Concelho

Gabriel Couto vai construir fábrica da LAUAK em Grândola

A LAUAK, multinacional francesa que opera no sector da produção de componentes para a indústria aeronáutica, adjudicou à Gabriel Couto a construção da sua nova unidade fabril, a nascer em Grândola, distrito de Setúbal.
Segundo a Gabriel Couto, trata-se “indiscutivelmente de um investimento da maior importância para a economia da região e que se vem juntar a uma extensa lista de clientes e projectos na área industrial de elevada exigência técnica, recentemente adjudicados à Gabriel Couto, tais como a Raclac em Vila Nova de Famalicão, da Navigator em Cacia, da Sakthi em Águeda, da Torrestir em Matosinhos, ou mais recentemente da Efacec na Maia.
“Este é mais um desafio a ser alcançado num prazo muito exigente, o que revela a confiança que este tipo de empresas e grupos multinacionais têm vindo a depositar na competência apresentada pela nossa empresa”, recorda Carlos Couto, CEO do Grupo.
O investimento, inicialmente previsto de 25 milhões de euros, foi incrementado em 30 por cento, passando a atingir um valor global que rondará os 32 milhões de euros, após o êxito alcançado nas negociações com a Airbus que entregou à multinacional francesa a produção de um número muito maior de componentes, explica a construtora em nota de imprensa.
Por este motivo, a LAUAK de Grândola vai ter três linhas autónomas de produção e irá produzir peças destinadas ao avião A320 da Airbus e, num futuro próximo, também fornecerá componentes para os modelos A350 e Falcon.
“Na primeira fase há que proceder à remoção de terras e, logo depois, na segunda fase vamos começar a construir de formar a permitir que em Outubro a nave principal esteja terminada, para se iniciar a instalação das máquinas. Assim, no início do próximo ano poderemos começar a produção”, refere o Diretor-Geral da LAUAK Portugal, Armando Gomes.
A Gabriel Couto refere que, sendo um processo de Concepção/Construção, confiou no gabinete J.A. Arquitectos a elaboração do “desafiante e exigente projeto, onde se pode observar o respeito pelo programa funcional definido pela LAUAK, associado a uma linguagem plástica de elevada qualidade, indo assim ao encontro dos desejos de quem é um dos principais players neste mercado exigente e altamente competitivo”.
A nova unidade será composta pelo edifício fabril principal, o edifício administrativo e um edifício social de apoio, estando interligados e respeitando os mais rigorosos preceitos na sustentabilidade e na economia dos recursos energéticos.
O projeto encontra-se dividido em 2 fases e irá ocupar um lote de terreno com uma área total de 41.000 m2, contemplando uma área bruta de construção total final de 22.800 m2. Prevê-se uma primeira fase em que a fabrica terá 12.000 m2, sendo mais tarde completada com mais 10.800 m2, uma vez que esta área da indústria aeronáutica atravessa um momento de grande fulgor, razão pela qual novos negócios com as principais marcas de aviões e grupos multinacionais se perfilam num futuro próximo.
Precavendo-se desde já dos necessários recursos humanos, a empresa deu início ao processo de recrutamento para a formação de trabalhadores nas mais diversas áreas, que irá decorrer ao longo do presente ano. “São formações que vão demorar entre seis meses e um ano”, adiantou Armando Gomes, Diretor Geral da LAUAK Portugal, indicando que o processo de formação em “Tratamento de Metais, Montagem de Estruturas e Compósitos”, que atribui uma qualificação de nível IV, vai decorrer em Grândola, Évora e Setúbal. O mesmo responsável prevê a criação de emprego para mais de duzentas pessoas, num espaço temporal de dois anos.
O Presidente da Câmara Municipal de Grândola, António Figueira Mendes, considerou que esta nova unidade da multinacional LAUAK “vai alterar o paradigma de desenvolvimento” no concelho e vai “ter impacto regional positivo” ao nível da criação de emprego.
Para Carlos Couto, “a Gabriel Couto mantém-se focada na inovação e na excelência, já que continua a apostar na vanguarda com a engenharia como motor de inovação e desenvolvimento, e vê, com este tipo de empreitadas, o seu portfólio de obras no mercado nacional reforçado nesta área de grandes projetos e polos industriais”.
Previous post

Entrevista a Armindo Araújo

Next post

Famalicão assinala este domingo o Dia Internacional da Família

Cidade Hoje