Famalicão: Boletim Cultural «é importante para a identidade concelhia»

Já foi apresentada publicamente a nova série do Boletim Cultural de Famalicão. O volume, que corresponde aos números 12 e 13, é composto por 556 páginas e divide-se em quatro capítulos: “Da fundação do concelho. Bernardino Machado e as liberdades municipais”; “Arte e Património”; “Do Local ao Global” e “História do Presente”.

A apresentação decorreu na segunda-feira, dia 22 de março, e já está disponível para download em www.famalicao.pt/boletim-cultural. A publicação física pode ser consultada na Rede Pública de Bibliotecas Municipais e adquirida no Livraria Municipal, situada na Casa do Território, no Parque da Devesa.

Na apresentação, o presidente de Câmara, Paulo Cunha, elogiou a obra que disse ser «importante para assegurar que a nossa identidade se mantenha e para permitir que no futuro existam registos documentais e referências ao nosso percurso e à nossa história».

Editado pela primeira vez em 1980, o Boletim Cultural é uma das mais antigas publicações do género em Portugal.

A obra reúne um conjunto de trabalhos de investigação da autoria de credenciados historiadores que têm dirigido o seu olhar para a memória e identidade de Vila Nova de Famalicão. São eles: A. Martins Vieira, António Gonçalves, António Joaquim Pinto da Silva, António José Queiroz, Arminda Ferreira, Arquivo Municipal Alberto Sampaio, Artur Sá da Costa, Felisbela Oliveira Leite, Filipa Sousa Lopes, Gonçalo Ferreira, Isabel Barca, Jerónimo de Sousa, João Afonso Machado, Jorge Fernandes Alves, José Carlos de Castro Amorim, José Manuel Gonçalves de Aguiar, José Manuel Lages, Luís Alberto Alves, Luís Gonzaga Cardoso, Nelson Pereira, Norberto F. Cunha, Odete Paiva e Rogério Bruno Guimarães Matos.

«Voltamos a contar com um conjunto de trabalhos inéditos, de uma enorme qualidade científica e de áreas de investigação muito variadas e inovadoras», referiu Artur Sá da Costa, coordenador do projeto, que considerou ser «um hino de afirmação do poder local e um bom manual para se acompanhar a evolução cultural de Vila Nova de Famalicão».

Para além dos artigos científicos, a publicação é ainda enriquecida com um olhar fotográfico patrimonial sobre as caixas do correio em Vila Nova de Famalicão.

Banco CTT acaba com contas sem comissões, cliente passa a pagar de três em três meses

O Banco CTT anunciou que vai acabar com as contas sem comissões.

Quando abriu portas, as contas sem custos para o cliente foi uma das “bandeiras” utilizadas pela instituição que, agora, decidiu mudar de estratégia.

Assim sendo, e de acordo com o jornal ECO, as contas do Banco CTT passam a ter uma comissão anual de 20 euros, cobrados em parcelas de 5 euros de três em três meses.

As alterações entram em vigor no mês de abril.

Famalicão mantém-se como município mais exportador do Norte e terceiro no país

A última edição do Anuário Estatístico da Região Norte, editado no final do ano, mostra que o município de Famalicão manteve, em 2020, como o mais exportador a norte e o terceiro no país, logo a seguir a Lisboa e Palmela.

O concelho tem, ainda, um saldo positivo da balança comercial de 765 milhões de euros (m€), resultado de uma diferença entre as exportações (1.746.464 m€) e as importações (981.278 m€). É, desta forma, um dos municípios que mais contributo líquido dá para a economia nacional.

«Apesar da tendência de queda da economia devido à pandemia, Vila Nova de Famalicão conseguiu manter-se como um dos municípios que mais contribui para a economia nacional. Somos um território que produz, que trabalha, que não baixa os braços», refere, a propósito, o presidente da Câmara Municipal, Mário Passos.

Para o futuro, o autarca mantém o otimismo e acredita que «com a capacidade de resiliência e empreendedorismo dos famalicenses vamos conseguir ultrapassar as adversidades provocadas por esta pandemia e continuar no rumo da inovação e do pioneirismo industrial do país».

No que diz respeito ao peso dos vários setores nas exportações do município, o têxtil e vestuário continuam a representar a maior fatia das exportações, seguindo-se o setor automóvel, metalomecânica e, por fim, o agroalimentar.

Entretanto, de acordo com os dados mensais preliminares do Instituto Nacional de Estatística (INE), as exportações das empresas famalicenses acumularam até novembro de 2021 um crescimento de 23,86% face ao mesmo período de 2020 e de 4,12% face a 2019, o que vem trazer um novo alento ao tecido empresarial. A nível nacional e no que diz respeito ao setor têxtil e vestuário, as exportações acumularam até outubro um crescimento de 15,2% face ao mesmo período de 2020 e de 1,5% face a 2019.

