Falsificou notas, agora está acusado de burla informática

Valdemar Castro, a cumprir pena de 12 anos por crimes de falsificação de notas de 50 euros, volta a ser julgado, desta vez por crimes de falsificação informática. Famalicão está, mais uma vez, na rota dos crimes de Valdemar Castro, 46 anos. É que as burlas informáticas foram cometidas em vários quiosques, um deles em Famalicão, através de cartões de crédito pré-pagos.

O esquema era o seguinte: pedia um cartão, depois arranjava uma desculpa para se afastar ligeiramente enquanto falava ao telemóvel, copiava os códigos do cartão e fornecia a um irmão. Depois devolvia o cartão, alegando já não estar interessado. As compras eram efetuadas online com os códigos roubados.

Em nota de rodapé, Valdemar Castro está a cumprir pena na cadeia de Paços de Ferreira, onde está a fazer um mestrado em psicologia, depois de ter completado, enquanto estava na cadeia, uma licenciatura em ciências sociais. Já era formado em engenharia civil.

Alerta: Portugueses estão a receber SMS’s sobre Covid-19 que são burla

O Ministério da Saúde informa que está a decorrer uma campanha de fraudulenta através de SMS (smishing= phishing por SMS) de um remetente que se faz passar pelo Serviço Nacional de Saúde.

Caso receba a seguinte SMS a pedir o seu código postal (como na imagem abaixo) a SPMS aconselha a NÃO CLICAR em qualquer link, NEM FORNECER QUALQUER TIPO DE INFORMAÇÃO.

A situação já terá sido reportada às autoridades que agora investigam.

Aumenta o crime de burla sobre os idosos

A GNR tem estado particularmente atenta à evolução de determinados fenómenos criminais, visando sobretudo proteger os mais vulneráveis, como os idosos sozinhos ou isolados e as vítimas de violência doméstica.

No mês de março, registou 938 denúncias por violência doméstica (menos 26% do que em período homólogo de 2019), tendo detido 76 suspeitos e apreendido 97 armas (dados provisórios). Ainda assim, conscientes que o período de maior isolamento social pode suscitar um desfasamento mais acentuado entre o número de denúncias e o número de crimes praticados, a GNR, através dos Núcleos de Investigação a Apoio a Vítimas Específicas (NIAVE), tem intensificado os contactos com as vítimas identificadas, no sentido de promover, se necessário for, um ajustamento das medidas de proteção das vítimas. A GNR recorda que se trata de um crime público, pelo que qualquer pessoa pode denunciar, devendo ser privilegiado o recurso ao Sistema de Queixa Eletrónica (https://queixaselectronicas.mai.gov.pt/).

De igual modo, tem reforçado as ações junto dos idosos, sobretudo dos cerca de 41 mil que, durante a Operação Censos Sénior 2019, foram sinalizados como vivendo sozinhos ou isolados ou sozinhos e isolados.

A GNR tem contribuído para a prestação de um necessário apoio social e para a sensibilização face ao aumento do número de crimes de burla (467, durante o mês de março de 2020, o que corresponde um aumento de 52%, face ao período homólogo de 2019), que incidem sobretudo sobre a população mais vulnerável, como é o caso dos idosos.

Ainda neste âmbito, está em fase de implementação o Programa 65 Longe+Perto, o qual visa, através das Secções de Prevenção Criminal e Policiamento Comunitário (SPC), em primeira linha, a promoção do contacto telefónico com todo os idosos sinalizados, procurando identificar situações que justifiquem uma abordagem ao nível psicológico, para a qual serão disponibilizados psicólogos do Centro Clínico da GNR, numa segunda linha de apoio.

Minho: Piratas informáticos atacam contas bancárias e desviam um milhão de euros

A notícia é avançada esta segunda-feira pelo Jornal de Notícias. Piratas informáticos terão conseguido desviar um milhão de euros de contas bancárias portuguesas.

Foi através do uso de e-mails falsos que, até 2018, os hackers conseguiram aceder às contas, através de um esquema que fazia com que os clientes cedessem alguns dados pessoais.

A maioria das contas atacadas pertencerão ao Banco Montepio.

Já foram constituídos 55 arguidos.

Famalicão: Família engana-se no código e deixa burlão sem possibilidade de roubar dinheiro

Um casal de Vila Nova de Famalicão foi este sábado alvo de uma tentativa de burla, através da aplicação MBWay. Eles pretendiam vender um aparelho de ginástica e, para isso, colocaram um anúncio na plataforma OLX.

Momentos mais tarde, acabaram por ser contactados por um indivíduo que mostrou interesse no produto, contudo, só o aceitaria se o método de pagamento fosse MBWay, uma aplicação que permite o levantamento e transferência de dinheiro através de qualquer smartphone.

Aproveitando o desconhecimento do casal, o burlão fez com que a mulher interessada na venda do produto fosse a um multibanco e procedesse à ativação do MBWay, obedecendo às instruções que o alegado comprador lhe ia dando com o objetivo de ficar com o controlo da conta.

Um erro, num dos dígitos utilizados para controlar a conta à distância, acabou por salvar o casal de Famalicão. O burlão, depois de não ter conseguido fazer o levantamento de 350€, numa caixa de multibanco de Estremoz, em Évora, entrou em contacto com a vítima de forma a confirmar todos os dados, uma vez que este alegava que não estava a conseguir fazer o pagamento.

A vendedora, confusa com toda a situação, passou a chamada para um familiar que é utilizador do serviço MBWay e, em instantes, percebeu que estava perante uma tentativa de burla, uma vez que o suposto comprador queria ter acesso a dados privados. De imediato, e por segurança, a família de Famalicão contactou o banco e pediu o bloqueio da conta.

Uma queixa contra desconhecidos foi apresentada na GNR que, em sua posse, tem o número de telemóvel utilizado nos contactos com as vítimas, desligado desde que o burlão se apercebeu que tinha sido “apanhado”.

Burla na Trofa: Jovens cantam as janeiras com peditório falso para a Cruz Vermelha

Um grupo de jovens alegadamente cantou nos últimos dias os Reis em cafés no centro da cidade, no âmbito de um peditório, falso, para a Cruz Vermelha (CV) local, disse à Lusa a coordenadora daquela organização, Carla Lima.

“Fomos alertados por populares que foram abordados pelos cinco ou seis jovens que nos últimos dois dias, em cafés do centro da Trofa, cantaram os Reis, após o que pediam às pessoas uma contribuição que reverteria para a Cruz Vermelha local”, explicou Carla Lima.

Negando que a CV tenha avançado com algum peditório no âmbito da quadra, a responsável reagiu ao alerta, “informando a GNR da fraude”, mas sem que “nenhum dos jovens tenha sido detido”, já que “não voltaram a ser vistos a pedir”.

A CV da Trofa publicou um comunicado na sua página oficial do Facebook, alertando para a fraude, numa denúncia que contou com a colaboração de outras organizações da cidade, acrescentou à Lusa a coordenadora.

Most Popular Topics

Editor Picks