Escassez de vacinas Covid tira forças de segurança e bombeiros das prioridades

As forças de segurança e bombeiros vão deixar de estar entre os prioritários devido à escassez de vacinas. A informação é avançada pelo Expresso que cita o novo coordenador da ‘task force’, Henrique Gouveia e Melo.

A escassez de vacinas determinou a alteração do plano da vacinação, adiando a vacinação às Forças Armadas e forças de segurança, bombeiros, elementos de órgãos de soberania, e mesmo médicos que não estejam na linha da frente.

Grande parte das vacinas disponíveis serão administradas a pessoas com 80 ou mais anos e entre os 50 e os 79 anos com uma das doenças de maior risco para a covid-19 (cardíaca, coronária, renal e respiratória grave).