigido aos alunos do 10º ao 12º ano dos ensinos secundário e profissional. Permite a aplicação prática da formação ministrada nas instituições de ensino, aliando o conhecimento científico à vida quotidiana dos alunos através de experiências realizadas pelos próprios, dentro e fora das salas de aula.

Abertas candidaturas ao Grande Prémio de Conto Camilo Castelo Branco

Estão a decorrer, até 30 de junho, as candidaturas ao Grande Prémio de Conto Camilo Castelo Branco.

O prémio, instituído em 1991, pela Associação Portuguesa de Escritores (APE) e patrocinado pela Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, destina-se a galardoar anualmente uma obra em português, de autor português ou de país africano de expressão portuguesa, publicada em livro em primeira edição no ano de 2019. Tem um valor pecuniário de 7.500 euros.

O regulamento, disponível no site do município em www.famalicao.pt, indica que, de cada livro concorrente devem ser enviados cinco exemplares para a sede da APE, destinados aos membros do júri e à biblioteca. Não serão admitidos a concurso livros póstumos, nem de índole infanto-juvenil.

O galardão distinguiu já escritores como Hélia Correia, Mário de Carvalho, Maria Isabel Barreno, Maria Velho da Costa, Maria Judite de Carvalho, Miguel Miranda, Luísa Costa Gomes, José Jorge Letria e José Eduardo Agualusa. José Viale Moutinho, António Mega Ferreira, Teolinda Gersão, Urbano Tavares Rodrigues, Manuel Jorge Marmelo, Paulo Kellerman, Gonçalo M. Tavares, Ondjaki, Afonso Cruz, A.M. Pires Cabral e Eduardo Palaio, entre outros.

Famalicão: Crianças escrevem “Heróis Improváveis”

Foi lançada mais uma obra do atelier de escrita criativa e de ilustração, do serviço educativo da Casa de Camilo. Desta vez não teve os autores da obra, devido à covid-19, mas o livro foi, na mesma, apresentado no site oficial do município, a 1 de Junho, Dia da Criança e da morte de Camilo Castelo Branco.

O livro chama-se “Heróis Improváveis” e tem como inspiração a obra “A mulher fatal” de Camilo Castelo Branco.

Participaram no projeto criativo 91 alunos e cinco professores das turmas do 4.º ano das seguintes escolas: Centro Escolar Luís de Camões (turma: 4.º BB), EB Barranhas (turma: BA1), EB Lousado (turma: L4B), EB Nuno Simões (turma: NS4) e EB Requião (turma: D). Estes pequenos autores tiveram a colaboração, como vem sendo hábito, do escritor Pedro Chagas Freitas e da ilustradora Gabriela Sotto Mayor.

Depois da composição dos textos, as crianças participaram no atelier de ilustração, mas os trabalhos acabaram interrompidos pela pandemia e foi preciso reinventar para se concluir a publicação.

Ainda assim, o presidente da Câmara Municipal de Famalicão, Paulo Cunha, mostra-se «satisfeito por se ter finalizado o atelier que, na sua opinião, corporiza uma das dinâmicas do Serviço Educativo do Museu de São Miguel de Seide: a promoção da leitura e da escrita, desenvolvida, neste caso, com o seu público mais jovem».

Neste sentido, o autarca deixou o seu agradecimento a todos os que deram o seu contributo no desenvolvimento deste atelier e na edição do livro. Depois de ver a obra, expressou «estar perfeitamente consciente do que esta atividade cultural representa para a valorização da memória patrimonial camiliana no nosso concelho, para reavivar a memória de Camilo Castelo Branco e para fortalecer os laços dos mais novos com a literatura».

Paulo Cunha deixou ainda a garantia de que, antes do encerramento das aulas, serão entregues exemplares do livro nas escolas dos alunos participantes, para que cada um dos pequenos escritores guarde o seu primeiro livro escrito e impresso.

A obra está disponível também na plataforma issuu em,https://issuu.com/municipiodefamalicao/docs/herois_improvaveisO Atelier de Escrita Criativa e de Ilustração continuará no próximo ano letivo e a obra a trabalhar será Amor de Salvação, a primeira que Camilo Castelo Branco escreveu em São Miguel de Seide.

Crime e Castigo no 13.º volume da coleção Estudos Camilianos

«Crime e Castigo em Camilo Castelo Branco» é o tema do volume 13 da coleção «Estudos Camilianos» que o Município acaba de lançar através da Casa de Camilo – Centro de Estudos.

Com organização de Sérgio Guimarães de Sousa e João Paulo Braga, a publicação foi apresentada esta segunda-feira, no âmbito das comemorações do Dia Internacional dos Museus, em conferência realizada on-line.

Colaboraram neste trabalho Henrique Marques Samyn (Universidade do Estado do Rio de Janeiro), Luciana Namorato (Indiana University, Estados Unidos), Maria João Dodman (York University, Toronto, Canadá) e Patrícia Silva Cardoso (Universidade Federal do Paraná, Curitiba, Brasil).

«Os estudos aqui reunidos, demonstram a complexidade, a profundidade e a riqueza da problemática do bem e do mal, do crime e do castigo no autor de Anátema», escreve na nota introdutória o diretor da coleção e da Casa de Camilo, José Manuel de Oliveira.

A publicação encontra-se à venda no Centro de Estudos Camilianos, em S. Miguel de Seide, e na Casa do Território, em Vila Nova de Famalicão. Pode, também, ser requerida via digital através da loja on-line da Casa- Museu em www.camilocastelobranco.org.

Most Popular Topics

Editor Picks