Da tribuna dos silêncios…

Da tribuna dos silêncios, onde chegam os rumores das conversas mais frequentes do quotidiano, registo sobretudo as que dominam a atenção da maioria dos famalicenses.

Não viciarei este resumo se afirmar que a preparação do próximo ano escolar, as férias, o dinamismo sempre crescente do nosso concelho e a quase ausência de bulício sobre a peleja eleitoral que se aproxima são os murmúrios que ultimamente mais chegaram a esta tribuna.

Quanto ao ano letivo a ter início em setembro, há muitas preocupações no ar. Neste rol encontram-se inquietações provocadas pelo deslocamento compulsivo de alunos de algumas escolas e pela superlotação de outras. De facto, quer a arbitrária legislação que impõem o acesso condicional ao primeiro ano do 1º. Ciclo das crianças nascidas após o dia 15 de setembro, quer o encerramento coercivo de muitas turmas nas instituições de ensino com contrato de associação levaram a que as escolas públicas mais procuradas se encontrem nos limites da capacidade, com as consequências que facilmente se podem adivinhar.

Em relação às férias, nesta particular altura do ano, é absolutamente natural que a maioria dos famalicenses, depois de um ano de trabalho e de canseiras, se preocupe essencialmente em gozar alguns dias de lazer e de descanso.

No que diz respeito à vitalidade permanente de Vila Nova de Famalicão, as manifestações de apreço, de satisfação e até de orgulho são frequentemente expressas, não só nos diálogos mais banais, mas também nas discussões mais acesas das tertúlias informalmente constituídas um pouco por todo o lado. Os sucessos dos múltiplos projetos de cariz industrial, social e cultural são disso um bom exemplo.

Terra de gente laboriosa e com um tecido empresarial de fazer cobiça a muitas outras de maior dimensão, Vila Nova de Famalicão é sem sombra de dúvida um município de pessoas maioritariamente felizes.

Esta felicidade poderá explicar em boa parte a falta da vulgar pugna eleitoral em vésperas de sufrágio autárquico. Na realidade, a pouco menos de dois meses destas importantes eleições, o ambiente que se respira é de tranquila serenidade. Os famalicenses, independentemente do valor relativo dos diferentes candidatos que se apresentaram para disputar o poder, parecem não ter quaisquer dúvidas na escolha que vão fazer no próximo dia 1 de outubro.

Não posso terminar sem me referir à preocupação social das empresas sediadas no nosso concelho. Algumas delas já perceberam há muito tempo que o êxito não se consegue apenas na obtenção de lucros a curto prazo, mas através de uma postura virada para o mercado, coerente, e socialmente responsável, quer na sua vertente interna, quer na dimensão externa. Na primeira, dando especial atenção à gestão dos recursos humanos, ao bem-estar, à saúde e à segurança no trabalho dos seus colaboradores; na segunda, respeitando o meio ambiente, valorizando a relação com clientes, fornecedores e interagindo com as comunidades locais.

A oferta de um aparelho de Raio X portátil para o Serviço de Pediatria/Neonatologia do Centro Hospital do Médio Ave, já publicitada por diversos órgãos de comunicação, concretizada na última semana pelo grupo Continental, é o paradigma perfeito desta atitude. Não sendo inédita, dádivas como esta são valiosos contributos para colmatar lacunas que com os recursos disponíveis não são possíveis de satisfazer em tempo útil e onde as empresas podem ter um papel complementar, socialmente muito relevante.

Com a replicação desta boa notícia, faço votos para que mais empresas venham a reproduzir o gesto da Continental e termino desejando aos estimados leitores umas férias retemperadoras e muito felizes.

M. Gonçalves de Oliveira

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.