Português descobre circuito cerebral que prioriza acasalamento ao sono

Um estudo da Universidade do Minho revelou que, na hora de escolher, as moscas-da-fruta preferem acasalar em vez de descansar. Esta decisão deve-se a um circuito neuronal agora identificado pelo cientista Daniel Machado que intensifica a vontade de acasalamento, secundarizando uma das principais necessidades vitais – dormir. A investigação foi desenvolvida em parceria com a Universidade Thomas Jefferson, nos EUA.

O trabalho baseou-se na mosca-da-fruta (Drosophila melanogaster), que tem sido um importante modelo para perceber o funcionamento básico do cérebro humano. “As principais características do sono também estão conservadas neste animal”, explica o cientista do Instituto de Investigação em Ciências da Vida e Saúde (ICVS) da UMinho.

O sono é incompatível com qualquer outro comportamento, podendo ser modulado por diferentes estados motivacionais, quer por necessidade vital, como comer, quer por interesse pessoal, como ir ao cinema. Perante estes dilemas, cabe ao cérebro coordenar o “conflito” entre a “vontade de dormir” e outros comportamentos essenciais ou relevantes.

No seu estudo, Daniel Machado focou-se no “conflito” entre o sono e o acasalamento em moscas-da-fruta, algo que também pode ser observado em seres humanos. O trabalho mostra pela primeira vez que o cérebro da mosca macho ativa “amplificadores” neuronais que priorizam o acasalamento. “Os circuitos cerebrais que coordenam o seu comportamento sexual despertam neurónios que intensificam a importância de acasalar. Este reforço do sinal sexual permite a supressão momentânea da necessidade de dormir, mantendo o macho desperto para cortejar a fêmea”, esclarece o investigador.

Desta descoberta surgiu um modelo inovador que se baseia na amplificação de estímulos para “ajudar” o animal a decidir em situações de conflito entre motivações incompatíveis. No futuro pode contribuir para conceber terapias capazes de atenuar doenças em que diferentes estados motivacionais podem estar descoordenados, como dependência a drogas ou álcool, ansiedade, depressão e distúrbios do sono. Ou simplesmente ajudar a perceber o que motiva as pessoas a abdicarem de dormir a favor de outras atividades. Os contributos da investigação baseada na Drosophila já foram reconhecidos com vários prémios Nobel, incluindo o da Medicina 2017, atribuído aos americanos Michael Young, Michael Rosbash e Jeffrey Hall.

 

Famalicão: Idoso de 90 anos morre na sequência de uma queda enquanto podava

Um idoso, com 90 anos, morreu esta segunda-feira, depois de cair de uma altura de cerca de 3 metros, na Rua do Monte, em Vale São Cosme.

De acordo com fonte do socorro, o homem estaria a podar no momento da queda, tendo ficado inanimado no solo até ser encontrado por um familiar, cerca das 17h30.

Para o local foram acionados os B.V.Famalicenses e a VMER que já nada conseguiram fazer para reverter o estado de saúde do idoso.

O óbito acabou por ser declarado no local.

Famalicão: Casa das Artes estreia “A Bela Adormecida” a 4 e 5 de fevereiro

“A Bela Adormecida” vai acordar, na Casa das Artes, na noite dos dias 4 e 5, no grande auditório, com sessões às 21h30. Esta é a grande abertura da programação de fevereiro, uma estreia nacional, pela associação deste teatro municipal à Temporada Cruzada França-Portugal, projeto desenvolvido pelos dois países, entre fevereiro e outubro deste ano.

A produção deste bailado é da Companhia Illicite – Bayonne e tem coprodução com a Casa das Artes, o Teatro Municipal da Guarda, A Companhia INTRANZYT, e a CCN Malandain Ballet Biarritz. Espetáculo inserido no programa Saison Croisée, com o apoio do Ministério da Cultura Francês e o Ministério da Cultura Português.

A Temporada Portugal-França 2022 é organizada em Portugal pelo Camões, Instituto da Cooperação e da Língua, I.P. – Ministério dos Negócios Estrangeiros, e pelo Gabinete de Estratégia, Planeamento e Avaliação Culturais (GEPAC) – Ministério da Cultura, com o apoio da Presidência do Conselho de Ministros e da Embaixada de Portugal em França.

Entrada: 6 euros. Estudantes, Cartão Quadrilátero Cultural e Seniores (a partir de 65 anos): 3 euros.