Refira-se que aquela que é a principal economia do Norte de Portugal tem nas suas fileiras perto de 15 000 empresas, que representam um volume de negócios na ordem dos cinco mil milhões de euros. Destas, perto de duas mil sociedades são da indústria transformadora que dão um contributo líquido importante para as contas nacionais e para a empregabilidade do país.

Governo vai fazer recomendação para que isolados vão votar ao final do dia

Já é oficial, as pessoas que estiverem em isolamento, no dia das eleições legislativas, vão poder sair de casa para ir votar.

A informação foi tornada pública ao início da tarde desta quarta-feira, em conferência de imprensa com a ministra Francisca Van Dunem.

A CNN Portugal avança que o governo deverá fazer uma recomendação para que essas pessoas se desloquem aos locais de voto ao final do dia, de forma a que haja o menor contacto possível com não isolados. O horário apontado para esse momento de voto deverá ser entre as 18h e as 19h.

É oficial: Governo autoriza que isolados saiam de casa mas só para ir votar

Já é oficial, as pessoas que estiverem em isolamento no dia das eleições legislativas, marcadas para 30 deste mês, vão poder sair para exercer o seu direito de voto.

A informação foi avançada pela ministra Francisca Van Dunem em conferência de imprensa realizada ao início da tarde desta quarta-feira.

Famalicão: Hospital dá formação sobre o parto

O serviço de Obstetrícia do Centro Hospitalar do Médio Ave organizou uma formação denominada “Parir em movimento – anatomia funcional do parto fisiológico”, na qual participaram 30 profissionais de saúde, entre eles médicos obstetras, enfermeiros especialistas e uma fisioterapeuta.

O evento «dinâmico, prático e sensorial» teve a duração de 21 horas, e decorreu nos dias 11, 12 e 13 de janeiro, na Casa do Território.

A instituição quis promover a proximidade, reforçar a interação e uniformizar a linguagem no que diz respeito ao cuidado humanizado no parto. Pretendeu dotar os profissionais de conhecimentos relativos à mobilidade da pelve, à importância do movimento durante o trabalho de parto e a liberdade de escolha pela mulher da melhor posição para parir com o mínimo de intervenção possível. Desta forma, esta formação veio cimentar a transformação que está em curso no Serviço de Obstetrícia do CHMA, em direção à humanização do parto.

Para dar este curso foram convidados quatro enfermeiros especialistas em saúde materna e obstetrícia dos ACES de Famalicão, Santo Tirso e Trofa.

Uma das convidadas foi a catalã Núria Vives, que é licenciada em Pedagogia pela Universidade Autónoma de Barcelona e pela Universidade La Sorbonne, de Paris e terapeuta Psicomotora, pela Universidade Central de Barcelona. Núria é também membro do Sensory Awareness Leaders Guild. Estuda e colabora com Blandine Calais-Germain há trinta e cinco anos, com quem escreveu o livro “Parir en Movimiento” e participa, desde 2007, na implementação dos novos protocolos de “Estrategia de Atención al Parto Normal”, do Ministério da Saúde espanhol e em diferentes comunidades e hospitais de Espanha.

O CHMA pretende continuar a incentivar a formação dos seus profissionais, sendo que no ano de 2022 estão previstas, ainda no 1º semestre, mais duas formações para os mesmos.

Famalicão: DIGNAmente é o novo projeto da Clínica Marca da Mente

A Clínica Marca da Mente destaca-se, mais uma vez, pela diversidade de serviços e pela inovação na assistência que disponibiliza à comunidade.

É neste sentido e de forma a apoiar as famílias que tenham idosos a seu cargo e que já não conseguem individualmente prestar o auxílio e as condições convenientes ao avanço da idade, que o novo Projeto DIGNAmente encontra o seu propósito.

Assim, comprometemo-nos a apoiar na definição de soluções viáveis e adequadas ao perfil do idoso e da sua família, facultando aconselhamento e orientação mas, essencialmente, uma resposta concreta com base nas suas necessidades e expectativas.

Para que isto seja possível contamos com a colaboração de entidades parceiras que partilham do mesmo interesse – melhor qualidade de vida para os seniores.

Se efetivamente procura ajuda especializada para melhor encaminhar o processo de envelhecimento do seu familiar, irá descobrir na Clínica Marca da Mente uma profissional com larga experiência na área, com um vasto currículo de trabalho com idosos, famílias e de gestão técnica em contexto institucional.

Mais uma vez, estamos aqui para o servir.