Famalicão: Pedro Almeida fecha época com vitória no Europeu Júnior

Apesar do ano atípico, em virtude da pandemia covid-19, Pedro Almeida e Hugo Magalhães cumpriram a época de ralis participando em 13 provas, entre o Campeonato de Portugal, o ERC – Campeonato da Europa e a Peugeot Rally Cup Ibérica. No cômputo geral, a dupla ao volante de um Peugeot 208Rally4, conseguiu a vitória no ERT- European Rally Trophy na categoria Júnior e ERT2.

A competição tinha a última prova agendada para o Algarve, mas o cancelamento determinou o encerramento das contas com os três ralis que pontuaram para o troféu: Serras de Fafe, Rally da Madeira e Asturias.

Olhando para a época, o primeiro lugar nestas duas classificações são um prémio de consolação para uma época em que o famalicense tinha as maiores expectativas, embora nem sempre «as coisas tenham corrido bem, umas vezes com o carro a deixar-nos pendurados e outras onde o nosso desempenho não foi o que esperávamos», assinala o piloto Pedro Almeida.

A temporada foi condicionada pelas circunstâncias da pandemia mas, mesmo assim, Pedro Almeida acabou por ser o piloto nacional com mais provas realizadas – 13 no total.

Depois de mudar do R5 para o Peugeot 208Rally4, com o objetivo de fazer novas aprendizagens, «de fazer um conjunto de ralis fora da nossa zona de conforto e, assim, elevar o nível competitivo», Pedro Almeida assume que a época foi «muito positiva, porque somamos muitas experiências que serão fundamentais para o projeto que temos para os próximos dois anos».

Fechada a época de 2020, Pedro Almeida e Hugo Magalhães estão já a preparar 2021, reunindo apoios e definindo novas metas. «Queremos continuar a evoluir e a competir com os melhores da nossa geração, sendo mais competitivos», promete, fechando este balanço com um agradecimento aos apoios que recebeu e que foram fundamentais «para o desenvolvimento deste projeto».

Número de desempregados aumenta 45,1% no terceiro trimestre

O número de desempregados aumentou 45,1%, entre julho e setembro, face ao segundo trimestre do ano.

Trata-se do maior aumento desde, pelo menos, 2011, e corresponde a mais 125,7 mil pessoas à procura de emprego. A população desempregada está estimada em 404,1 mil pessoas.

Segundo os dados divulgados, esta quarta-feira, pelo Instituto Nacional de Estatística, no terceiro trimestre de 2020, a taxa de desemprego atingiu os 7,8%.

 

GNR regista 418 acidentes e um morto nos dois primeiros dias da operação Carnaval

A GNR registou 418 acidentes rodoviários e uma vítima mortal nos dois primeiros dias da operação “Carnaval 2020”, que começou na sexta-feira, avançou à Lusa o oficial de operações no comando-geral daquela corporação.

Segundo a Guarda Nacional Republicana, na sexta-feira e no sábado, os dois primeiros dias da operação “Carnaval 2020″, ocorreram 418 acidentes, que provocaram um morto, 11 feridos graves e 135 feridos ligeiros.

O oficial de operações no comando-geral da GNR precisou que os dados provisórios são até à meia de noite de sábado, mas ao longo do dia de hoje não se registou qualquer vítima mortal na área de fiscalização desta força de segurança.

A GNR intensificou, na sexta-feira, o patrulhamento e a fiscalização nas estradas portuguesas com objetivo de “combater a sinistralidade rodoviária, regular o trânsito e garantir o apoio a todos os utentes das vias, proporcionando-lhes uma deslocação em segurança” durante o Carnaval.

Durante a operação “Carnaval 2020”, os militares da GNR direcionam as ações de fiscalização para a condução sob a influência do álcool e substâncias psicotrópicas, excesso de velocidade, falta de habilitação legal e manobras perigosas, especialmente no que respeitam a ultrapassagem, mudança de direção e cedência de passagem.

A incorreta ou não utilização do cinto de segurança ou cadeirinhas de crianças e excesso de lotação são outras infrações que estão a ser fiscalizadas nesta operação, que termina na terça-feira.

Câmara de Famalicão / ACIF decidem: Carnaval sem copos de plástico

O carnaval famalicense não terá copos de plástico. A Câmara Municipal de Famalicão, em parceria com a associação comercial e industrial do concelho, querem proteger o ambiente e lançaram uma campanha aos bares e cafés para que não sirvam bebidas em copos de plástico descartáveis.

