Concelho

Paulo Cunha apresenta contas que ficam «para a história»

A reunião extraordinária para a discussão e aprovação do Relatório de Gestão e respetivos documentos de contas, que vai decorrer ao final da tarde desta terça-feira, 10 de abril, pelas 19 horas, vai aprovar um documento que, na opinião de Paulo Cunha, «ilustra o selo de qualidade que imprimimos na gestão do município».

O presidente da Câmara assume que fechou 2017 e o ciclo autárquico correspondente (2013-2017) «com o claro sentimento de dever superado. Vila Nova de Famalicão cresceu enquanto comunidade, tornou-se um território mais atrativo e desejado, mais desenvolvido e com mais qualidade de vida. 2017 foi o culminar de um ciclo autárquico que fica para a história do concelho».

O autarca destaca como «boa imagem dos anos que integraram o ciclo autárquico», a execução orçamental de 98,6 por cento da receita prevista e de 84,7 por cento da despesa. «O município cumpriu, grosso modo, com o que tinha planeado» e ainda consegue um saldo de gerência de 14,2 milhões.

Para além do cumprimento da estratégia definida e assumida, este resultado permite «elevar a fasquia da autonomia financeira, para uns invejáveis 74,1 por cento». Solidez que é igualmente visível, defende o Município, pela leitura da evolução da dívida a terceiros que, no final do ano, se fixava nos 34,8 milhões, menos 4,9 por cento do que em 2013, aquando o início do mandato que terminou em 2017.

Os números evidenciam, atesta Paulo Cunha, «uma boa e responsável planificação que, sem comprometer as finanças municipais, se materializou em mais qualidade de vida para os famalicenses». O edil refere que foram mantidas e reforçadas as dinâmicas que vinham de anos anteriores, «mas introduzimos novos e ambiciosos programas», dando o exemplo do Famalicão em Forma, a oferta dos manuais escolares ao 2.º ciclo, a criação da Escola de Segurança Rodoviária, do Gabinete de Avaliação e Intervenção de Comportamentos Aditivos e Dependências (GAICAD) e o alargamento do horário da Biblioteca para o período noturno em épocas de exames.

Já o investimento infraestrutural foi feito «com critério e sentido de responsabilidade. Sempre a pensar nas pessoas. Por isso é que as escolas, as estradas, os equipamentos desportivos e as infraestruturas básicas foram o destino da grande fatia do nosso investimento a este nível». Em suma, Paulo Cunha confere que no último mandato «fomos capazes de estar à altura das exigências. Centramos o desenvolvimento do concelho num ciclo de construção imaterial sem precedentes, dando sentido e utilidade aos investimentos realizados ao longo de várias gerações na infraestruturação física do território».

Previous post

FAMALICÃO NÃO CONTA PARA O GOVERNO E RIBA DE AVE É ÚLTIMO

Next post

Famalicão não esquece “ligação forte” a La Lys

Cidade Hoje