Famalicenses sem reações graves após toma da vacina contra a covid-19

O ACES (Agrupamento de Centros de Saúde) confirma que os utentes têm reagido bem à toma da vacina contra a covid-19. O diretor do ACES, Sá Machado, confirma algumas reações, mas adianta que são expectáveis e perfeitamente controláveis. «E, às vezes, a idade não quer dizer tudo», descreve. Significa que uma pessoa com 50 anos pode ter reações e um idoso com mais de 90 anos não sentir nada.

O diretor do ACES revela que há pessoas de idade avançada que recusam a vacina, o que estão no seu direito; no oposto, alguns idosos mostram ansiedade pela toma da vacina.

No entanto, Sá Machado assegura que haverá vacinas para todos, só «que não com a cadência que desejávamos», ou seja, as vacinas estão a chegar, semana a semana, e o planeamento está a ser feito. Um dos grupos são os idosos com mais de 80 anos, para a vacina da Pfizer; outro grupo são as pessoas entre 50 e 65 anos e com doenças, que recebem a vacina da Astrazeneca. Esta vacina não está a ser administrada a pessoas com mais de 65 anos.

Por isso, é que pessoas com menos de 65 anos já receberam a vacina e outros com mais de 90 anos ainda não. Porque são vacinas diferentes.

Contudo, espera Sá Machado, se o ritmo da entrega de vacinas acontecer conforme o previsto, a grande maioria dos idosos (mais de 80 anos) e as pessoas entre 50 e 65 anos com doenças graves estarão vacinadas até final de março.

O diretor do ACES deixa uma mensagem: haverá vacinas para todos mas nem todos podem ser vacinados numa semana. Há um planeamento e as pessoas serão contactadas. Logo, o número de vacinados depende da quantidade de vacinas que chegam. Esta semana são 1200, na próxima semana podem ser 1500 ou menos. O ACES não sabe e, por isso, não pode fazer previsões. «Estamos a fazer o nosso caminho e bem feito, com uma rede de profissionais com um trabalho muito positivo», avança Sá Machado.