AssaltosPaís

Em Parades: desmantelada rede de tráfico de peças automóvel

Investigadores encontraram depósito de peças usadas para carros Audi, BMW, Mercedes, Peugeot e Renault

Um carro parcialmente desmantelado e cerca de 100 jantes foram encontrados pela GNR, no interior de um armazém de uma recauchutagem, em Gandra, Paredes. As autoridades acreditam que este espaço era usado como destino final de dezenas de carros furtados em todo o Vale do Sousa e noutros concelhos do Norte do país. Seria aqui que as viaturas eram desmanteladas para serem vendidas às peças.

Segundo o JN apurou, a investigação levada a cabo pela GNR de Penafiel começou com o registo anormal de furtos de automóveis ocorridos, nos últimos meses, em Paredes e Penafiel. O trabalho dos militares levou-os até à referida recauchutagem, situada em Gandra, na qual foram feitas buscas. Durante a operação, os militares encontraram, no interior de um armazém, 100 jantes de carros de marcas Audi, BMW, Mercedes, Peugeot e Renault. Outras não são identificáveis, mas a GNR acredita que o valor do material apreendido chegará a 18 mil euros. As jantes estão expostas no quartel da GNR de Penafiel para serem identificadas pelas vítimas dos furtos.

Na mesma recauchutagem, foi encontrado um carro parcialmente desmantelado. Trata-se de um Renault Laguna, avaliado em cerca de 25 mil euros, que foi furtado recentemente em Gaia.

O dono da empresa, de 40 anos, foi constituído arguido e é visto pelas autoridades como um elemento central da investigação que continuará a decorrer.

Esta apreensão segue-se a outra, ocorrida também esta semana, em Gondomar. O Núcleo de Investigação Criminal da GNR de Matosinhos deteve um homem, de 27 anos, por furto de jantes de carros estacionados na Maia, Matosinhos, Vila do Conde, Trofa e Gondomar. Levado ao tribunal, o homem ficou em liberdade, mas com apresentações diárias às autoridades. Está ainda proibido de sair da freguesia de S. Pedro da Cova, onde reside.

No decorrer desta operação policial, foram igualmente identificados outros três homens e uma mulher, com idades entre os 24 e 39 anos.

Vaga de furtos na origem das investigações

O Norte do país tem sido assolado por uma vaga de furtos de jantes que já obrigou as autoridades a redobrar esforços de investigação. Foram detetados grupos organizados que satisfaziam encomendas de indivíduos dedicados ao comércio de peças de veículos no mercado negro. As viaturas atacadas eram escolhidas em função dos pedidos e, muitas vezes, eram deixadas em cima de blocos de cimento.

Previous post

Gestifute atenta à futura SAD do FC Famalicão

Next post

Encontro de Joões volta a animar Braga no sábado

Imprensa Externa