Famalicão: Início das obras na Quinta e Casa dos Caseiros de Camilo Castelo Branco

A Câmara Municipal de Famalicão deu início, na passada segunda-feira, às obras de renovação e restauro da Quinta e da Casa dos Caseiros da Casa de Camilo Castelo Branco.

Com um investimento de cerca de 320 mil euros e o prazo de execução de um ano, a empreitada insere-se na candidatura «Rota Camilo: Valorização da Casa-Museu e Cemitério da Lapa», recentemente aprovada no âmbito do programa operacional Norte 2020, sendo cofinanciada através Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER).

«Trata-se de uma obra de enorme relevância e que espelha bem a aposta cultural do município na preservação e valorização do património camiliano. Um trabalho incessante e apaixonante que tem atravessado gerações, motivado pelo valor da obra de Camilo Castelo Branco e pelo interesse que sempre suscitou a sua atribulada existência», afirma o presidente da Câmara Municipal, Paulo Cunha.

A obra diz respeito à remodelação, ampliação e arranjos exteriores da Casa de Camilo. «É uma obra de arquitetura que vai valorizar ainda mais este lugar da vida e da ficção camilianas. O restauro da casa dos caseiros e a renovação da quinta permitirá, não só oferecer aos visitantes um cenário tão semelhante quanto o que Camilo experienciou, mas permitir que com essas novas infraestruturas possamos diversificar ainda mais a oferta pedagógica, cultural e científica da instituição para o melhor conhecimento da vida e da produção literária do escritor, além do período histórico em que viveu», sublinha Paulo Cunha.

Recorde-se que Camilo Castelo Branco residiu na casa de Seide cerca de 26 anos, entre o inverno de 1863 e a data da sua morte, a 1 de junho de 1890, e aqui grande parte da sua obra literária.

Para além deste projeto agora em curso, a candidatura apresentada em conjunto com a Venerável Irmandade da Lapa, no Porto, prevê ainda a qualificação do Cemitério da Lapa, um monumento de interesse público, onde se encontra o jazigo que guarda os restos mortais de Camilo Castelo Branco. A Câmara Municipal viu ainda aprovada ao Norte 2020 a candidatura «Rota Camilo: Qualificação e Divulgação Territorial». No conjunto, a autarquia famalicense irá beneficiar de um investimento de mais de 700 mil euros, contando com uma comparticipação FEDER de cerca de 500 mil euros. Os projetos envolvem, para além do município, um conjunto de instituições parceiras, com ligações importantes à memória camiliana.

 

Neno homenageado pelo Vitória S.C. no dia em que completaria 60 anos

Neno foi homenageado na noite desta quinta-feira, dia em que completaria 60 anos, pelo seu clube de coração, o Vitória S.C..

O mural, que ao longo das últimas semanas foi sendo desenhado, foi inaugurado nesta data.

 

Em comunicado, o clube explica que a obra é “da autoria do artista visual Guel Do It, que já executou os grafitis no interior do D. Afonso Henriques, com objetivo de perpetuar a imagem de Neno, mas também o enorme simbolismo da sua ligação ao Vitória e à cidade de Guimarães”.

Famalicão: Didáxis recebeu o prémio do concurso de fotografia promovido pela Águas do Norte

A turma do 12º ano do Curso de Geriatria da Didáxis de Riba de Ave, vencedora do concurso de fotografia promovido pela Águas do Norte, recebeu, esta quarta-feira, o prémio no valor de 200 euros. Na cerimónia estiveram Fernanda Lacerda, administradora das Águas do Norte, e os vereadores da Câmara Municipal de Famalicão Augusto Lima (Educação) e Hélder Pereira (Ambiente) que elogiaram o trabalhos dos alunos e incentivaram a comunidade educativa a participar em iniciativas como esta.

«Há da nossa parte toda a disponibilidade para apoiar estes desafios, que enriquecem as competências dos alunos, sobretudo no que diz respeito a uma cidadania ativa e interventiva», afirmou Augusto Lima, secundado por Hélder Pereira, que referiu «que é na escola e pela educação que também começa a sustentação ambiental e é pelo exemplo que damos hoje que teremos um amanhã melhor».
Augusto Lima passou parte do dia em visita à Didáxis, em contato com os alunos e professores, tomando conhecimento dos vários projetos educativos em desenvolvimento neste estabelecimento de ensino. «Há aqui um conjunto de projetos em andamento, nos diferentes níveis de ensino, baseados num ensino e aprendizagens de enorme qualidade, ferramentas importantes para o conhecimento dos jovens»,elogiou o vereador.

Foi esta a fotografia da Didáxis vencedora do prémio, sendo eleita entre as 221 fotografias de alunos do Ensino Secundário dos 66 concelhos da área de gestão da Águas do Norte, responsável pela exploração e gestão do sistema multimunicipal de abastecimento de água e de saneamento do Norte de Portugal.

