Há paróquias tecnicamente insolventes, alerta presidente da Conferência Episcopal

O presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) alertou esta quinta-feira para o agravamento da crise pandémica e as consequências do confinamento nas paróquias.

D. José Ornelas, no final da 200.ª assembleia plenária dos bispos católicos, revelou que há paróquias tecnicamente insolventes, em consequência da redução drástica das dádivas dos fiéis. «Não é simplesmente o dinheiro que as pessoas dão, mas as celebrações são também uma ocasião de partilha muito grande», disse.

E se algumas paróquias não fecham é porque «as dioceses partilham solidariamente as dificuldades», relevou D. José Ornelas que relatou situações de dificuldades para garantir a remuneração do pároco.

Sobre o fim das moratórias bancárias, o presidente da CEP declarou-se preocupado com o futuro, mas também com o presente, assinalando um acréscimo «muito grande» de pedidos de auxílio, para pagamento de faturas de água, luz e rendas.

«Se já neste momento a situação é grave em muitos setores, isso, certamente, não vai melhorar no futuro», antecipou, reconhecendo que «os contributos das famílias para esta solidariedade também são menores».

Neste encontro, que decorreu em Fátima, os bispos pediram uma maior comparticipação financeira do Ministério da Saúde nas instituições sociais. De acordo com a CEP, a Igreja pondera equacionar a realização de algumas festas religiosas no verão.

(Foto arquivo)