Covid-19: Mais de 4 mil médicos que trabalham fora do SNS querem ser vacinados

O bastonário da Ordem dos Médicos considera inaceitável que os médicos que trabalham fora do Serviço Nacional de Saúde (SNS) não tenham ainda sido contactados para a vacinação contra a covid-19.

Miguel Guimarães enviou, esta sexta-feira, ao Ministério da Saúde, uma primeira lista de mais de 4000 médicos que trabalham fora do SNS e que, até ao momento, não receberam qualquer informação sobre a vacinação e pretendem ser imunizados.

«Tendo o Ministério da Saúde identificado os médicos e profissionais de saúde como grupo prioritário, não é aceitável que todos os médicos portugueses, incluindo os que trabalham fora do SNS, não tenham sido ainda contactados», condena Miguel Guimarães em nota enviada à comunicação social.

O médico defende que a definição de prioridades e a sua aplicação devem ser uniformes «e envolver todo o país e não apenas uma parte, até porque muitos portugueses encontram hoje resposta para os seus problemas de saúde fora do SNS, seja a título privado ou convencionado».

Miguel Guimarães tomou a iniciativa de fazer um inquérito a todos os médicos para saber quem está fora do SNS, sem informação sobre a vacina e com intenção de a receber. Em poucos dias foram compilados 4043 contactos, «1000 dos quais fazem serviço de urgência. Nesta listagem que enviámos à tutela, há ainda quase 1400 prestadores de serviço, mas que por trabalharem normalmente no SNS sem vínculo e sim através de empresas prestadoras de serviços também não têm sido contemplados», alerta o bastonário.