Famalicão: Obras a mais levam a mais custos e alargamento do prazo na Central de Camionagem

São necessários trabalhos a mais e prolongamento do prazo no caso da obra da Estação Rodoviária de Passageiros, mais conhecida como Central de Camionagem. As obras a mais têm o valor de 460.529,31 euros, mais IVA, que representa 16,9% do valor total da empreitada, que foi adjudicada por mais de dois milhões de euros (2.719 mil euros), à empresa Costeira – Engenharia e Construção SA.

O alargamento do prazo de conclusão da obra, por força destes trabalhos a mais, é de 120 dias.

Há uma série de trabalhos a mais, considerados necessários para a boa execução da obra, e que dizem respeito a canalizações, águas pluviais, pala de passageiros, pavimentos, etc.

O presidente da Câmara Municipal de Famalicão, Mário Passos, diz que não gosta de obras que derrapem, pelos custos e atrasos. Diz que já reuniu com os gabinetes de especialidades que trabalharam o projeto, para perceber o que era pedido. A conclusão é que tudo tem a ver «com a tipologia da obra. Em obras de reabilitação são muito difíceis de antecipar os trabalhos necessários; quando se começa a mexer é que começam a aparecer os problemas. Dois exemplos: as canalizações e a eletricidade», analisa o presidente da Câmara, no final da reunião do executivo desta quinta-feira. Acrescenta que «não gostava que acontecesse, mas havendo trabalhos a mais é preciso pagá-los», adverte.

Quanto aos atrasos na conclusão dos trabalhos, Mário Passos diz que devem-se a mais obras e, também, à falta de matéria-prima e de trabalhadores para a área da construção civil. «Os atrasos acontecem em Famalicão e em Portugal inteiro, não há nenhuma obra que neste momento possa ser cumprida no prazo», conclui o autarca.

Famalicão: Câmara Municipal avança com limpeza de áreas industriais e terrenos florestais

Na defesa de pessoas e bens face aos incêndios florestais, a Câmara Municipal vai proceder a operações de silvicultura preventiva com intervenções em faixas com uma largura máxima de 10 metros confinantes com estradas municipais, caminhos municipais ou rede viária florestal. Iguais ações decorrem em faixas com uma largura máxima de 100 metros nos terrenos florestais confinantes com as áreas de acolhimento empresarial, de forma a criar uma descontinuidade (vertical e horizontal) dos combustíveis florestais (material vegetal e lenhoso).

Estas ações vão decorrer em diversas freguesias, nomeadamente, Fradelos, Ribeirão, Lousado, Vilarinho das Cambas, Brufe, UF Vila Nova de Famalicão e Calendário, UF Esmeriz e Cabeçudos, UF Avidos e Lagoa, UF Gondifelos, Cavalões e Outiz, Louro, UF Lemenhe, Mouquim e Jesufrei, UF Vale S. Cosme, Telhado e Portela, Requião, Cruz, Vale S. Martinho, Nine, Vermoim, Joane e Pousada de Saramagos.

Os proprietários dos terrenos florestais abrangidos nestas ações que necessitem de mais esclarecimentos, podem contactar o Gabinete Técnico Florestal, na Avenida 25 de Abril, n.º 622, em Famalicão, ou pelo telefone 252 317 336.

Famalicão: CITEVE é o mais recente membro do Pacto para a Gestão da Água

O CITEVE – Centro Tecnológico Têxtil e Vestuário aderiu ao “Pacto para Gestão da Água”, criado pela Católica Lisbon School of Business & Economics, tendo como prioridade uma maior consciencialização, conhecimento e disseminação de boas práticas para tornar a gestão dos recursos hídricos mais eficiente e prevenir os riscos associados à gestão da água.

A adesão do Centro Tecnológico é mais um passo na concretização do seu compromisso «com uma estratégia de crescimento assente no desenvolvimento sustentável». O CITEVE, segundo Braz Costa, encara este desenvolvimento na vertente económica, social e ambiental, «pelo que assinamos este pacto com a certeza de que será um forte contributo para um crescimento ancorado nos valores de inovação e competência indispensáveis para superar os desafios futuros da nossa indústria», garante o diretor-geral do CITEVE.

Na Indústria Têxtil e do Vestuário a água é um recurso essencial, dada a elevada quantidade que é utilizada, pelo que «é fundamental garantir uma gestão eficaz, através de medidas de mitigação no contexto das alterações climáticas, tais como redução e reutilização. O nosso objetivo ao assinar este pacto é desenvolver uma estratégia integrada no setor que promova as melhores práticas», acrescenta Ana Tavares, coordenadora da Agenda Estratégica para a Economia Sustentável, Bio e Circular do CITEVE.

O “Pacto para Gestão da Água” surgiu no âmbito do “Water Summit”, em junho de 2020, pelo Center for Responsible Business & Leadership da Católica-Lisbon, com o propósito de proporcionar aos participantes um entendimento sobre os desafios associados à utilização da água para o mundo dos negócios, numa lógica integrada e ao longo das cadeias de valor.

Nuno Moreira da Cruz, diretor executivo do Center for Responsible Business & Leadership, vê no CITEVE «um excelente parceiro para a prossecução deste objetivo, pela sua capacitação técnica e relevância de atuação num dos setores mais relevantes do tecido industrial português».