País

Proteção Civil alerta para o risco de incêndios rurais durante o fim de semana

A Proteção Civil alerta a população para o perigo de incêndio rural durante o fim de semana, devido à diminuição da humidade relativa e ao aumento da força do vento, recordando a proibição da realização de queimadas ou fogueiras.

Face à informação disponibilizada pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) sublinha que o “cenário meteorológico” previsto irá traduzir-se num aumento dos índices de risco de incêndio entre sábado e segunda-feira, com condições favoráveis à rápida propagação dos fogos, em especial na região de Lisboa e Vale do Tejo, distritos de Viseu, Aveiro, Guarda, Braga, Vila Real e Bragança, com níveis ‘Elevado’ a ‘Muito Elevado’.

Segundo as previsões do IPMA, a partir de sábado irá registar-se uma “acentuada diminuição da temperatura máxima e mínima”, mas, em paralelo, uma intensificação de vento do quadrante norte acima dos 55 quilómetros por hora no litoral oeste e nas terras altas das regiões centro e sul, com rajadas que podem atingir 85 a 90 quilómetros por hora, com uma diminuição da intensidade do vento a partir da tarde de domingo, mantendo-se a possibilidade de rajadas até 70 quilómetros por hora nas terras altas até segunda-feira.

Perante a manutenção de valores de humidade relativa do ar na ordem de 30% nas regiões do interior, em especial no sábado e no domingo, aumenta o perigo de ocorrência e propagação de incêndios rurais.

A ANPC recorda que, de acordo com as disposições legais em vigor, para os locais onde o índice de risco temporal de incêndio seja superior ao nível ‘Elevado’ não são permitidas queimadas e para os locais com risco ‘Muito Elevado’ é proibida a realização de fogueiras, queimar matos cortados e amontoados, o lançamento de balões com mecha acesa ou qualquer outro tipo de foguetes, fumar ou fazer lume de qualquer tipo nos espaços florestais.

Previous post

Associação dos Transportes Públicos de Mercadorias vai denunciar empresas que não cumpram o contrato coletivo de trabalho

Next post

Apenas 32% dos homens portugueses gozaram licença de paternidade

Cidade Hoje