Ministério Público abre inquéritos para averiguar eventuais crimes no uso indevido das vacinas

O uso indevido das vacinas, por violação das prioridades definidas no plano nacional de vacinação para a Covid-19, está a ser investigado pelo Ministério Público. São, pelo menos, nove casos, entre os quais está a situação verificada no Hospital Narciso Ferreira, em Riba de Ave

O Ministério Público «já decidiu pela instauração de inquéritos relativamente a alguns dos casos vindos a público, desde logo os respeitantes à Segurança Social de Setúbal, ao INEM de Lisboa, ao INEM do Porto e a factos também noticiados ocorridos em Portimão (Centro de Apoio de Idosos) , Vila Nova de Famalicão, Arcos de Valdevez, Bragança, Seixal e Montijo», disse fonte da Procuradoria, citada pela imprensa nacional.

Nos últimos dias foram conhecidos vários casos de alegadas irregularidades no processo de vacinação contra a Covid-19, que desrespeitaram as regras e prioridades definidas no plano de imunização.

O secretário de Estado Adjunto e da Saúde, António Lacerda Sales, disse esta segunda-feira que haverá «tolerância zero» para vacinações indevidas e que o plano de vacinação contemplará listas suplementares para as vacinas sobrantes.