Concelho

Funcionários judiciais de Braga fizeram “funeral” à Justiça

Os funcionários judiciais da Comarca de Braga encenaram esta quarta-feira o “funeral” da Justiça, com um velório e um cortejo fúnebre na praça fronteira ao Tribunal Judicial daquela cidade.

Manuel Sousa, coordenador regional do Porto do Sindicato dos Funcionários Judiciais, explicou à Lusa que se trata de “um grito de alerta” para o estado da Justiça em Portugal.

“A Justiça está quase morta, moribunda, e por este caminho o funeral não tarda”, referiu.

Os manifestantes depositaram um caixão à porta do Tribunal Judicial de Braga e alguns ajoelharam, para, simbolicamente, “rezar pela alma da defunta”.

Seguiu-se um “cortejo fúnebre” pela praça fronteira ao tribunal.

A iniciativa partiu dos funcionários judiciais do Tribunal de Braga e insere-se no âmbito das greves que aqueles profissionais têm vindo a promover, por causa de matérias relacionadas com estatuto profissional, tabela remuneratória, ingresso na carreira, promoções e regime de aposentação.

Estes trabalhadores exigem também a recomposição das carreiras com a contagem dos nove anos, quatro meses e dois dias de tempo de serviço congelada por imposições orçamentais.

Hoje, cerca de 300 funcionários judiciais da Comarca de Braga concentraram-se frente ao “tribunal sede”, numa manifestação que, além do caixão, contou ainda com bombos, gaitas e música de intervenção.

Os manifestantes envergavam t-shirts pretas, com a frase “Justiça para quem nela trabalha”.

“É uma greve que nos sai dos bolsos, mas não nos resta outra alternativa”, disse ainda Manuel Sousa.

Adiantou que está marcada para quinta-feira uma reunião no Ministério da Justiça, para discutir com a tutela alguns dos pontos reivindicados pelos funcionários judiciais.

“Veremos o que têm para nos dizer”, rematou Manuel Sousa.

Previous post

Donos de um estabelecimento comercial em Barcelos terão simulado furto de máquina de tabaco

Next post

Edição de 22 de Novembro de 2018

Cidade Hoje