Concelho

Famalicão não quer esquecer Lino Lima

No colóquio de encerramento das comemorações do centenário de nascimento de Lino Lima, que decorreram durante um ano, Paulo Cunha frisou que «todo o trabalho que fizermos de dignificação da nossa história nunca estará concluído».

Esta declaração, proferida esta tarde, no salão nobre da Assembleia Municipal de Vila Nova de Famalicão, nos Paços do Concelho, prova que o município vai continuar a evidenciar a marca histórica deste advogado famalicense e destacado membro da Oposição Democrática à ditadura do Estado Novo. Neste sentido, o presidente da Câmara Municipal anunciou o lançamento de uma obra evocativa da vida de Lino Lima, com dezenas de depoimentos de familiares e amigos «desta ilustre personalidade famalicense que foi uma das que mais contribuiu para a instauração e construção da nossa ainda jovem democracia».

No colóquio – “Uma Vida pela Liberdade: Lino Lima (1917/2017)” – participaram o historiador e coordenador das comemorações, Artur Sá da Costa, o historiador João Madeira, o escritor José Manuel Mendes, o advogado Salvador Coutinho e o membro da Comissão Política Nacional do Partido Comunista Português, Gonçalo Oliveira.

Sá da Costa fez um balanço positivo das comemorações promovidas ao longo do último ano pela Câmara Municipal em associação com a Direção da Organização Regional de Braga do PCP e fez votos que a homenagem a Lino Lima se projete para lá do contexto local e regional. Gonçalo Oliveira elogiou a iniciativa que, a seu ver, transporta para a atual fase da vida política a mensagem de que importa continuar a lutar para defender os valores de Abril.

Previous post

Braga vai ter uma espécie de "Altice Arena"

Next post

Porminho quer faturar 60 milhões em 2020

Imprensa Externa