Famalicense que assaltava residências no Minho em 2017/2018 começou a ser julgado

É famalicense um dos membros do gangue que está a ser julgado no Tribunal de Braga por suspeitas de assaltos a residências e a uma agência do banco Santander.

O gangue tem dez arguidos. Nove são homens e estão pronunciados pelos crimes de associação criminosa e furto qualificado. A mulher é acusada de furto qualificado.

Um dos membros do gangue é Paulo Pereira, de Famalicão, que é irmão de outro arguido, Vítor Pereira, que reside em Vila do Conde. Os outros arguidos são de Braga e há um de Ponte de Lima, que é agente PSP, e quem alegadamente dava informações, a troco de dinheiro, sobre as casas a assaltar.

O gangue terá estado ativo entre 2017 e 2018. É suspeito de assaltos a várias residências no Minho, mas não estão mencionadas casas de Famalicão. Terá sido também este grupo que retirou 4,2 milhões de euros em dinheiro de 52 cofres do banco Santander, em Braga.

São suspeitos de utilizar recursos tecnológicos sofisticados, como inibidores de telecomunicações, de alarmes, e até para neutralizar cães.

Entretanto, o banco indemnizou a maioria dos 43 donos de cofres que foram assaltados, numa dependência em Braga, em junho de 2018.