Setor têxtil e do vestuário apresenta melhorias mas ainda vive dias de instabilidade

O setor têxtil e do vestuário continua a viver dias de complexidade e instabilidade por causa da covid-19. Segundo dados da ATP – Associação Têxtil e Vestuário de Portugal, as exportações de têxteis e vestuário caíram no mês de julho 8%, em termos homólogos, mas verificou-se uma melhoria face aos meses anteriores, uma vez que em abril caiu 42%, em maio 29% e junho 13%, sempre face aos mesmos meses do ano anterior.

Em contraciclo estão os têxteis-lar que registaram uma subida de 10%. Nesta categoria de produtos encontram-se as máscaras têxteis, que faturaram cerca de 11 milhões de euros.

As exportações de vestuário confecionado em feltros ou falsos tecidos, assim como vestuário confecionado com tecidos com borracha ou impregnados, revestidos ou recobertos com plástico ou outras matérias (de que faz parte o vestuário de proteção em termos médicos) cresceram cerca de 5 milhões de euros neste mês.

A balança comercial dos têxteis e vestuário apresenta um balanço positivo de 567 milhões de euros.