Famalicão: Santa Casa da Misericórdia de Riba de Ave quer fundos da “bazuca” para criar Centro de Formação em Saúde

A Santa Casa da Misericórdia de Riba de Ave vai candidatar-se a financiamento da chamada “bazuca” europeia para criar na vila um centro de formação em saúde, com o objetivo de contribuir para a formação de novos profissionais em áreas ainda não cobertas pela oferta formativa atual, nomeadamente na área hospitalar e nos cuidados continuados, passando pela atualização das competências de pessoas ligadas à ação médica e de enfermagem, auxiliares, cozinha, limpeza e logística.

A informação foi avançada pelo administrador-delegado da instituição hospitalar, Salazar Coimbra, durante o colóquio que a Concelhia do PS Famalicão levou a cabo, na passada quarta-feira, para debater o contributo do Terceiro Sector para a recuperação e a sustentabilidade social do país.

Na altura, Ana Mendes Godinho, que é Ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, mas que falava no colóquio na qualidade de dirigente socialista, disse que as instituições do sector social têm no Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) uma «extraordinária oportunidade para continuar a reinventar as suas respostas».

Sobre o projeto da Santa Casa da Misericórdia de Riba de Ave, Ana Mendes Godinho considerou a ideia «interessantíssima». Na sua perspetiva: «permite requalificar e capacitar quem trabalha nas vossas instituições e formar para novas funções, para que não voltemos a ser surpreendidos, como quando tivemos o primeiro surto de covid num lar, aqui em Famalicão. Agora, há que acelerar a execução. Acelerar é a palavra, porque me parece que o projeto se encaixa perfeitamente no programa Valorizar Social».

Salazar Coimbra, que estava acompanhado pelo provedor da Santa Casa da Misericórdia de Riba de Ave, Fernando Guedes, adiantou que a instituição está também a «pensar nos cuidadores informais, dada a expressão cada vez maior que esta realidade atinge na sociedade portuguesa e as suas necessidades de informação e capacitação».

Este foi o primeiro de cinco colóquios designado genericamente por “Famalicão 2030 – Cinco aceleradores de desenvolvimento”, que decorreu no espaço exterior da Casa do Território, por iniciativa da Concelhia de Famalicão do Partido Socialista.