Covid-19: Aumenta a confiança dos portugueses na eficácia da vacina

Na reunião que decorreu esta manhã, no Infarmed (Lisboa), e que reuniu diversos especialistas em saúde pública e políticos, a Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP) informou que a população portuguesa está mais confiante na vacina contra a covid-19.

Isto porque a ENSP fez um estudo com a população, apercebendo que, desde 14 de novembro, tem havido um ganho de confiança relativamente à vacina.

No dia 5 de fevereiro, já 75% dos portugueses afirmavam querer tomar a vacina logo que seja possível; em novembro, essa vontade estava nos 20%.

Segundo a diretora da ENSP, Carla Nunes, há também uma evolução positiva no número de pessoas que afirmam usar máscara sempre que saem de casa: passou dos 76% para os 92%. Os portugueses estão também a sair menos de casa.

Em sentido contrário, está a confiança das pessoas na capacidade de resposta dos serviços de saúde. Por altura do Natal, cerca de 25% da população dizia confiar pouco ou nada; no início de fevereiro, cerca de 50% dos inquiridos manifestou pouca confiança. Também subiu, de 55% para 65%, a perceção de ficar infetado com covid-19 dentro de uma instituição de saúde.

Já há luz verde para primeiro medicamento para tratar a Covid-19

“O Comité de Medicamentos Humanos da EMA (CHMP) recomendou a concessão de uma autorização de comercialização condicional para o medicamento antiviral oral Paxlovid para o tratamento da covid-19”, diz o regulador europeu em comunicado.

Segundo a agência europeia, este medicamento da farmacêutica Pfizer está recomendado, nesta fase, para adultos que não precisam de oxigénio suplementar e que correm maior risco de desenvolver uma forma grave de covid-19.

De acordo com a EMA, o Paxlovid é o primeiro medicamento antiviral administrado por via oral recomendado na União Europeia para o tratamento da covid-19, contendo duas substâncias ativas em dois comprimidos diferentes, que reduzem a capacidade do coronavírus SARS-CoV-2 se multiplicar no corpo.

Para chegar à conclusão hoje anunciada, o CHMP avaliou os dados de um estudo com doentes infetados, que demonstrou que o Paxlovid “reduziu significativamente as hospitalizações ou mortes em pacientes que têm pelo menos uma condição subjacente que os coloca em risco de covid-19 grave”.

A maioria dos doentes participantes no estudo estava infetada com a variante Delta, mas a EMA espera, com base em investigação de laboratório, que o Paxlovid também seja ativo contra Ómicron e outras variantes do SARS-CoV-2.

“O CHMP concluiu que os benefícios do medicamento são superiores aos seus riscos para a utilização aprovada e enviará agora as suas recomendações à Comissão Europeia para uma decisão rápida aplicável em todos os Estados-membros da UE”, adiantou o regulador.

Cabe agora à Comissão Europeia “acelerar o processo de tomada de decisão” para conceder a autorização de introdução no mercado condicional do Paxlovid, permitindo que seja comercializado em toda a UE, adianta o comunicado.

Esta autorização condicional de comercialização é um procedimento utilizado pela EMA para acelerar a aprovação de medicamentos durante emergências de saúde pública na UE, como é o caso da atual pandemia.

O regulador europeu é responsável pela avaliação científica, supervisão e monitorização da segurança de medicamentos na UE, trabalhando em rede com milhares de especialistas de toda a Europa, distribuídos pelos vários comités científicos.

 

Mercadona aumenta salário de funcionários em 2,7%

O Comité de Direção da Mercadona definiu o aumento, em 2,7%, do salário de toda a sua equipa para garantir o poder aquisitivo das 2.300 pessoas que compõem a Mercadona em Portugal.

A empresa, que tem um espaço comercial em Famalicão, regista que a medida é adotada num momento complexo, mas essencial «para as pessoas que fazem parte da Mercadona, porque são o melhor ativo para os clientes». Quanto mais satisfazem os “Chefes”, como internamente a empresa designa os seus clientes, «mais a Mercadona avança»,

Todos os colaboradores têm contrato efetivo desde o primeiro dia e passam por 5 escalões, o que corresponde a aproximadamente os primeiros 5 anos de empresa, sendo que de escalão para escalão têm um aumento salarial de 11%.

A Mercadona promove, desde há muitos anos, uma política de Recursos Humanos pioneira no setor, que assegura a conciliação, formação e desenvolvimento pessoal e profissional de todos os que fazem parte da sua equipa. Com este aumento salarial, a Mercadona reforça o compromisso com o emprego estável e de qualidade que a empresa vem pondo em prática há mais de 25 anos, quando decidiu iniciar o processo de tornar efetivos todos os seus colaboradores.

Covid-19: Governo prolonga testes gratuitos até ao final de fevereiro

O Governo decidiu prolongar até ao final de fevereiro o regime que permite a comparticipação de testes rápidos de antigénio à Covid nas farmácias e laboratórios aderentes.

Cada cidadão tem a possibilidade de fazer quatro testes gratuitos por mês.

Podem saber os espaços aderentes aqui

 

Especialistas afirmam: Covid-19 vai ser como uma gripe e Portugueses vão estar imunizados depois desta vaga

Todos os portugueses estarão imunizados após a atual vaga da pandemia, o que deverá acontecer depois fevereiro, e a covid-19 vai evoluir para uma “doença residente” como a gripe ou a herpes, prevê o Instituto Superior Técnico.

“Entre vacinação e infeção, depois do final de fevereiro toda a população terá alguma imunidade ao vírus” que causa a covid-19, adianta o relatório do grupo de trabalho de acompanhamento da pandemia do Instituto Superior Técnico (IST) da Universidade de Lisboa que a Lusa teve acesso.

O documento adianta que, uma vez que toda a população residente em Portugal terá algum tipo de imunidade após esta vaga pandémica, a partir de meados de fevereiro é a altura de “preparar o pós covid-19 em Portugal”.