Costa prevê imunidade de grupo no fim do Verão e antes do regresso às aulas

O primeiro-ministro afirmou nesta terça-feira que Portugal deverá atingir no final do Verão a imunidade de grupo, “um momento importantíssimo para a confiança e libertação total da sociedade”, e prevê que se possam bater este ano recordes na captação de investimento.

Na cerimónia de assinatura de quatro contratos fiscais de investimento no valor global de 141 milhões de euros, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, António Costa salientou que “todas as previsões” apontam para que, entre 2021 e 2022, a economia portuguesa possa crescer cerca de 9%.

“Significa que, neste momento — em que com a aceleração do processo de vacinação podemos olhar para o final deste Verão como podendo atingir esse momento importantíssimo para a confiança e libertação total da sociedade que é a imunidade de grupo —, nós temos já em execução um conjunto de investimentos que assegurarão o crescimentos sustentado da economia portuguesa, a manutenção de postos de trabalho e a criação de mais e melhores postos de trabalho no futuro, essenciais para absorver o desemprego criado pela crise”, destacou.

Por outro lado, o primeiro-ministro salientou que em 2019 tinha sido, até agora, o ano em que o país bateu o recorde de investimento directo estrangeiro.

“Em termos de investimento directo estrangeiro, os contratos já apoiados pela AICEP [Agência para o Investimento e Comércio Externo] já são 92% do valor do melhor ano de sempre, que foi 2019. Estamos ainda em Julho, há ainda muito trabalho para fazer, há ainda a oportunidade de em 2021 batermos o recorde de 2019”, vaticinou.