A grande noite de carnaval acontece de 24 para 25 de fevereiro, de segunda para terça-feira. Pede-se originalidade e criatividade para execução dos fatos, mas a analisar pelas últimas festividades, os foliões não desiludem.

A festa é por conta dos participantes que se juntam em folia no centro da cidade. Os cafés e bares ajudam à animação e a câmara também dá o seu contributo ao propor uma banda e transportes gratuitos. Todas as freguesias serão servidas com autocarros de ida e volta. Há, também, uma redução do preço dos bilhetes de comboio.

Novas matrículas sem ano / mês devem arrancar em março

Em comunicado, o Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT) adianta que do atual modelo de números de matrículas, constituído por dois grupos de dois algarismos e um grupo de duas letras (00-AA-00), “estavam ainda disponíveis para serem atribuídas no início deste ano cerca de 60.220 matrículas”.

“Prevê-se que este modelo, do qual desde 25 de maio de 2005 até agora foram reservadas 5.109.263 matrículas, se esgote no final do próximo mês de fevereiro”, adianta, acrescentando que a nova série de matrículas (com o modelo AA-00-AA) “terá uma utilização previsível de cerca de 45 anos”.

Segundo o IMT, “com o novo formato de número de matrícula passa também a ser utilizado um novo modelo de chapa de matrícula para a generalidade dos veículos, sem a inclusão do ano e mês da primeira matrícula do veículo, sendo também eliminados, em todos os modelos, os traços separadores de grupos de carateres, mantendo-se, no entanto, um espaçamento entre o grupo de carateres”.

“O ano e mês da matrícula são elementos que não fazem parte do número da matrícula dos veículos e não são um elemento relevante para a identificação dos veículos, sendo que Portugal é o único país dos 28 Estados-membros da União Europeia que apresentava estes elementos na respetiva chapa de matrícula”, refere.

Conforme explica, “esta situação era geradora de más interpretações, dado o referido espaço ser utilizado em muitos países para indicar a data de validade do número da matrícula e não o ano e mês do veículo, elementos que nada têm a ver com o número de matrícula”.

Quanto às chapas de matrícula para motociclos, “por analogia com as chapas de matrícula dos automóveis”, é introduzida uma área a azul com a inscrição do símbolo da União Europeia e do símbolo distintivo do país no qual se encontra matriculado (letra “P”), “evitando assim a necessidade da afixação de elemento adicional com esta última informação para efeitos de circulação fora do território nacional”.

O IMT esclarece ainda que “as chapas de matrícula da série atual e das séries precedentes se mantêm válidas, sendo que, “no caso de substituição da chapa de matrícula, os proprietários dos veículos podem optar pela colocação de chapas de matrícula dos modelos da nova série ou do modelo de chapa de matrícula em vigor à data da matrícula do veículo em território nacional”.

Nos termos de um decreto-lei publicado hoje em Diário da República, as novas matrículas vão deixar de referir o mês e ano de registo dos veículos, por não ser “um elemento relevante” para identificação das viaturas e gerar “interpretações incorretas”.

O decreto-lei n.º 2/2020, que altera o Regulamento da Matrícula, o Código da Estrada e o Regulamento da Habilitação Legal para Conduzir, refere que o objetivo é “a harmonização do modelo de chapa de matrícula com o da generalidade dos Estados-membros da União Europeia, que não apresentam referência à data da primeira matrícula do veículo”.

Pretende-se também “harmonizar os modelos das chapas de matrícula dos ciclomotores e motociclos com o dos restantes veículos, no que se refere à inclusão do dístico identificador do Estado-membro de matrícula, previsto no Regulamento (CE) n.º 2411/98 do Conselho, de 03 de novembro de 1998, facilitando a circulação internacional destes veículos”.

Conforme se lê no texto do diploma, a referência ao ano e mês de matrícula nas atuais matrículas emitidas em Portugal “é única na União Europeia”, sendo que “só em Itália é possível indicar o ano da matrícula”.

Os novos modelos agora aprovados “passam a ser obrigatórios para todas as matrículas atribuídas a partir da data em que se esgotar a atual série de números de matrícula, podendo as chapas de matrícula que já se encontram instaladas no parque de veículos em circulação manter-se em uso, sem necessidade de substituição, que poderá, no entanto, ser efetuada pelos proprietários dos veículos caso assim o desejem”.

Most Popular Topics

Editor Picks