Em breve poderá ter de pagar uma mensalidade para o Facebook

Fruto de várias razões, o Facebook tem alterado a sua postura e até o funcionamento da rede social. São várias as provas dadas de que esta mudança é real e está acontecer. Depois de todos os problemas recentes, e de mudar algumas regras, prepara-se agora para começar a cobrar para os utilizadores acederem a alguns Grupos o Facebook.

Esta será por agora uma funcionalidade experimental, mas a verdade é que muito em breve os administradores dos Grupos do Facebook vão poder passara cobrar para que os utilizadores acedam aos grupos que gerem. Desta forma recompensam estes autores de conteúdos e criam zonas exclusivas e únicas.

Segundo foi anunciado pelo próprio Facebook, os preços de acesso a estes grupos vão situar-se entre os 4,99 e os 29,99 dólares mensais. Para quem decidir pagar terá acesso exclusivo a estes grupos, ficando os restantes utilizadores barrados.

Para testar a funcionalidade e avaliar da adesão que os utilizadores vão ter a esta novidade, apenas um grupo limitado de criadores de conteúdos e gestores de grupos vão poder alterar o tipo de grupos e passar a cobrar a mensalidade.

Uma vez que esta novidade dos grupos será, por agora, limitada aos dispositivos móveis, a subscrição ficará a cargo da Apple e da Google, revertendo parte dos valores cobrados para estas empresas.

Para muitos a monetização dos Grupos do Facebook pode fazer sentido para que a rede social passe a conseguir obter rendimentos desta sua área. Por agora esta é uma área que não tem publicidade e que se pretende que assim se mantenha.

Esta é mais uma prova de que o Facebook está a mudar e que procura novas formas de conseguir obter rendimentos do que tem disponível. Depois dos vídeos publicitários que vão chegar ao Messenger, é agora a vez dos Grupos do Facebook serem alterados e começarem a ter uma mensalidade.

Aqui ao lado: Varredor encontra 11 mil euros em mala esquecida na rua e entrega-a à polícia

A história de humildade de um varredor da Galiza, em Espanha, está a correr o mundo.

Victor Prado (na imagem) está a ser conhecido em todo o lado pelo achado que fez. Numa deslocação habitual de casa até à escola do filho, o espanhol, durante o percurso, encontrou uma mala que escondia no seu interior 11 400 euros.

Contrariamente ao que muitos poderiam achar, Victor deslocou-se às autoridades e entregou tudo o que encontrou.

Se o dinheiro não foi ganho por mim, não é dinheiro meu… sou pobre, mas a humildade e honra ensinaram-me desde criança”.

As autoridades conseguiram chegar até aos proprietários do dinheiro, um casal de idosos que tinha naquela mala as poupança de uma vida.

Guterres avisa: “Humanidade está a brincar com uma arma carregada”

O secretário-geral da ONU disse hoje em Hiroshima que a humanidade está “a brincar com uma arma carregada” nas atuais crises nucleares, num discurso no 77.º aniversário do bombardeamento atómico dos EUA no Japão.

Numa cerimónia anual na cidade japonesa para assinalar as vítimas do atentado de 1945, António Guterres fez um forte apelo aos líderes mundiais para removerem as armas nucleares dos seus arsenais.

Há setenta e sete anos, “dezenas de milhares de pessoas foram mortas de uma só vez nesta cidade. Mulheres, crianças e homens foram incinerados num incêndio infernal”, lembrou.

“Os edifícios transformaram-se em pó. Os sobreviventes foram amaldiçoados com um legado radioativo” de cancro e outras doenças, acrescentou.

Hoje, “as crises com tons nucleares estão a alastrar rapidamente, desde o Médio Oriente à península coreana, passando pela invasão russa da Ucrânia. A humanidade está a brincar com uma arma carregada”, disse Guterres, repetindo avisos feitos esta semana numa conferência de signatários do Tratado de Não-Proliferação Nuclear em Nova Iorque.

Durante os últimos dois anos, as comemorações do atentado de Hiroshima – com a presença de sobreviventes, familiares, funcionários japoneses e alguns dignitários estrangeiros – têm sido realizadas de forma limitada por causa da covid-19.

A cerimónia de sábado foi mais significativa.

A ameaça nuclear tem assombrado as pessoas desde que a Rússia invadiu a vizinha Ucrânia em fevereiro. O embaixador da Rússia no Japão não foi convidado para a cerimónia, mas visitou Hiroshima na quinta-feira para depositar uma coroa de flores em honra das vítimas.

Cerca de 140.000 pessoas morreram em resultado do atentado de 06 de agosto de 1945, o bombardeamento de Hiroshima, uma contagem que inclui aqueles que sobreviveram à explosão, mas que mais tarde morreram devido à radiação.

Três dias mais tarde, os Estados Unidos lançaram outra bomba nuclear sobre a cidade portuária japonesa de Nagasaki, matando cerca de 74.000 pessoas e pondo fim à Segunda Guerra Mundial.

Brasil de luto: Morreu Jô Soares

Morreu o escritor e humorista Jô Soares aos 84 anos.

Segundo a assessoria do escritor, Jô Soares estava internado no Hospital Sírio Libanês, em São Paulo.

Desconhece-se a causa da morte.

Chef famalicense dá brilho a estrela Michelin de restaurante português no Dubai

O restaurante Tasca by José Avillez, no Dubai, conquistou uma estrela na primeira edição do Guia Michelin desta cidade dos Emirados Árabes Unidos. A distinção tem um toque famalicense, dado que José Barroso é o chef executivo do espaço. Aliás, foi José Barroso que, durante a gala, subiu ao palco para vestir a jaleca com uma estrela e, em nome de Avillez, agradeceu a distinção.

Em declarações ao Expresso, José Avillez fala de «uma grande emoção» e assume que a distinção «foi inesperada porque, apesar de saber que fazemos um ótimo trabalho e que temos uma equipa espetacular, as estrelas Michelin são coisas raras, e este ano é o primeiro em que o guia entra no Dubai».

O ” Tasca” é o primeiro restaurante internacional de Avillez. Foi inaugurado há cerca de três anos e apresenta um menu de cozinha portuguesa.

A estrela Michelin é uma das maiores distinções atribuídas a restaurantes pela excelência da cozinha.

 

Famalicão: Município quer que refugiados ucranianos se sintam em casa

O presidente da Câmara Municipal de Famalicão, Mário Passos, recebeu, esta sexta-feira, um grupo de refugiados ucranianos, recém-chegados a Famalicão. São já mais de 30 os refugiados em Famalicão, que estão a receber ajuda de familiares, amigos, empresas e do município. Os que fogem da guerra são, sobretudo, crianças e mulheres.

O município, com a ajuda de particulares, instituições e empresas, está a encetar todos os esforços para trazer mais pessoas que fogem da guerra na Ucrânia. Famalicão poderá acolher algumas centenas de pessoas.

Emigrante português com 35 anos morre em acidente de trabalho num hotel de Bruxelas

Um emigrante português morreu, esta segunda-feira, ao cair de uma altura superior a 30 andares, no Hotel Sheraton, em Bruxelas, na Bélgica.

O acidente aconteceu cerca das 16h00 e, depois da queda, a vítima terá embatido com violência numa plataforma instalada no exterior do 3º piso.

O português de 35 anos participava nas obras de requalificação daquela unidade hoteleira.

O óbito foi declarado no local.

É de Famalicão emigrante de 35 anos que morreu em acidente de trabalho em Bruxelas