Concelho

PALAVRAS PARA QUÊ?

PSD. Vive tempos agitados com a saída de Passos Coelho a quem um dia a história se encarregará de fazer justiça. Com dois candidatos já no terreno para lhe suceder e numa discussão qua apela a uma base ideológica ora mais para o Centro Esquerda ora mais para o Centro Direita, é quase garantido que os habituais exageros venham ao de cima e amplifiquem este alvoroço. Desenganem-se, porém, aqueles que pensam que no final da contenda eleitoral o PSD sairá mais fragilizado. Ensina-nos a história que os grandes partidos saem sempre reforçadas das suas disputas internas. Assim também acontecerá com o PSD.

TRINTA E UM. Demorou porventura demasiado tempo, mas a montanha não pariu um rato.  O despacho de acusação que imputa a prática de 31 crimes ao ex-primeiro-ministro, José Sócrates, carreia o mais decisivo processo judicial da nossa democracia e põe a nu o concubinato criminoso entre o poder político e o poder económico nacional. Nunca o Ministério Público fora tão longe numa investigação criminal.

A procuradora-geral da República, Joana Marques Vidal, nomeada durante o Governo do PSD/CDS-PP, fez o seu trabalho com independência e sem nunca se deixar intimidar. Duvido que o seu antecessor, Pinto Monteiro, fosse capaz deste desafio. Recordo-me bem do seu tempo. O tempo de uma justiça amedrontada onde as escutas eram destruídas e os processos amputados. A procissão ainda vai no adro, mas há uma pergunta que não sai da cabeça dos portugueses. Como é possível que durante o tempo em que José Sócrates chefiou o governo, ninguém tenha visto nada e de nada tenha desconfiado. Num batalhão de Ministros, Secretários de Estado e assessores, muitos deles hoje no governo de António Costa, eram todos assim tão distraídos ou tão pouco espertos?

 

INCÊNDIOS. O Relatório da Comissão Técnica Independente sobre os incêndios de Pedrógão Grande não deixa dúvidas. O Estado falhou nas escolhas, na liderança e na coordenação. Os incêndios até podiam ser inevitáveis, mas a tragédia essa era de todo evitável. As falhas técnicas deveriam por isso determinar responsabilidades políticas. Assim não aconteceu. Quatro meses depois a história repete-se. Mais palavras para quê?

Jorge Paulo Oliveira

(Deputado do PSD na Assembleia da República)

Previous post

CX A2D CONQUISTA SUPERTAÇA DE XADREZ

Next post

FC FAMALICÃO DESCONTENTE COM DATA DO JOGO COM O SPORTING

Imprensa Externa

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *