Maria Leal promete animar o Carnaval de Fradelos esta terça à noite

A tradição ancestral da “Queima do Galheiro” na freguesia de Fradelos, em Vila Nova de Famalicão, foi reconhecida como uma ação turística do Minho, no âmbito do programa Minho Inovação. A iniciativa popular, que surge como uma tradição pagã identitária local, consistindo essencialmente na queima de um enorme pilha de mato e silvas em redor de um tronco de pinheiro – galheiro – assinalando inícios e fins de ciclos religiosos e das colheitas, tem atraído cada vez mais turistas e curiosos a Fradelos.

A “Queima do Galheiro na aldeia de Fradelos – Vila Nova de Famalicão” é agora um projeto do Município de Vila Nova de Famalicão em concertação com a Associação Juvenil Koklus e outras entidades locais, que pretendem elevar esta festividade popular que ocorre anualmente no Carnaval. Com este projeto pretende-se assim, por um lado registar documentalmente o evento neste primeiro ano e devolvê-lo como evento de dinamização e valorização na edição seguinte. Pretende-se ainda potenciar uma nova vivência da iniciativa, através de criações artísticas que tragam um novo olhar sobre este património intangível.

Para além de uma divulgação mais abrangente e criativa do projeto, a ação contará com um espetáculo performativo de artes de rua, protagonizado pelo INAC (Instituto Nacional de Artes Circenses)e por uma criação cine-documental e musical para apresentar no Carnaval de 2021. O programa de animação conta ainda com um desfile de Carnaval.

No que diz respeitos às Queimas, participam, este ano, os lugares de Quinta/Sapugal e da Povoação. Ao longo do dia, e nos dias anteriores, a população sai à rua amontoando os restos das sementeiras, os galhos velhos das árvores e o silvado, no topo coloca-se um boneco a quem se chama entrudo e pega-se fogo. Os galheiros chegam a atingir os 15 metros de altura. A Queima do Galheiro assinala, assim, o final das festividades carnavalescas e o início da quaresma pascal.

No lugar de Quinta/Saputal a atração da grande noite da queima do galheiro conta com a animação de Maria Leal.

https://www.facebook.com/2318946251457485/videos/485538262323277/?__xts__%5B0%5D=68.ARDUfGEWCEb79QePkARPGzT6X75QkNFhfhDI-UmghfNdq8oDEqho1-2k8Q-zF7_K2ykzYY67hrhzaEC0XDZ1R08Ip_IYAbJx3Y94rZXrLr6lyAFbSQssCcT3eGlRmK0yHZBG8Ku5k60r6l_R7y74TZ44RFbMigQJmfDoHARYuB5Fy88nYXk3yGrcLvtrV8gu9Ue1tI9sKX2spEU7cHmDF0BJoQAw7hfWxYOBZKQZ5E-dO3j12dR3De3-awW–zRzl4YhcUn5tSDkx2ZDKz7k6iwIvmkj31kvhhEj0GLBw2F7wXk3JwlNumhaPFr3_JuAN-TopVoU-BOeQBdaPpy9eq_aUnzjQ3MhQ2Y8Hq7Y&__tn__=-R

Refira-se que a iniciativa Minho Inovação é dinamizada pelas Comunidades Intermunicipais do Alto Minho, Cávado e Ave, no âmbito do Programa de Valorização Económica de Recursos Endógenos, Estratégia de Eficiência Coletiva, cofinanciada pelo Norte 2020, através do FEDER.

No total a “Queima do Galheiro na aldeia de Fradelos” implica um investimento total de 30.752 euros, contando com um financiamento de 23. 439 euros. O projeto decorre desde outubro de 2019 até março de 2021.

Noutros tempos, a queima repetia-se em diversos lugares da freguesia, quase num despique, para ver quem queimava o maior “Galheiro”. Hoje são menos os participantes, mas a alma da tradição mantém-se viva.