Maior terminal rodoferroviário da Península Ibérica abre no próximo ano em Lousado

Vila Nova de Famalicão vai receber um investimento de 35 milhões de euros com a construção de um terminal rodoferroviário em Lousado, «um grande investimento para o país que resulta do arrojo da empresa Medway e da perseverança da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão», elogiou o ministro do Planeamento e Infraestruturas. A declaração de Pedro Marques aconteceu esta quarta-feira, durante assinatura do protocolo entre a Medway, empresa líder no transporte ferroviário de mercadorias em Portugal, a Câmara Municipal de Famalicão e a IP – Infraestruturas de Portugal.

O maior terminal rodoferroviário da Península Ibérica, vai nascer na freguesia de Lousado, em 2020, e vai servir um dos maiores aglomerados industriais do país com grande capacidade exportadora. Este investimento «vai fortalecer, ainda mais, esta região fortíssima do ponto de vista económico e industrial e este concelho que é um dos mais exportadores do país», assinalou o Ministro.

Este novo terminal, que vai servir os portos de Leixões e Sines, vem dar resposta ao aumento da capacidade de movimentação de contentores no Norte do País. O presidente do Conselho de Administração da Medway, Carlos Vasconcelos, afirmou na sessão que decorreu nos Paços do Concelho, que com este investimento a empresa pretende «ir ao encontro da indústria exportadora do concelho, respondendo a uma necessidade logística de toda a região, trazendo o mar de Leixões e Sines até Famalicão».
O terminal que vai ser construído é de última geração, com a tecnologia mais avançada e que se igualará aos mais modernos do mundo «facilitando as exportações e importações, contribuindo, assim, para a economia e o emprego da região», referiu Carlos Vasconcelos.

O terminal, com uma área de 200,000 m2, terá 6 linhas de 750m e uma capacidade para parqueamento de 10.000 TEU (unidade equivalente a 20 Pés, medida-padrão utilizada para calcular o volume de um contentor) , o que equivale a mais de 500.000 movimentos por ano. Para operacionalizar este terminal estima-se a criação de mais de 100 postos de trabalho, diretos e indiretos. A construção iniciar-se-á logo que o projeto obtenha as necessárias licenças, prevendo-se a sua conclusão dentro de um ano.

O facto de Vila Nova de Famalicão ser um concelho com um elevado volume de exportação e importação e com um enorme potencial de crescimento, não só pela sua localização geográfica, mas também pela concentração empresarial, foi fundamental para a implementação deste projeto. Nesse sentido, o presidente da Câmara Municipal de Famalicão, Paulo Cunha, salientou que este é um investimento «muito promissor para o futuro do concelho» e que o facto de Famalicão ter sido objeto da escolha da Medway mostra, a seu ver, «uma avaliação positiva do que o território tem feito. Não fosse a dinâmica deste território e este investimento não seria aqui feito. Os ganhos são enormes. Estou certo que são várias décadas de potencial investimento que gera em Famalicão e em toda a região Norte». Paulo Cunha concluiu que este terminal não só vai permitir aumentar a competitividade das empresas da região, «como vai ser responsável por um número muito interessante de novos investimentos no concelho nas próximas décadas».