Covid-19: Sobe o número de internados (39) no hospital de Famalicão

O hospital de Famalicão tem, atualmente, 39 internados com a covid-19. Há, ainda, mais seis doentes que estão nas urgências, para avaliação aos sintomas que apresentam, podendo o número de internamentos subir nas próximas horas.

O elevado número de casos de covid-19 em Famalicão, de que é exemplo o último relatório da Direção-Geral da Saúde, que regista 6023 casos por 100 mil habitantes, ajuda a explicar este aumento de internamentos, pedindo as autoridades de saúde que a população mantenha todos os cuidados.

Famalicenses vencem pela seleção regional e Mafalda participa em recorde nacional

Quatro nadadores famalicenses – Mafalda Mesquita, Rodrigo Pereira, Tomás Costa e Francisco Silva. -, competiram, no passado fim de semana, pela seleção regional na Taça Vale do Tejo, e ajudaram na conquista do troféu, cinco ano após a última vitória coletiva. Os nadadores famalicenses estiveram ao melhor nível, vencendo provas individuais e coletivas, somando os pontos necessários para se sagrarem os campeões absolutos da competição entre as 12 seleções regionais presentes.

O destaque vai para a estafeta de 4×100 livres, juvenis A, constituída pela famalicense Mafalda Mesquita, Ana Vieira, Bárbara Gomes e Sofia Carvalho que cumpriram a distância em 4:01.08, um novo recorde nacional.

O treinador do GD Natação, Pedro Faia, assinala esta prestação como mais um momento «para a história e para o palmarés do clube, por intermédio de um leque fantástico de atletas que tudo fazem para serem melhores. Penso que estão no caminho certo e estão comprometidos em fazer uns excelentes campeonatos nacionais de categorias já em março».

 

Legislativas: Jorge Paulo Oliveira diz que Governo esqueceu Famalicão em matéria de saúde

Jorge Paulo Oliveira, candidato do PSD às eleições legislativas, defende a necessidade de uma «verdadeira e efetiva transferência de competências do Estado para as autarquias locais» na área dos cuidados de saúde primários. Mas, apela a uma transferência acompanhada de meios financeiros, «o que não se tem verificado», diz.

Por isso, realça a importância da municipalização dos cuidados de saúde, visando «a continuidade dos serviços próximos das populações e a resposta às suas necessidades».

O candidato social-democrata à Assembleia da República pelo círculo eleitoral de Braga garante que «o Município de Famalicão sempre manifestou disponibilidade para assumir competências na área da saúde, sobretudo ao nível da gestão dos equipamentos e do pessoal administrativo, garantindo os cuidados de que a população necessita. Contudo, é por demais evidente o desinteresse e, pior, o desinvestimento do Governo Central».

Jorge Paulo Oliveira dá como exemplo a USF de Requião, que será em breve requalificada e ampliada, mas a Câmara Municipal vai assumir os custos da intervenção com o apoio de fundos comunitários. «Nesta obra não há qualquer financiamento por via do Orçamento do Estado, apenas financiamento comunitário e uma comparticipação de cerca de 15% pelo orçamento municipal, assim como todo o trabalho relacionado com a execução dos projetos e acompanhamento da obra», sublinha o parlamentar.

O social-democrata aponta outros exemplos recentes de investimentos no setor da saúde que avançaram em Famalicão sem apoio do Estado. Destacou as medidas de combate à pandemia, num total superior a sete milhões de euros do orçamento municipal, com a aquisição de equipamentos de proteção individual, a criação de uma urgência temporária no Hospital de Famalicão e o Centro de Vacinação de Vale S. Cosme. Também a Clínica da Mulher e da Criança da unidade de Vila Nova de Famalicão do Centro Hospitalar do Médio Ave (CHMA) resulta de um investimento de 300 mil euros da autarquia e de empresários do concelho.

Lembrando a falta de recursos humanos e outros problemas na área da saúde, o deputado diz que «descentralizar não é só passar para as Câmaras Municipais a gestão dos edifícios; é preciso que as autarquias tenham uma real influência na melhoria dos cuidados de saúde», remata.

Em matéria de saúde, Jorge Paulo Oliveira garante que o PSD, no seu programa eleitoral, entre outras medidas, pugna por um Serviço Nacional de Saúde com médicos de família, consultas e cirurgias para todos e a tempo, valorizando médicos, enfermeiros e auxiliares.