Famalicão: Hortas Urbanas mudam de local e abrem novo corredor verde na cidade

O CeNTI – Centro de Nanotecnologia e Materiais Técnicos, Funcionais e Inteligentes, um instituto de inovação e investigação de importância estratégica nacional, vai ter instalações próprias e definitivas, a construir pelo CITEVE, com o prolongamento do seu edifício que se estenderá até às atuais hortas urbanas do Parque da Devesa que vão para um novo espaço.

Será junto à Avenida dos Descobrimentos, no leito do rio Pelhe, perto do Hospital de Dia da Trofa e ao campo da Feira de Famalicão. Vai ocupar uma área total superior a 21 mil metros quadrados (as atuais estavam numa zona com 11,7 mil metros quadrados) que inclui a criação de uma zona pedonal ribeirinha de utilização pública, entre a Av. Rebelo Mesquita e a Av. dos Descobrimentos.

Este prolongamento do canal verde da cidade para sul, através da valorização do Pelhe, assume o Município, dá sequência à intervenção que está a ser feita na Praça Mouzinho de Albuquerque onde está em curso uma obra de reabilitação urbana que prevê aí também a valorização da margem ribeirinha.

Numa carta dirigida esta segunda-feira aos hortelãos, Paulo Cunha informa-os individualmente do facto da autarquia não poder ficar insensível «à necessidade de expansão de instituições como o CITEVE e o CeNTI, que muito contribuem para a nossa dinâmica concelhia, responsáveis pelo sucesso de muitos projetos têxteis e diretamente relacionados com a criação de emprego na nossa comunidade». Pede, por isso, «compreensão, deixando-lhes a garantia de que todos quantos têm o seu talhão terão direito assegurado a novo talhão em idênticas condições ao atual» e que «os serviços municipais prestarão toda a ajuda necessária para que se proceda à deslocação de construções e à rápida instalação no novo espaço», esclarece o presidente da Câmara Municipal.

A Câmara Municipal garantiu a execução do projeto – expansão do CITEVE e CeNTI – ao aceitar reverter uma área de cerca de 9 mil metros quadrados, de que tinha direito de superfície por um período de 51 anos, mas que são propriedade do CITEVE. Esta área de terreno que vai ser devolvida ao proprietário – corresponde à instalação das hortas urbanas – faz parte de uma área total de cerca de 51 mil metros quadrados que são do CITEVE e que são parte integrante do Parque da Devesa pelo mesmo contrato de cedência feita ao município em 2009 e que agora, ao abrigo deste novo acordo, vai ser prolongado para um período de 100 anos, «ficando assim salvaguardada para as próximas gerações de famalicenses a existência do Parque da Devesa tal como é hoje», garante a Câmara Municipal em comunicado.

 

Refira-se que a intervenção a desenvolver pelo CITEVE não implica qualquer alteração ao Plano de Urbanização aprovado pela autarquia para a área em 2012.