Famalicão: Presidente de Câmara recebeu vendedores ambulantes e prometeu-lhes ajuda

Um grupo de vendedores ambulantes, impedidos de exercer a sua atividade por força do Estado de Emergência, manifestou-se, esta segunda-feira, frente à Câmara Municipal de Famalicão naquele que foi um «grito» de ajuda. Sem festas não podem exercer as suas atividades e sentem que ninguém «os vê».

O presidente da Câmara, Paulo Cunha, recebeu-os e mostrou-se «sensível e recetivo» para os problemas que apresentam. «Logo que haja decisões de âmbito nacional, este grupo de trabalhadores vai reunir comigo, para definir um procedimento acerca de como vamos fazer para que em Famalicão possamos ter divertimentos, tasquinhas, farturas e tudo o que carateriza este tipo de atividades», afirmou.

O autarca reconheceu que os vendedores vivem «dificuldades especiais» que resultam do cancelamento total das atividades festivas e do facto de serem itinerantes, ou seja, atuarem por todos os concelhos do país e não estarem concentrados num local. «Portanto, há uma grande dificuldade em situar estas entidades e de criar um conjunto de apoios que as contemple».

Paulo Cunha lembra que, apesar de não haver Marchas (canceladas porque implicam meses de ensaios e não havia condições sanitárias), a previsão é que haja Festas Antoninas com algumas atividades. «Oxalá, haja um quadro sanitário favorável para termos um conjunto de outras ações no contexto das Festas Antoninas», anuncia o edil.