Concelho

Miguel Branco expõe “Cratera” na Ala da Frente

É um dos mais conceituados artistas plásticos da atualidade em Portugal e esteve no passado sábado em Vila Nova de Famalicão para inaugurar a sua nova exposição. Até 18 de maio, Miguel Branco expõe “Cratera” na galeria de arte contemporânea famalicense – Ala da Frente.

A singular atenção que presta à pintura e à escultura confere um carácter intimista às exposições de Miguel Branco, o que atrai os visitantes para uma fruição mais apurada.“Tem uma dedicação particular com o espaço para que o resultado possa ser o mais completo possível e nos leve à contemplação, à visão cuidada de cada uma das obras. Estreitam-se laços de silêncio na nossa observação, a dimensão promove uma concentração delicada, minuciosa, precisa”, explica o curador da Ala da Frente, António Gonçalves.

Sobre a exposição que Miguel Branco tem agora patente em Vila Nova de Famalicão, António Gonçalves explica que o artista plástico “traz mais um singular trabalho de articulação das obras com a sala de exposição, redimensionando-o, tornando-o uma parte complementar à fruição da obra onde poderemos encontrar um conjunto de pinturas em que a “cratera” é o pretexto para ali se refletir e aprofundar a nossa conceção do tempo”.

Nascido em 1963, em Castelo Branco, Miguel Branco tem obras nas coleções do Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian e na Fundação EDP, em Lisboa, na Fundação de Serralves, no Porto, e no Museu de Arte Moderna Grão-Duque Jean (Mudam), no Luxemburgo, entre outras instituições.

Recorde-se que a Galeria Municipal Ala da Frente, assim chamada pelo facto da sala de exposição se encontrar na ala da frente do Palacete Barão da Trovisqueira, e por referência à contemporaneidade e vanguardismo associados ao espaço, foi inaugurada em 30 de maio de 2015, tendo iniciado o seu percurso com uma exposição de obras de Jorge Molder. Seguiu-se Rui Chafes, o vencedor do Prémio Pessoa 2015, com a mostra “Exúvia”, João Queiroz, com “Encaústicas”, José Pedro Croft, com “Prova de Estado”, Pedro Cabrita Reis com “Ridi Pagliaccio”, Pedro Casqueiro com “Desordem Vertical”, Alberto Carneiro com “Árvores e Rios” e “Uma Certa Quantidade” de Jorge Queiroz.

Previous post

Profissionais do CHMA prestam apoio voluntário na noite de carnaval de Famalicão

Next post

18 Toneladas de carne apreendidas em Famalicão

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *