Covid-19: Vírus não para no Natal nem no Ano Novo

O bastonário, Miguel Guimarães, e o Gabinete de Crise da Ordem dos Médicos para a Covid-19, em nota enviada às redações, afirmam que o número de novos casos de infeção por 100.000 habitantes nos últimos 14 dias, mantém-se «muito elevado», continuando a representar «um risco significativo para a segurança de todos e a integridade do Serviço Nacional de Saúde».

Por isso, alertam que no período das festividades natalícias, que promovem uma maior proximidade familiar, o respeito pelas medidas de prevenção no combate à pandemia «são essenciais e indispensáveis para protegermos os nossos familiares, e em particular os de maior risco: os mais idosos e com doenças crónicas».

Adiar viagens não essenciais, usar sempre a máscara, lavar frequentemente as mãos e evitar aglomerados de pessoas, mesmo que sejam familiares ou amigos, é o apelo que fica, porque para o vírus não há Natal nem Ano Novo.

Recorde-se que o país está em estado de emergência até 23 de dezembro, período durante o qual há recolher obrigatório nos concelhos de risco de contágio mais elevado, de entre os quais está VN Famalicão.