Concelho

D. Jorge Ortiga pretende dar um «ritmo novo» à Arquidiocese

O Arcebispo de Braga pediu este sábado aos Conselheiros pastorais uma «atenção permanente» à vida da Arquidiocese.

D. Jorge Ortiga deixou este apelo na reunião do Conselho Pastoral, realizada no Centro Pastoral e Cultural da Arquidiocese. O prelado referiu que é necessário dar um «ritmo novo» à Diocese, sendo bem-vindas, neste ano
em que o programa pastoral convida a “semear” esperança, ideias, propostas e sugestões. «O vosso trabalho deveria
ser um trabalho quotidiano», disse D. Jorge.

O Arcebispo de Braga procurou sensibilizar também para a importância de, neste período da Quaresma, se seguir o itinerário de caminhada proposto a todas as paróquias, particularmente orientado para a Liturgia. «O Tempo da Quaresma é um período de libertação para depois na Páscoa anunciar e comunicar este Cristo vivo, este Cristo ressuscitado», referiu. Para passar esta mensagem, a Arquidiocese escolheu como simbologia a caixa de sapatos onde cada um é convidado a depositar os aspetos que necessita de libertar como a hipocrisia, a idolatria, etc. A partir desta simbologia, D. Jorge Ortiga desafia os cristãos a largarem as «pantufas» e o conforto do sofá e a calçarem as «sandálias» e a percorrerem caminhos que habitualmente não percorrem. «Esta deve ser a nossa atitude, a atitude das nossas paróquias, dos nossos arciprestados, dos nossos movimentos», indicou, referindo que «a pantufa simboliza paragem, ficar a olhar» e os cristãos não devem ficar nesta atitude, adiando «esforços e mudanças». «Jesus estabelece metas que estão sempre para lá das nossas expetativas e que nos convidam a uma superação constante. Não é o pessimismo, não é o alarmismo, mas esta vontade de procurar dar um passo sempre em frente», acrescentou. Neste contexto, D. Jorge Ortiga pediu aos Conselheiros pastorais que levem esta mensagem para os arciprestados e movimentos paroquiais, por forma a que haja uma «renovação constante dos
hábitos, rotinas e tradições» em momentos como, a Quaresma, a Semana Santa, as procissões dos Passos.

O Arcebispo de Braga aproveitou ainda esta reunião, em que também esteve o bispo auxiliar D. Francisco Senra Coelho, para recordar que na próxima sexta-feira, 2 de março, inicia-se a IV edição do Ciclo Nova Ágora, um evento que veio substituir as Conferências Quaresmais e que surgiu com o intuito da Arquidiocese sair dos «muros da Catedral» e ir ao encontro de pessoas a viver nos mais variados contextos, sejam crentes, não crentes, ateus e não ateus ou até agnósticos. “Ecologia”, “Cidadania e Responsabilidade Social” e “Envelhecimento e Qualidade de Vida” são os três temas em torno dos quais se vão realizar as três conferências, respetivamente, nos dias 2, 9 e 16 de março, às 21h00, no Auditório Vita. Entre os oradores convidados estão os ministros do Ambiente e do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Matos Fernandes e Vieira da Silva, o ex-reitor da Universidade de Lisboa, Sampaio da Nóvoa, o historiador Pacheco Pereira e o cientista Manuel Sobrinho Simões.

Fonte: Diário do Minho

Previous post

Guias da região de Braga celebram Dia Mundial do Pensamento

Next post

Casados vão poder renunciar à herança